Em Quedas do Iguaçu, MST faz protesto contra mortes em assentamento

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Os três movimentos de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco mira na imprensa e cultura da “pós-verdade” em discurso aos movimentos populares

    LER MAIS
  • COP26, estrada difícil: aqui estão os documentos que comprovam a resistência aos empenhos climáticos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 11 Abril 2016

Durante os discursos, lideranças voltaram a afirmar que a meta do movimento é ocupar todas as terras da Araupel, empresa que atua com exportação de madeira.

A reportagem é de Luiz Carlos da Cruz e publicada por Gazeta do Povo, 09-04-2016. 

Milhares de pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fizeram um protesto na manhã deste sábado (9) na praça central de Quedas do Iguaçu, na região Centro-Sul do Paraná. O ato foi para cobrar justiça pela morte de dois sem-terra em suposto confronto com a Polícia Militar (PM) na última quinta-feira (7) no assentamento Dom Tomás Balduíno.

O ato público teve a participação de deputados estaduais e federais do Paraná, Sergipe e Bahia, além da senadora paranaense Gleisi Hoffmann (PT). Durante os discursos, lideranças políticas e de movimentos sociais voltaram a afirmar que a meta do MST é ocupar todas as terras da Araupel, empresa que atua com exportação de madeira.

A senadora Gleisi Hoffmann afirmou que o momento era de dor devido as mortes, mas enfatizou que o movimento era pacífico. “Aqui não tem violência, tem reivindicação de justiça”, afirmou. Dirigindo a palavra a população de Quedas do Iguaçu que não integra o movimento, a senadora declarou que “não é preciso temer esse povo” que luta por dignidade.

Gleisi também disse aos sem-terra para não condenarem a Polícia Militar porque, segundo ela, são pessoas que obedecem ordens e culpou o governador Beto Richa e o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, ambos do PSDB, pelas mortes.

Os sem-terra levaram para a praça 23 caixões, simbolizando as 19 mortes do massacre de Eldorado de Carajas, em abril de 1996, alem dos dois sem-terra mortos na quinta e outros dois em 1998, também em Quedas do Iguaçu. Sobre os caixões havia uma faixa com a inscrição “PM assassina”.

O superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária do Paraná (Incra), Nilton Bezerra Guedes, e o assessor especial de Assuntos Fundiários do governo do Paraná, Hamilton Serighelli estiveram no ato. Quando Serighelli começou o discurso, alguns sem-terra ameaçaram uma vaia ao assessor. Também participaram Juliana Moura Bueno, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, e Cesar Rodrigues, representante do Ministério de Desenvolvimento Agrário, além de outras autoridades.

Apesar do grande número de pessoas, a Polícia Militar não acompanhou o protesto de perto. As viaturas mais próximas estavam a pelo menos 700 metros de distância. Um helicóptero com policiais acompanhou do alto a manifestação.

Segundo o MST, 8,5 mil pessoas participaram da manifestação. Já a PM informou que o número de manifestantes não passou de 1,5 mil. O clima na cidade continua tenso e boa parte da população se recusa a comentar a violência no campo.

Antes do ato público, aconteceram homenagens aos sem-terra Vilmar Bordim, de 44 anos, e Leomar Bhorbak, de 25, mortos no confronto com a PM na quinta-feira. Bordim era casado e pai de três filhos. Bhorbak também era casado e deixou a esposa grávida.

O ato durou aproximadamente duas horas e não houve incidentes. Uma mulher passou mal, desmaiou e precisou ser socorrida por uma equipe de saúde do próprio movimento. O MST diz que vai “vingar” a morte dos dois sem terra ocupando toda a área da Araupel. Um líder do MST de Santa Catarina disse que a “vingança” acontecerá em latifúndios de todo o Brasil.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em Quedas do Iguaçu, MST faz protesto contra mortes em assentamento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV