A mensagem anti-bullying de Francisco se aplica à Igreja e à juventude LGBT?

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Março 2017

"O problema do bullying é uma questão de vida ou morte. O bullying leva à autonegação e à morte por suicídio, e a presença de tantos jovens LGBTs que vivenciam a falta de acolhida atesta o impacto que esta intimidação pode ter sobre as famílias e os amigos. Estas realidades de sofrimento deveriam levar o Papa Francisco a amplificar e especificar o seu pedido pelo fim do bullying".

O comentário é de Robert Shine, coordenador de mídias sociais do New Ways Ministry,  grupo de defesa e justiça voltado à comunidade católica LGBT, publicado por Bondings 2.0, 27-03-2017. A tradução é de Isaque Gomes Correa

Eis o artigo.

Na semana passada, o Papa Francisco exortou os jovens a evitarem intimidar os colegas, dizendo: “Prometem a Jesus não praticar bullying?” Mas visto o histórico confuso deste papa, perguntamos: Será que essa sua mensagem significa também não praticar bullying contra os jovens LGBTs?

Francisco proferiu estas palavras em um encontro com os jovens ocorrido num estádio de Milão, com aproximadamente 80 mil pessoas, a maioria adolescentes e jovens. Ele respondia a uma pergunta feita por uma catequista sobre como os educadores, estudantes e as famílias poderiam melhor se comunicar. O sítio Crux informou que, aos adultos, ele pediu que fiquem atentos aos casos de bullying, e aos jovens falou:

Em silêncio, escutai-me. Na vossa escola, no vosso bairro, há alguém ou alguma de quem vós gozeis porque tem aquele defeito, porque é gordo, porque é magro, por isto ou por aquilo? E a vós agrada-vos fazê-lo passar vergonha e também bater-lhe por isso? Pensai. Isto chama-se ‘bullying’. Por favor, pelo sacramento do Santo Crisma, fazei a promessa ao Senhor de nunca fazer isto e nunca permitir que se faça no vosso colégio, na vossa escola, no vosso bairro. Prometem?

É bom que o papa, que já foi professor, esteja preocupado com o bullying que aflige muitas crianças no mundo. Francisco poderia considerar um pedido para acabar com o bullying contra grupos demográficos particularmente vulneráveis, incluindo a comunidade jovem LGBT. Mas se ele realmente está preocupado em ajudar acabar com o bullying, deveria examinar o modo como a Igreja Católica vem perpetuando.

Ainda que não seja universalmente verdadeiro que os funcionários e autoridades católicos estejam ignorando ou permitindo o bullying em suas instituições, uma rápida consulta a certos bancos de dados revela o tamanho do dano que as lideranças eclesiásticas têm causado:

• Na Inglaterra, um aluno transexual foi atingido por arma de fogo nas mãos de um colega depois de ter passado meses sendo alvo de bullying na escola católica onde estudava.

• Os pais têm acusado as escolas de ignorar o bullying contra seus filhos, incluindo os pais deste aluno transexual que foi atingido por arma de fogo e os pais de um adolescente nova-iorquino que cometeu suicídio.

• Os bispos na Colômbia agradeceram o governo por cancelar verbas destinadas a ajudar os educadores a saberem como combater o bullying contra jovens LGBTs.

• Uma oficina antibulluying foi cancelada na Irlanda depois que funcionários da escola disseram que ela não apresentava o “outro lado” da questão.

• Os pais de um adolescente gay que cometeu suicídio na Colômbia alegaram que o caso resultou depois que o diretor da escola havia enxotado a criança em frente aos demais dentro da escola católica em que estudava.

• Regras atualizadas da Diocese de Little Rock ameaçavam alunos com a expulsão caso assumissem a identidade LGBT.

Escolas católicas também proibiram um aluno gay em uma apresentação de dança, expulsaram uma aluna lésbica da festa de formatura por não usar vestido e se recusaram a acolher um aluno trans que estava em processo de troca de sexo. Educadores católicos apoiadores, compreensivos foram demitidos na Nova Jersey, incluindo Warren Hall, desligado da escola depois de postar na internet uma foto da campanha NOH8.

Em alguns destes incidentes, os educadores e funcionários católicos reconheceram o erro ou trabalharam para retificar a situação. Estes, no entanto, não são os únicos cursos de ação possíveis. Existem exemplos concretos de como a educação católica pode atuar contra o bullying e promover o florescimento de todos os seus alunos.

• Professores de escolas católicas de Ontário, no Canadá, participaram da Parada do Orgulho Gay, demonstrando solidariedade pelos seus alunos LGBTs.

• Católicos têm participado anualmente no “National Coming Out Day” [Dia nacional de assumir a homossexualidade] e na iniciativa antibullying Spirit Day.

• Um padre de Nova York declarou 2014 como o “Ano da Lady Gaga” (ela frequentou escolas católicas), mostrando aos alunos como ter coragem em suas vidas.

Alunos e seus familiares estão, cada vez mais, em busca não só de boas-vindas, mas de apoio aos jovens LGBTs. Michael Maher, autor do livro de 2001 intitulado “Being Gay and Lesbian in a Catholic High School”, comentou que, desde que começou a estudar o tema, as expectativas aumentaram drasticamente.

O problema do bullying é uma questão de vida ou morte. O bullying leva à autonegação e à morte por suicídio, e a presença de tantos jovens LGBTs que vivenciam a falta de acolhida atesta o impacto que esta intimidação pode ter sobre as famílias e os amigos.

Estas realidades de sofrimento deveriam levar o Papa Francisco a amplificar e especificar o seu pedido pelo fim do bullying. Os programas para a Jornada Mundial da Juventude em nível diocesano, assim como os preparativos para o Sínodo dos Bispos 2018 sobre a juventude, oferecem oportunidades únicas para ele assim proceder.

Antes destes passos, Francisco deveria refletir sobre o que disse aos jovens em Milão e perceber como o que falou se relaciona com os jovens LGBTs e Igreja:

“Agora, em silêncio, pensem no que fizeram sobre isso, e pensem se são capazes de prometê-lo a Jesus. Prometem a Jesus não fazer este bullying?”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A mensagem anti-bullying de Francisco se aplica à Igreja e à juventude LGBT? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV