Quarenta e três mortos em naufrágio de barco de refugiados ao largo do Egito

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Setembro 2016

Perto de 150 pessoas foram resgatadas com vida do Mediterrâneo, mas a embarcação levava 600 a bordo.

A informação é publicada por Público, 21-09-2016.

Pelo menos 43 pessoas morreram ontem no naufrágio de uma embarcação com 600 refugiados e imigrantes no Mediterrâneo, ao largo do Egito. Outras 155 pessoas foram salvas pelas equipas de socorro, disseram fontes oficiais egípcias às agência noticiosas — não foram dadas informações sobre as restantes pessoas.

Segundo as fontes policiais ouvidas pela AFP, o naufrágio teve lugar ao largo de Roseta (Norte do Egito) e a bordo seguiam egípcios, sírios e pessoas oriundas de outros países do continente africano.

O Egito, a par da Líbia, é cada vez mais usado pelos traficantes de seres humanos para fazer embarcar pessoas que fogem de conflitos e da pobreza na Síria, Iraque, Somália ou Eritreia, avisou recentemente a agência europeia de fronteiras Frontex. A tendência coincidiu com a entrada em vigor do polêmico acordo entre a União Europeia e a Turquia, no qual este país se comprometeu a impedir as saídas de migrantes e refugiados que têm como destino a Europa.

A Frontex calcula que entre Janeiro e Setembro chegaram à Itália a partir do Egito cerca de 12 mil pessoas, enquanto foram apenas sete mil no mesmo período do ano passado.

Desconhece-se o destino final da embarcação, embora os responsáveis das agências de socorro apontem a Itália. Na noite de segunda-feira, um incêndio destruiu quase na sua totalidade um campo de refugiados na ilha grega de Lesbos, obrigando entre três e quatro mil pessoas a abandonar o local. O Governo grego alertou para a sobrelotação dos centros para refugiados do país e intensificou os pedidos de auxílio por parte dos outros países europeus.

crise global de refugiados é o tema que dominou a Assembleia Geral das Nações Unidas, realizada esta semana em Nova Iorque. A ocasião foi aproveitada por várias organizações humanitárias para criticarem a passividade com que a maior parte dos governos dos países mais ricos tem encarado o problema. Na Europa, por exemplo, são vários os casos de países que adotaram medidas drásticas para impedir a passagem de migrantes e requerentes de asilo, como a construção de barreiras físicas.

Desde o início de 2016, mais de 300 mil migrantes e refugiados atravessaram o Mediterrâneo para chegar à Europa – e este pode vir a ser o ano com maior número de mortes em naufrágios se o ritmo atual se mantiver, indicou na terça-feira o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados.

O número de travessias é inferior ao do mesmo período em 2015 (520 mil), mas o balanço de mortes está já nos 3211, já muito próximo do número total do ano passado (3771). “Com esta taxa, 2016 será o ano mais mortal no Mediterrâneo”, afirmou o porta-voz do ACNUR, William Spindler.

A maioria atravessou o mar na tentativa de chegar à Grécia ou a Itália. Cerca de 48% dos que chegaram ao território grego são sírios, 25% vêm do Afeganistão, 15% do Iraque, 4% do Paquistão e 3% do Irão. Os que chegam a Itália vêm sobretudo da Nigéria (20%) e da Eritreia (12%).

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quarenta e três mortos em naufrágio de barco de refugiados ao largo do Egito - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV