“O fenômeno da direita é reflexo da desigualdade criada pelo centro”. Entrevista com Joseph Stiglitz

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Setembro 2016

A criação da União Europeia "foi um projeto visionário. Uma tentativa de juntar grandes países. Mas se baseou nessa ideia de que a economia de mercado resolveria as coisas por si só e levaria a algo que beneficiaria a todos. Essa teoria foi o problema", atesta Joseph Stiglitz.

No outono de 2015, Joseph Stiglitz (Gary, Irlanda, 1943) dizia: o euro atual “é um desastre”, qualquer outra coisa “seria melhor”, inclusive quebrar a zona do euro. Um ano depois, no livro O Euro: Como a Moeda Comum Ameaça o Futuro da Europa (inédito no Brasil), o Nobel de Economia afirma que só uma reforma da união monetária, com uma sorte de “euro flexível”, poderia salvar o futuro do clube europeu.

Stiglitz recebeu a reportagem do El País, 15-09-2016, em seu escritório na Universidade Columbia, onde mostra um verdadeiro interesse pela situação política da Espanha. Assessor principal do ex-presidente Bill Clinton, ele admite que os grandes partidos dos EUA não atenderam aos perdedores da globalização e que Donald Trump soube ler melhor a frustração dos norte-americanos.


Joseph Stiglitz, em agosto passado numa entrevista em Paris. Foto: Eric Piermont. Fonte: El País.

Eis a entrevista.

Em seu livro, o Sr. diz que o euro é o maior problema da União Europeia. Mas o primeiro país ao abandoná-la, o Reino Unido, não estava na zona do euro. O que aconteceu?

O Reino Unido sempre teve esse forte sentimento de identidade, de não ser como os demais, de estar do outro lado do Canal, mas creio que os problemas do euro foram cruciais no caminho rumo ao Brexit [a saída do Reino Unido da União Europeia]. Uma das imagens da UE que os conservadores propagaram é a dessa Bruxelas rígida e burocrática, e a forma em que a troika geriu a crise dos países teve uma rigidez muito negativa. Além disso, o fato de que tenha ficado claro que não havia democracia na eurozona, que a Alemanha e alguns sócios estavam ditando as regras, fez com que os britânicos pensassem que isso não era uma democracia saudável. Se estivesse no Reino Unido e visse o que ocorre fora da zona do euro, você se perguntaria: “É a este clube que quero pertencer?” A zona do euro geriu tão mal o euro que tornou a UE menos atrativa.

Agora que o Brexit é um fato, o que é mais perigoso para a União Europeia: que a saída seja positiva ou que fracassem?

Esse é um ponto fantástico. Para mim, a atitude de Jean Claude Juncker [presidente da Comissão Europeia] de que devemos ser muito duros, punindo o Reino Unido para que ninguém mais queira sair, é terrível. O que ele deveria dizer é que não explicamos bem as vantagens da UE, não mostramos por que esse é um clube do qual ninguém deveria querer sair. Você não pode querer que as pessoas continuem por medo, isso não é saudável nem democrático. Assim não conseguiremos o tipo de solidariedade que permitirá que a UE resolva os problemas comuns de migração e mudança climática. Se todo mundo sentir que está nesse clube porque não tem alternativa, será uma união muito infeliz.

E se a saída deixar de assustar, poderá se tornar um incentivo para ir embora.

Tem que ser um incentivo para que a UE funcione melhor. Um exemplo de algo que acredito que foi muito bom é a decisão de Margrethe Vestager [comissária europeia para a Concorrência] de dizer que a Irlanda e a Apple estavam trapaceando e roubando receitas fiscais, porque esse é um exemplo de comportamento de um país que prejudica os demais. Por isso, você precisa de normas.

E enquanto isso o euro existe. É possível deixá-lo?

É a mesma pergunta que é feita na UE e, se for possível, será uma experiência. E acho que a resposta será que sim. Prova disso são as relações entre Estados Unidos e Canadá. Temos um mercado comum de algum modo, mas não livre migração nem mercado único. Não li nenhum economista que dissesse que haveria uma grande diferença se tivessem um mercado único. As consequências políticas, para mim, são mais importantes do que as econômicas. Mostram que houve um processo de integração durante 70 anos e que agora começa um movimento em direção contrária.

Na origem da União Europeia está o mercado único. Com a atual reviravolta desse chamado sentimento protecionista, acredita que hoje esse projeto poderia ser incentivado?

Quando a UE foi criada e se impuseram as regras, foi um momento específico da história na qual havia muito mais confiança nos mercados e a crença – muito estúpida, de um ponto de vista econômico – de que se os governos mantivessem as contas públicas saneadas, os mercados funcionariam, haveria pleno emprego e todo o mundo se beneficiaria. Mas a teoria econômica diz que se há integração, há ganhadores e perdedores, a menos que sejam feita políticas fortes para proteger esses últimos. Os ideólogos esqueceram a distribuição. Se hoje fizessem essa união, teria de ser diferente, deveria proteger os perdedores.

Há uma onda de um chamado “protecionismo”. Nos Estados Unidos, tanto o partido Republicano como o Democrata mudaram sua sensibilidade em relação à globalização. O sr. vê essa mudança no enfoque de Hillary Clinton? Qual é a sua análise?

Não é protecionismo. Nos demos conta de que o sistema não cumpre o que tinha sido prometido. Nossos líderes e nossa democracia falharam. Disseram que a liberalização do mercado financeiro aceleraria o crescimento e o que fez foi dar mais dinheiro a 1% de cima. A lição é que precisamos de proteção.

Quando se fala de proteção, fala-se de protecionismo de forma pejorativa.

Em uma sociedade democrática é preciso se assegurar de que a economia funcione para todos, e a nossa não o faz. A teoria econômica já predisse, e agora temos a evidência.

O fenômeno Trump é resultado disso?

O fenômeno da ala direita é a declaração de que os partidos de centro apoiaram uma série de políticas durante um terço de século que aumentaram a desigualdade e deixará para trás muitas frações da sociedade. A diferença é que para o PP da Espanha, por exemplo, não parece importar as pessoas que foram deixadas para trás. Os socialistas se importam, mas não encontraram uma forma de fazê-lo com a austeridade orçamentária imposta pela Alemanha.

A Espanha pode chegar às terceiras eleições? O sr. vê uma origem econômica nisso?

Consequência. Quando nas sociedades as coisas funcionam bem, você pode se comprometer, pode ter diferenças, mas não divisões enormes. Se você tem pessoas que sofreram muito, elas não vão querer se comprometer a sofrer mais.

O sr. acredita que a União Europeia acabou sendo um projeto egoísta?

Não, foi um projeto visionário. Uma tentativa de juntar grandes países. Mas se baseou nessa ideia de que a economia de mercado resolveria as coisas por si só e levaria a algo que beneficiaria a todos. Essa teoria foi o problema.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O fenômeno da direita é reflexo da desigualdade criada pelo centro”. Entrevista com Joseph Stiglitz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV