Primeiro mandamento: amai uns aos outros!

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • Os apelos de Bergoglio e as ideias de Küng: quando a Igreja se descobre “comunista”

    LER MAIS
  • “Defender ditadura, isso está fora de qualquer possibilidade de quem quer ser discípulo de Jesus”, afirma Dom Mol

    LER MAIS
  • Animação bíblica da pastoral a partir das comunidades eclesiais missionárias. A proposta da 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Agosto 2018

Até que ponto o decálogo poderia ser considerado uma espécie de estrela guia para uma ética compartilhada e implantada na existência pessoal e na sociedade contemporânea, havia sido mostrado, em 1988, pelo diretor polonês Krzysztof Kieslowski, com seus admiráveis dez filmes, cada um com uma hora de duração, dedicados ao decálogo. A tal respeito, já Lutero em seu catecismo ensinava que "não há melhor espelho em que você possa ver do que você precisa, que os dez mandamentos, em que você encontra o que lhe falta e o que você deve procurar". A sua formulação apodítica negativa, típica de um estilo estendido para marcar a incisividade e a radicalidade do preceito não deve nos fazer esquecer que o conteúdo é extremamente positivo e diz respeito à religiosidade, ao culto, às relações sociais, o direito à vida, ao casamento, à liberdade, à dignidade pessoal e à propriedade.

O artigo é de Gianfranco Ravasi, cardeal italiano e presidente do Pontifício Conselho da Cultura, publicado por Il Sole 24 Ore, 29-07-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Para essa matriz ideal de uma ética que é bíblica, mas que também aspira a ser "natural", ou seja, universal, já foi dedicada uma imensa bibliografia, para não mencionar a história da arte que deixou nos olhos de todo um radiante Moisés segurando as duas tábuas no cume do Sinai. Agora é a vez de um professor da Universidade romana da Santa Cruz, Filippo Serafini que, como resultado das suas aulas e palestras, nos apresenta um guia ágil e agradável para essa página bíblica que, no entanto, é oferecida em duas versões (Êxodo 20 e Deuteronômio 5) não completamente sobrepostas, embora ambos diretamente orientadas pela tríade Deus, tu, o próximo. A seguir é essencial tirar de cada um dos preceitos o suco moral e isso é possível através de uma análise precisa do texto que não reserva poucas surpresas para quem já tem em seus ouvidos uma certa catequese moralista do passado.

Basta ler, por exemplo, o comentário sobre "Não pronuncie o nome do Senhor em vão", ou "Não cometerás adultério", ou "Não roubarás". A centralidade está, como sugere o título do ensaio didático de Serafini, na vida e na liberdade, que colocam no palco os dois protagonistas, Deus e o homem. Por essa razão, é importante voltar ao quadro do Sinai e à estipulação de uma aliança entre o Senhor e o povo: a ética natural é, portanto, transfigurada em uma moral religiosa e transcendente. E é precisamente ao longo dessa trajetória que podemos situar o ápice luminoso de um mandamento bíblico capital, aquele "ame o próximo como a si mesmo", incrustado no livro do Levítico (19.18) e capaz de irradiar-se, embora com dificuldade, na tradição judaica para chegar a Cristo que faz dele seu mandamento príncipe unindo-o ao amor por Deus (Mateus 22,34-40).

Para Jesus, será a síntese ideal de sua mensagem moral, a ponto de estendê-la até ao inimigo em uma paradoxalidade constante em sua pregação, bem recebida não só por todo o arco da literatura do Novo Testamento, mas também pelo cristianismo sucessivo, infelizmente, nem sempre fiel àquele ditado tão exigente.

“Accogliere la libertà, condividere la vita”
(Acolher a liberdade, compartilhar a vida) 
de Filippo Serafini San Paolo, Cinisello Balsamo (Milano),
p. 142, € 19,50

Outro teólogo leigo (como é Serafini), o alemão Thomas Söding, 1956, casado e com três filhos, professor na Universidade de Bochum, oferece agora um impressionante dossiê exegético-teológico precisamente sobre isso que é o coração de uma ética autêntica, moldada e modulada no retrato de João do próprio Deus como ágape, "amor". É interessante notar que o estudioso parte justamente do "campo semântico do amor" para identificar a sua identidade bíblica específica e faz isso remetendo de maneira emblemática ao famoso ensaio do escritor inglês Clive Staples Lewis (1898-1963) publicado em Glasgow, em 1960, e traduzido em 2004 pela Jaca Book, cujo título é significativo: Os quatro amores. Afeto, amizade, amor, caridade.

Seguir o caminho que Söding propõe é fácil porque na prática leva o leitor pela mão por todo o arco das Sagradas Escrituras, naturalmente focalizando, sobretudo, as páginas do Novo Testamento nas quais "não há nenhum mandamento de importância análoga àquele do amor", de forma que "no conjunto, o Novo Testamento é um livro de amor ao próximo". Isso comporta a necessidade de definição de quem seja o próximo, da qualidade do amor, das suas manifestações e exigências, do nexo com o amor a Deus e por si mesmo, de suas implicações psicológicas, mas também políticas e, acima de tudo, teológicas. Em uma época em que a agressividade está à flor da pele nas relações sociais e naquelas das redes sociais, em uma fase histórica em que o magistério papal de Francisco estrutura-se em torno do tema da misericórdia, que é sinônimo de amor ao próximo, um ensaio como esse não é apenas um instrumento teológico-pastoral, mas também um texto de referência para fazer ressurgir aquelas raízes cristãs genuínas, ignoradas ou hipocritamente deformadas e manipuladas por uma determinada linha política.

“L’amore del prossimo” (O amor do próximo) 
de Thomas Söding Queriniana, Brescia,
p. 358, € 42

Obviamente, o amor deve ser testado na concretude das obras e dos dias. É por isso que estamos compondo uma espécie de trilogia com a última e mais evocativa publicação do nosso teólogo moral, Giannino Piana, ex-professor nas Universidades de Urbino e Turim e autor de um tratado monumental de teologia moral em quatro volumes, reunidos sob o título paulino de In novità di vita (Novidade da vida, ed. Cittadella).

Agora ele se confronta com a criação de um verdadeiro léxico, um Alfabeto da ética, com 112 “termos fundamentais” que têm certamente uma espécie de lastro nos verbetes sobre “amor”, sobre a “caridade”, sobre os “mandamentos", sobre a “'aliança", sobre a “liberdade”, sobre a “nova lei”', sobre a “natureza humana”, sobre a “solidariedade”, sobre a “vida”, na prática, sobre as categorias estruturais dos dois escritos que apresentamos anteriormente.

Os dicionários não são lidos na sequência (embora tal exercício seja legítimo), mas são investigados e geralmente são seguidos pelo menos dois caminhos de leitura. O primeiro é aquele da grade que orientou a seleção das vozes, que abre por si horizontes temáticos exterminados.

“L’alfabeto dell’etica” (O alfabeto da ética) 
de Giannino Piana Cittadella, Assisi,
p. 478, € 29,90

No caso do Alfabeto de Piana, algumas áreas são claras: quase se pode imaginar um mapa colorido, no qual várias regiões são agregadas. O próprio autor isola as maiores: a área da moral fundamental e geral, aquela de moralidade sexual e matrimonial, o delicado terreno da bioética, as zonas de moralidade econômico-social e da política e, finalmente, aquela em que o estudioso já se empenhou no passado e que está longe de ser resolvida, ou seja, a moral de religiosidade.

O outro caminho que o leitor pode seguir é muito mais fenomenológico e, se desejar, superficial, mas ainda assim indicativo, até mesmo dos cantos mais reclusos onde o refletor da análise é apontado. Vou tentar uma lista, colocando-me um pouco também na ótica dos usuários 'leigos' desse vocabulário, selecionando alguns termos não necessariamente fundamentais: aliança terapêutica, consenso informativo, cuidados paliativos, economia civil e financeira, ética animal, casais não casados, gênero, pedofilia, homossexualidade, aborto, prostituição, transexualidade, manipulações genéticas, reprodução assistida, testamento biológico, verdade ao doente, publicidade ...

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Primeiro mandamento: amai uns aos outros! - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV