Emissões globais de dióxido de carbono (CO2) aumentaram novamente após um hiato de três anos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Novembro 2017

As emissões globais de dióxido de carbono da queima de combustíveis fósseis aumentaram novamente após um hiato de três anos, de acordo com novas figuras do Global Carbon Project (GCP).

A reportagem é publicada por University of Exeter e reproduzida por EcoDebate, 14-11-2017. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Tendências nas emissões de CO2 e nas concentrações atmosféricas de CO2 (Foto: Nature Climate Change)


A projeção alarmante para 2017 é revelada em um novo relatório do GCP – co-autor de muitos dos principais cientistas climáticos do mundo, incluindo os Professores Pierre Friedlingstein, Stephen Sitch, Richard Betts e Andrew Watson da Universidade de Exeter – publicados hoje.

O relatório revela que as emissões globais de todas as atividades humanas chegarão a 41 bilhões de toneladas em 2017, após um aumento de 2% previsto na queima de combustíveis fósseis.

Os números apontam para a China como a principal causa do crescimento renovado das emissões fósseis – com um crescimento projetado de 3,5%. Espera-se que as emissões de CO2 diminuam 0,4% nos EUA e 0,2% na UE, menores declínios do que na década anterior.

Aumentos no uso de carvão na China e nos EUA são esperados este ano, revertendo suas reduções desde 2013.

Anteriormente, esperava que as emissões em breve atingissem seu pico após três anos estáveis, de modo que a nova projeção para 2017 é uma mensagem indesejada para os decisores políticos e delegados na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 23) em Bonn, que acontece nesta semana.

O relatório de alto perfil é publicado simultaneamente nas revistas Nature Climate Change , Earth System Science Data Discussions e Environmental Research Letters.

Outras principais conclusões do relatório são que as emissões de CO2 diminuíram na presença de atividade econômica crescente em 22 países, representando 20% das emissões globais. A energia renovável também aumentou rapidamente em 14% ao ano nos últimos cinco anos – embora de uma base muito baixa.

O pesquisador principal, Prof. Corinne Le Quéré, diretor do Centro Tyndall para Pesquisa sobre Mudanças Climáticas na UEA, disse: “Com as emissões globais de CO2 de atividades humanas estimadas em 41 bilhões de toneladas para 2017, o tempo está se esgotando em nossa capacidade de manter o aquecimento bem abaixo de 2ºC muito menos 1,5ºC.

“Este ano, vimos como as mudanças climáticas podem amplificar os impactos dos furacões com chuvas mais intensas, níveis mais altos do mar e condições oceânicas mais quentes favorecendo tempestades mais poderosas. Esta é uma janela para o futuro. Precisamos alcançar um pico nas emissões globais em nos próximos anos e reduzir as emissões rapidamente depois para enfrentar as mudanças climáticas e limitar seus impactos “.

Referência:

Towards real-time verification of CO2 emissions. Journal: Nature Climate Change (2017) DOI: doi:10.1038/s41558-017-0013-9

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Emissões globais de dióxido de carbono (CO2) aumentaram novamente após um hiato de três anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV