Em Porto Alegre, polícia de Sartori barra marcha do Grito dos Excluídos

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

    LER MAIS
  • Enquanto Amazônia arde, governistas e ruralistas aprovam mais incentivos à devastação no Senado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Setembro 2017

Movimentos foram impedidos de realizar marcha que estava programada na capital Gaúcha frente ao forte aparato de segurança. No Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, caminhadas foram pacíficas.

O governo do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), proibiu a marcha após o ato do Grito dos Excluídos, em Porto Alegre, capital do estado. A caminhada ocorreria depois do desfile militar, partindo da Rótula das Cuias, no Parque da Harmonia, até a Av. Ipiranga.

A reportagem é publicada por Rede Brasil Atual - RBA, 07-09-2017.

Dezenas de policiais, incluindo o batalhão de choque da Brigada Militar, se posicionaram nos arredores dos manifestantes, que nem sequer ocupavam todo o espaço no entorno da Rótula das Cuias. Também se fez presente o veículo blindado conhecido como “caveirão”, usualmente destinado a áreas conflagradas pelo tráfico de drogas.

Mesmo cercados e impedidos de marchar, centenas de pessoas fizeram um ato de protesto no local da concentração, denunciando o golpe e o autoritarismo do governador Sartori, e reforçando a resistência e a luta em defesa dos direitos e contra os ataques dos governos Temer, Sartori e Nelson Marchezan Júnior, prefeito de Porto Alegre. O presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, protestou contra o forte aparato de segurança. “Vivemos o pior momento já visto de ataques aos direitos, o pior momento de repressão aos movimentos sociais. Hoje estamos presos, sem poder fazer a nossa caminhada”, disparou.

“A gente sempre fez uma caminhada pacífica, mas isso é consequência do golpe, da criminalização dos movimentos sociais. Mas vamos continuar de forma pacífica”, complementou a representante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST-RS), Aida Teixeira.

O senador Paulo Paim (PT-RS) participou do ato em Porto Alegre. Ele é um dos principais críticos da reforma trabalhista no Congresso Nacional e salientou que os efeitos das mudanças na legislação serão sentidos principalmente a partir do ano que vem, porque “são tantas maldades” que nem os empresários conseguiram dominar todas as mudanças para colocá-las em prática, assim que as novas leis entrarem em vigor.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, o 23º Grito dos Excluídos saiu pouco depois de 12h da Rua Uruguaiana e seguiu pela Avenida Presidente Vargas até a Avenida Rio Branco, logo após o fim do desfile cívico-militar de 7 de setembro. A passeata ocupou cerca de um quarteirão e chegou à Praça Mauá às 12h30, sem nenhuma violência ou confronto.

Durante o trajeto, muitas palavras de ordem em cartazes, faixas e no carro de som em defesa dos direitos da população e dos trabalhadores, e contra as reformas propostas pelo governo de Michel Temer.

Participaram representantes de diversos movimentos sociais e centrais sindicais, como Frente Internacionalista dos Sem Teto (Fist), Central de Movimentos Populares (CMP), Quilombo da Gamboa, SOS Jaconé Porto Não, Movimento dos Atingidos por Barragem, de mulheres, movimentos LGBT, Movimento Contra a Violência na Maré, Movimento Antimanicomial. Também estiveram presentes trabalhadores da educação, da Fiocruz e do setor de óleo e gás, além de representantes dos Fóruns de Saúde do Rio de Janeiro e em Defesa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

O diretor de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz, Gutemberg Brito, disse que a entidade participa do ato para defender o Sistema Único de Saúde (SUS). “A Fiocruz é de estado, trabalhamos para a população brasileira e a nossa defesa é a defesa do SUS público e de qualidade, contra os retrocessos que temos visto nos últimos tempos no Brasil. Eles tiram os nossos direitos e nós tiramos o sossego deles”.

Belo Horizonte

Na capital mineira, movimentos sociais reuniram-se na Praça Rio Branco, em frente à rodoviária, de onde seguiram pelas ruas do centro. A principal bandeira desta edição foi a revogação da reforma trabalhista.

“Foi lançada uma campanha em todo o país para colher assinaturas para um projeto de lei de iniciativa popular que prevê a anulação dos efeitos da reforma trabalhista. Nosso objetivo é construir uma resistência para impedirmos que as mudanças entrem em vigor em 11 de novembro, conforme a data prevista na lei”, explicou Beatriz Cerqueira, presidente da Central Única dos Trabalhadores em Minas Gerais (CUT-MG).

Os manifestantes também protestaram com faixas e gritos de ordem contra a atuação seletiva do Poder Judiciário, que tem atacado politicamente a imagem dos ex-presidentes Lula, Dilma e do PT. De acordo com Beatriz Cerqueira, alguns partidos estão sendo criminalizados em detrimento de outros. Segundo ela, há pessoas sendo presas apenas com base nas delações e outros, mesmo com provas concretas de corrupção, permanecem soltos, como é o caso do ex-ministro de Temer, Geddel Vieira Lima, em “prisão” domiciliar. A presidente da CUT-MG também criticou o instituto da delação premiada.

“Honestamente, acho que é um novo mecanismo de tortura. No regime militar, as pessoas eram colocadas no pau-de-arara e forçadas a entregar seus companheiros. Agora, eles prendem as pessoas sem provas até minar a resistência e elas falarem o que os procuradores querem ouvir. E as pessoas acabam falando o que pedem para poder reduzir a pena e restabelecer o mínimo de seu direito à liberdade”, reclamou Beatriz.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em Porto Alegre, polícia de Sartori barra marcha do Grito dos Excluídos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV