“A vingança nossa é ocupando o latifúndio”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O fundador do Movimento Apostólico de Schoenstatt e a investigação do ex-Santo Ofício

    LER MAIS
  • Posicionamento do Movimento Schoenstatt frente às acusações de abuso do seu fundador

    LER MAIS
  • Por que o capitalismo pode sonhar e a esquerda não?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 11 Abril 2016

O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) promete vingar a morte de dois integrantes do movimento ocupando novas áreas da empresa Araupel, em Quedas do Iguaçu, Centro-Sul do Paraná. Na tarde de quinta-feira (7), Vilmar Bordin, 44, e Leonir Orback, 25, foram mortos em confronto com policiais militares no entorno do acampamento Dom Tomás Balduíno. Outras seis pessoas ficaram feridas.Tanto a polícia quanto o MST dizem que foram vítimas de emboscada.

A reportagem é de Luiz Carlos da Cruz e publicada por Gazeta do Povo, 08-04-2016. 

Antonio de Miranda (foto), porta-voz do movimento na região, disse que o movimento social tem direito de vingar a morte dos trabalhadores. “A vingança nossa é ocupando o latifúndio, destruindo essa empresa que causa tantos danos”, afirma. As terras onde está o acampamento pertencem à Araupel, mas o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), com base em um estudo da cadeia dominial, reivindica a terra para a União. Em uma sentença de primeira instância, a Justiça Federal declarou no ano passado que a área da Fazenda Rio das Cobras, onde está o acampamento Dom Tomás Balduíno, pertence à União. A Araupel recorreu da sentença que anulou os títulos de posse que ela possui.

Miranda criticou também as declarações do comandante regional da Polícia Militar, tenente-coronel Washington Lee Abe, que pediu para as “pessoas humildes” deixarem o movimento porque a polícia não irá tolerar retaliações do MST. “É uma visão fascista, anti-social”, declara.O MST rechaça a declaração da PM de que os sem-terra armaram uma emboscada para os policiais. Segundo o movimento, uma das vítimas foi baleada nas costas, o que provaria que não houve confronto. “É a primeira vez que alguém faz uma emboscada e é morto”, diz Miranda. Uma caminhonete usada pelos sem-terra ficou marcada com mais de 30 perfurações provocadas pelos disparos. Segundo o movimento, Bordin correu e foi baleado pelas costas.

Neste sábado, às 10 horas, acontecerá uma grande manifestação no centro de Quedas do Iguaçu para cobrar justiça na morte dos dois sem-terra. O movimento promete reunir mais de 10 mil sem terra de pelo menos cinco estados do Brasil. “Estamos mobilizando pessoas de todos os estados para cobrar justiça. Não podem ficar em vão as mortes da companheirada”, diz Miranda.

Velório

Os corpos dos dois sem-terra foram liberados pelo IML (Instituto Médico Legal) de Cascavel, mas ainda não chegaram ao acampamento. Eles serão velados por aproximadamente três horas dentro do acampamento e posteriormente serão trasladados para suas cidades de origem. Vilmar Bordin era casado e pai de três filhos. Já Leonir Orback era casado e a esposa está grávida de sete meses.

Terras Contestadas

Saiba onde ficam os assentamentos e os acampamentos do MST que envolvem a empresa madeireira Araupel:

LITÍGIO

A Araupel possui cerca de 30 mil hectares de terras entre as regiões de Pinhal Ralo e Rio das Cobras, espalhadas pelos municípios de Rio Bonito do Iguaçu, Quedas do Iguaçu, Espigão Alto do Iguaçu e Nova Laranjeiras. Originalmente, ela tinha cerca de 80 mil hectares, mas 49 mil hectares foram destinados aos assentamentos Ireno Alves, Marcos Freire e Celso Furtado nos últimos 20 anos. A empresa tenta a reintegração de posse de duas áreas ocupadas pelo MST nos últimos 12 meses. São os acampamentos Herdeiros da Luta e Dom Tomás Balduíno.

*Foi a partir de 2003 que o acampamento começou a crescer. Em 2004, saiu o título provisório da terra para o Incra.

Fonte: Incra, MST e Araupel. Infografia: Gazeta do Povo.

Foto: Luiz Carlos da Cruz/Gazeta do Povo

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A vingança nossa é ocupando o latifúndio” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV