Tim Kaine: Igreja católica poderia mudar de opinião sobre casamento gay

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

    LER MAIS
  • Enquanto Amazônia arde, governistas e ruralistas aprovam mais incentivos à devastação no Senado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Setembro 2016

O candidato democrata à vice-presidência dos Estados Unidos, Tim Kaine, disse, no sábado, que a Igreja católica poderia mudar, em algum momento, sua posição sobre o casamento homossexual.

A reportagem é publicada por El Nuevo Herald, 10-09-2016. A tradução é do Cepat.

Kaine é um católico devoto, assim como senador federal pela Virgínia e ex-governador desse estado. Durante o jantar nacional da Human Rights Campaign, em Washington, disse que mudou de opinião sobre o casamento homossexual e que sua Igreja poderia fazer o mesmo algum dia.

“Acredito que é preciso mudar, porque minha Igreja também me ensina sobre um criador que, no primeiro capítulo do Gênesis, olhou para o mundo todo, incluindo a humanidade, e disse ‘é muito bom”, afirmou Kaine. Em seguida, recordou um comentário do Papa Francisco, que disse: “quem sou eu para julgar?”, em alusão aos sacerdotes homossexuais.

“Quero acrescentar: Quem sou eu para desafiar a Deus pela bela diversidade da família humana? Acredito que se supõe que devemos celebrá-la, não desafiá-la”, disse Kaine. Ainda que tenha prometido lutar para aumentar os direitos dos estadunidenses da comunidade LGBTQ (que reúne homossexuais, bissexuais, pessoas transgênero e com outras identidades não heterossexuais), Kaine admitiu que até 2005 era contrário ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Kaine, que era vice-governador da Virgínia quando vários parlamentares do estado propuseram uma emenda constitucional para restringir o casamento a casais heterossexuais, recordou que conversou com defensores da emenda que disseram que esperavam que as pessoas LGBT se sentissem tão pouco acolhidas que se mudassem da Virgínia.

“Quando ouvi os defensores descrever suas motivações, para mim ficou mais claro como deveria me posicionar nisto”, disse.

Os eleitores aprovaram a emenda em 2006. O Tribunal Supremo dos Estados Unidos legalizou o casamento homossexual em todos os estados, em junho de 2015.

Antes de apresentar Kaine, o presidente da Human Rights Campaign, Chad Griffin, descreveu o candidato republicano à presidência, Donald Trump, como “a maior ameaça” que a comunidade LGBTQ já enfrentou em eleições presidenciais.

Leia mais...

Este é Tim Kaine, vice na chapa de Hillary Clinton e católico “ao estilo do Papa Francisco”

Cinco fatos sobre Tim Kaine, candidato à vice-presidência dos EUA, católico formado pelos jesuítas

Igreja protestante britânica aprova celebrar casamento gay

Casamento homossexual avança no mundo, mas leis antigays também

O Vaticano desmente que o Papa tenha apoiado Kim Davis, imputada por se negar a fazer o registro de casamentos gays

Jimmy Carter: Jesus aprovaria casamento gay

O presidente dos bispos dos Estados Unidos vê o casamento gay como “um erro trágico que lesa o bem comum”

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tim Kaine: Igreja católica poderia mudar de opinião sobre casamento gay - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV