Blair pede desculpas

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Outubro 2015

"Ainda mais formidável do que o pedido parcial de desculpas de Blair foi o mea culpa de seu entrevistador, o âncora da CNN Fareed Zakaria. Diante da câmera, Zakaria disse aos telespectadores que se arrepende de seu próprio apoio inicial à guerra", escreve Luiz Antônio Araujo, jornalista, em artigo publicado por Zero Hora, 26-10-2015.

Eis o artigo.

Não é todo dia que políticos admitem responsabilidade pessoal por catástrofes. Por isso, é digna de nota a atitude do ex-premier britânico Tony Blair de pedir desculpas pela falsidade das informações de inteligência que levaram à invasão do Iraque e por “erros na planificação e na compreensão do que se passou depois de o regime ter caído”.

Em 2013, quando a invasão completou 10 anos, Blair pensava de maneira diametralmente oposta. Entrevistei-o em dezembro daquele ano, em Porto Alegre, e perguntei-lhe se mantinha a posição de que a invasão fora correta. Em sua resposta, o ex-premier apresentou o seguinte argumento:

– Suponha que não tivéssemos feito o que fizemos. Acho que é, pelo menos, discutível, se não provável, que o que está acontecendo na Síria hoje estaria acontecendo no Iraque. Se a Primavera Árabe atingiu Tunísia, Líbia, Egito, Iêmen, Síria, também não atingiria o Iraque?

Seis meses depois da entrevista de Blair a Zero Hora, o Estado Islâmico (EI), nova denominação da Al-Qaeda no Iraque, tomava Mossul e chegava a algumas dezenas de quilômetros de Bagdá. Hoje, Blair reconhece que há “elementos de verdade” na afirmação de que a invasão de 2003 levou ao surgimento do EI.

Ainda mais formidável do que o pedido parcial de desculpas de Blair foi o mea culpa de seu entrevistador, o âncora da CNN Fareed Zakaria. Diante da câmera, Zakaria disse aos telespectadores que se arrepende de seu próprio apoio inicial à guerra. Segundo o apresentador, sua mudança de opinião ocorreu ao ver a matança que se seguiu à invasão e a ascensão do EI.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Blair pede desculpas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV