Justiça. Artigo de Gianfranco Ravasi

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • A força de Theodor Adorno contra a extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Junho 2018

“Sem justiça, tem-se apenas o deserto ou a savana selvagem onde imperam as feras. Nesse domingo, o calendário marca o nome de um santo emblemático como vítima do poder injusto, João Batista.”

A opinião é do cardeal italiano Gianfranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho da Cultura, em artigo publicado por Il Sole 24 Ore, 24-06-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Se a justiça desaparecer, a vida dos homens sobre a terra não tem mais valor.

O original alemão dessa frase semelhante a uma espada – estamos nos “Princípios metafísicos da doutrina do direito” de Kant – também poderia ser traduzido assim: “Se a justiça desaparecer, não tem mais valor algum que os homens vivam sobre a terra”.

A verdade, no entanto, é única: sem justiça, tem-se apenas o deserto ou a savana selvagem onde imperam as feras. Nesse domingo, o calendário marca o nome de um santo emblemático como vítima do poder injusto, João Batista.

Justiça é uma das palavras mais repetidas, principalmente por aqueles que a violam alegremente, como ocorria na Florença de Dante, onde “a tua gente a tem à flor da boca” (Purgatório VI, 132), mas a ignora na vida.

São Boaventura, que o poeta colocaria no Paraíso, escrevia que “ex silentio nutritur iustitia”, a justiça se nutre de silêncio. Não são os lábios, as palavras, as prescrições, a ênfase que geram automaticamente uma sociedade justa, mas sim as mãos, as obras, as escolhas, “a fome e a sede de justiça”, como dissera Cristo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Justiça. Artigo de Gianfranco Ravasi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV