Após os anos da guerra, refloresce o mosteiro de Deir Mar Musa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco nomeia novo secretário: um padre que trabalha com crianças de rua e viciados em drogas

    LER MAIS
  • O crime da Vale em Brumadinho: metáfora de um sistema minerário predatório

    LER MAIS
  • O papa aprova como vice Decano o argentino Sandri que se calou sobre os crimes do padre Maciel, estuprador de 60 crianças

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Dezembro 2017

Ainda não há informações concretas sobre o destino do jesuíta romano Paolo Dall'Oglio, sequestrado por desconhecidos no final de julho 2013, enquanto estava em Raqqa. Mas os monges e freiras da comunidade monástica de Khalil Allah, que ele fundou no mosteiro sírio restaurado de Deir Mar Musa, apesar de estarem parcialmente espalhados por todo o mundo, também por causa da guerra, divulgaram uma carta de Natal em que eles contam para amigos e conhecidos os sentimentos e as obras que marcam seu caminho para a festa que celebra o nascimento de Jesus em Belém.

A informação é publicada por Agência Fides, 12-12-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Na carta também são fornecidas informações sobre as iniciativas postas em campo no ano passado pelos membros da Comunidade. Conta-se que a “casa mãe" de Deir Mar Musa registrou no ano passado uma retomada na atividade pastoral e acolhida aos peregrinos, cristãos e muçulmanos. "O vale do nosso mosteiro", diz a carta, também enviada à Agência Fides, "vestiu-se com um encantador manto vermelho feito de flores de papoula espalhadas por toda parte. Com a chegada da primavera temos experimentado este ano, pela primeira vez, após os longos anos de guerra, uma enorme alegria ao ver a estrada de acesso ao mosteiro cheia de movimento pela presença de tantas famílias que visitam Nebek. Nas sextas-feiras recebemos centenas de visitantes. Que alegria ao ver famílias cristãs e muçulmanas subir juntas novamente para receber a bênção do santo lugar. Quanto consolo em receber as visitas de meninos e meninas muçulmanas de Nebek que chegam para apresentar o "seu" monastério para amigos e colegas cristãos de outras zonas que não o conheciam! E que emoção quando algumas mulheres muçulmanas se aproximam das irmãs freiras para pedir orações em suas intenções".

Os monges e freiras de Deir Mar Musa também lembram as visitas de muitos grupos (jovens, mulheres, famílias, catequistas, escoteiros) das diferentes paróquias e das escolas das cidades vizinhas. E expressam alegria pelo entusiasmo do pároco da igreja Siro Católica de Nebek, o padre Saed Massouh, pela sua presença frequente no mosteiro acompanhado por diferentes grupos paroquiais, especialmente os jovens. "Os quartos do mosteiro de Hayek foram limpos da poeira causada pela guerra, abrindo as suas portas para receber os visitantes que vêm para passar um período de oração e meditação, longe do barulho da cidade e das preocupações da vida, para retornar cheio de força para enfrentar os desafios da vida cotidiana".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após os anos da guerra, refloresce o mosteiro de Deir Mar Musa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV