Não esquecer o que é essencial

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Os 60 bebês do Amazonas: retrato de um futuro asfixiado

    LER MAIS
  • Elementos importantes para compreender o contexto trágico que vivemos na cidade de Manaus

    LER MAIS
  • As lições de São Sebastião para a Igreja peregrina e perseguida do século 21

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Outubro 2020

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Mateus 22,34-40, que corresponde ao 30° Domingo do ciclo A do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto.

Eis o texto.

Não era fácil para os contemporâneos de Jesus ter uma visão clara do que constituía o núcleo da sua religião. Pessoas simples sentiam-se perdidas. Os escribas falavam de seiscentos e treze mandamentos contidos na lei. Como orientar-se numa rede tão complicada de preceitos e proibições? Em algum momento, a situação chegou a Jesus: o que é o mais importante e decisivo? Qual é o mandamento principal, o que pode dar sentido aos restantes?

Jesus não pensou duas vezes e respondeu recordando umas palavras que todos os homens judeus repetiam diariamente no começo e no fim do dia: «Escuta, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu ser». Ele próprio havia pronunciado naquela manhã estas palavras. A Ele ajudava-O a viver centrado em Deus. Isto era o principal para Ele.

Em seguida acrescentou algo que ninguém lhe tinha perguntado: «O segundo mandamento é: amarás o teu próximo como a ti mesmo». Nada é mais importante do que estes dois mandamentos. Para Jesus são inseparáveis. Não se pode amar a Deus e ignorar o seu próximo.

A nós ocorre-nos muitas perguntas. O que é amar a Deus? Como se pode amar alguém a quem nem sequer é possível ver? Ao falar de amor a Deus, os hebreus não pensavam nos sentimentos que podem nascer no nosso coração. A fé em Deus não consiste num «estado de ânimo». Amar a Deus é simplesmente centrar a vida nele para viver tudo desde a sua vontade.

Por isso, acrescenta Jesus o segundo mandamento. Não é possível amar a Deus e viver esquecido das pessoas que sofrem e a quem Deus ama tanto. Não existe um «espaço sagrado» no qual nos possamos «entender» a sós com Deus, de costas para os outros. Um amor a Deus que esquece os seus filhos e filhas é uma grande mentira.

A religião cristã resulta-nos hoje a muitos, complicada e difícil de entender. Provavelmente necessitamos na Igreja de um processo de concentração no essencial para nos desprendermos de acréscimos secundários e ficarmos com o importante: amar a Deus com todas as minhas forças e amar os outros como me quero a mim mesmo.

 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não esquecer o que é essencial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV