Suprema Corte argentina autoriza “tarifaço” de Macri na energia elétrica

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 13 Setembro 2016

A Suprema Corte da Argentina emitiu no dia 06-09 uma decisão que permite o aumento de até 700% na tarifa da energia elétrica no país. Impulsionado pelo governo de Mauricio Macri, o aumento é tratado como um “tarifaço” na Argentina.

A sentença, que é válida para a província de Buenos Aires, vai na direção contrária a uma decisão anterior do tribunal, que em agosto havia suspendido um aumento semelhante do gás residencial, impondo uma derrota ao governo de Macri.

O tribunal suspendeu uma medida cautelar de primeira instância que impedia o aumento, a qual havia sido apresentada por deputados opositores ao presidente Macri. A corte argumentou que esses “carecem de legitimidade para atuar na representação do coletivo formado por todos os usuários do serviço de energia elétrica” na província – o que seria o caso se uma associação de usuários houvesse entrado com o recurso.

O governo de Macri justifica o tarifaço com base na necessidade de redução do déficit fiscal do país. No período em que Néstor e Cristina Kirchner estiveram no poder, foram concedidos subsídios para a população nesses serviços básicos. Assim, o governo paga a maior parte da conta de luz dos argentinos. Macri pretende eliminar esses subsídios até o fim de seu mandato.

Insatisfação

As decisões da Suprema Corte se dão em um contexto de insatisfação social com os ajustes do governo Macri. Medidas como o aumento da energia elétrica são altamente impopulares. Em meados de agosto, o presidente foi recebido com pedras por manifestantes em um ato oficial. Opositores de Macri planejam uma marcha contra o tarifaço, a ser realizada no dia 16-09.

O antigo perfil da presidência argentina no Twitter, ainda na ativa, e administrado por apoiadores de Kirchner, reagiu à decisão da Suprema Corte. A mensagem sugere que as companhias elétricas serão beneficiadas pela sentença, bem como membros do gabinete presidencial que deteriam ações dessas empresas:

Para além das disputas políticas, a polêmica revela um problema de infraestrutura no país. Macri já afirmou que os principais desafios do país são a inflação e o problema energético.

Em julho, o presidente havia pedido aos argentinos que economizassem energia elétrica. Os responsáveis pelo setor já preveem cortes no sistema durante o verão. O país convive com apagões nessa época do ano.

Leia mais...

Suprema Corte argentina barra tarifaço de 1000% e impõe derrota a Macri

Macri usará carro blindado depois de pedradas em ato público

O que a América Latina espera com a nova política econômica argentina

Depois do kirchnerismo

Plano Macri: ajuste econômico com massiva transferência de recursos para setores da economia concentrada. Entrevista especial com Washington Uranga

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Suprema Corte argentina autoriza “tarifaço” de Macri na energia elétrica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV