“Não basta acolher os refugiados, é preciso integrá-los”. Entrevista com Marco Impagliazzo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 20 Abril 2016

“No início de maio chegarão mais 150 refugiados. Nosso objetivo não é somente a acolhida, mas a inserção, segundo o modelo indicado no sábado passado por Francisco na conversa com os jornalistas durante o voo de volta de Lesbos”. O presidente da Comunidade Santo Egídio, Marco Impagliazzo fez, para o Vatican Insider, um primeiro balanço dos corredores humanitários, iniciativa que começou em 29 de fevereiro com os valdenses e o governo italiano.

A entrevista é de Giacomo Galeazzi e publicada por Vatican Insider, 19-04-2016. A tradução é de André Langer.

Eis a entrevista.

No sábado, o Papa Francisco encomendou a vocês 12 refugiados sírios. A quantos já ajudaram a chegar à Itália através dos corredores humanitários?

No dia 29 de fevereiro trouxemos para a Itália 97 refugiados sírios e no princípio de maio chegarão mais 150. Viajarão à Itália passando novamente pelo Líbano, que é o país de passagem. Uma parte será alojada pela Comunidade Santo Egídio em apartamentos e albergues da comunidade em Roma. Alguns deles também foram acolhidos pela Comunidade Papa João XXIII no Trentino e em outras regiões do centro-sul da Itália. As comunidades valdenses, por sua vez, distribuíram os refugiados entre suas diferentes dependências em todo o território nacional.

Em que condições burocráticas se encontram atualmente os refugiados que receberam?

Todos estão esperando o reconhecimento da proteção humanitária. Nestes dias, também estamos fazendo os trâmites para que sejam reconhecidos como refugiados.

E como passam seus dias?

Todos os adultos têm aulas de italiano, ao passo que as crianças estão matriculadas na escola. E depois, muitos jovens estão comprometidos diariamente com cursos de formação profissional. Seguem um programa que não é só de acolhida, mas também de integração. Não ficaram jogados em um centro qualquer.

Quais são os objetivos deste projeto?

O objetivo é, como disse o Papa no sábado passado, garantir a acolhida e a integração também mediante a formação para o trabalho. Devemos ajudá-los a se integrarem no mundo do trabalho, o contrário do que infelizmente acontece nos centros de identificação, onde os refugiados passam meses e meses sem fazer nada. Nossa tarefa é intervir imediatamente na inserção e na integração.

Em que consistem os corredores humanitários?

São uma forma de apadrinhamento, e é justamente este mecanismo que falta aos países europeus e que existe, por exemplo, no Canadá e em outros países. Na Itália e na Europa há associações e realidades capazes de apadrinhar a viagem, assegurar a chegada dos refugiados em condições de segurança e garantir sua permanência, favorecendo a inserção na sociedade. Não há nenhuma razão para impedir o apadrinhamento, embora esta oportunidade não exista nem na Itália nem na Europa.

Por que são necessários os padrinhos?

O Estado não pode fazer tudo. O apadrinhamento favoreceria viagens mais seguras. Na Europa, falta também uma verdadeira política para favorecer as reuniões familiares. Pelo contrário, nos países europeus, estes reencontros são muito restritivos e limitam-se ao cônjuge e aos filhos menores de idade. Em certas culturas, sobretudo no Oriente Médio, a família é muito mais ampla. Não há nenhum motivo para impedir que alguém, por exemplo, se junte ao seu primo na Alemanha. Muitos refugiados já têm parentes na Europa capazes de acolhê-los.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Não basta acolher os refugiados, é preciso integrá-los”. Entrevista com Marco Impagliazzo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV