Um enigma chamado Constantino

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Dezembro 2013

Constantino, o Grande, exaltado pelos cristãos e, ao mesmo tempo, divinizado pelos pagãos, foi algo mais do que um imperador romano. Nele, reflete-se um homem epocal que mudou a história, que deixou traços indeléveis na "nova" religião, que submeteu a arte e forçou a própria literatura a reestudá-lo continuamente. Cada época será quase obrigada a expressar um juízo sobre ele.

A reportagem é de Armando Torno, publicada no jornal Corriere della Sera, 09-12-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eusébio de Cesareia, que lhe dedica uma biografia, escreve até que, no Concílio de Niceia de 325, convocado e presidido pelo próprio imperador, "a sua veste resplandecente lançava lampejos iguais aos da luz, e ele parecia todo reluzente dos raios flamejantes da púrpura". Um anônimo panegirista bizantino, ao tecer um elogio que remonta ao século XII, define-o como "o mais bem-aventurado e mais santo entre os imperadores".

Montesquieu, ao contrário, depois de ter-lhe criticado as fraquezas pessoais (Voltaire elencava com prazer os seus delitos), também o considera responsável pelo declínio do Império Romano. Em termos de novidade, Dorothy Sayers, hoje conhecida principalmente pelos seus romances policiais, se expressa no drama The Emperor Constantine. A chronicle (escrito para o Colchester Festival de 1951): "Além disso, tornou-se de moda culpar Constantino pela corrupção implícita a toda aliança entre poder espiritual e poder temporal (...) mas tais críticas são inúteis".

Liev Tolstói, para encerrar uma controversa e infinita série de julgamentos ainda em curso, em um artigo de 1902, Carta a um sargento, não dá descontos e o chama de "aquele canalha de Constantino, o Grande".

O que dizer? Não é fácil responder a essa perguntas e a outras sobre o imperador mais controverso – agora exaltado, muitas vezes insultado – da história ocidental. Constantino não era apreciado por Dante por causa da Doação, que depois se descobriria que era falsa, com a qual se selava o poder temporal do papa (no canto XIX do Inferno: "De quanto mal foi mãe, ó Constantino, / não a tua conversão, mas a tua oferenda / que tornou rico o trono papalino!" [na tradução brasileira de Italo Eugenio Mauro, Ed. 34]) e ainda hoje o assunto não se esgotou completamente. Constantino mudou a história do cristianismo, e entre as suas muitas obras fundou Constantinopla.

Constantino é arte, literatura, cinema, teatro, historiografia. Sem o conhecimento da sua obra é até mesmo difícil compreender alguns mitos imperiais, da Rússia pré ou pós-soviética, à Itália de Mussolini. Constantino entra nos debates sobre a tolerância religiosa, embora às vezes ele pudesse ficar de fora.

Em suma, esse imperador fez escrever bibliotecas inteiras, nas quais o livro de Jacob Burckhardt (Costantino e il suo tempo) pode ser considerado um divisor de águas. Neste 2013, a 1.700 anos do Édito de Milão, que dava a liberdade de culto aos cristãos, é hora de fazer um balanço.

E, como se costuma dizer, não faltam oportunidades: o Instituto Treccani publica uma enciclopédia internacional em três volumes intitulada Costantino I. Aborda a figura e o mito (que muitas vezes substituiu o personagem real), oferece um status questionis muito amplo da crítica que começou no século IV e ainda está em curso, analisa o seu papel histórico do mundo romano ao bizantino, até os nossos dias.

A enciclopédia constantiniana foi dirigido por Alberto Melloni, e o seu nome também figura na direção científica. Entre as muitas indicações que ele oferece na introdução, escolhemos uma para mostrar a pesquisa muito vasta que dá forma à nova obra da Treccani e as perspectivas que nela são capturadas: "Até mesmo na historiografia americana ficaram inexploradas aquelas adaptações que faziam com que um estadista italiano, Nino Andreatta, pressentisse uma nova 'era constantiniana' depois da eleição à presidência dos Estados Unidos de Ronald Reagan, quando estava prestes por cair a cortina sobre a ilusão de que o mundo havia se 'secularizado'".

Constantino, em suma, está mais presente do que comumente se acredita.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um enigma chamado Constantino - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV