Mulheres e feminismo diante do dilema da maternidade. Artigo de Lucetta Scaraffia

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Setembro 2016

"Como renovar o feminismo sem perder o sentido profundo e rico das relações femininas tradicionais? Sem nos condenarmos a uma sociedade fria e dominada pelo útil, pela utopia do prazer? Como fazer para que as mulheres, também do ponto de vista do comportamento sexual, não se tornem "um homem como qualquer outro", mas possam permanecer como são?"

A reflexão é da historiadora italiana Lucetta Scaraffia, membro do Comitê Italiano de Bioética e professora da Universidade de Roma "La Sapienza". O artigo foi publicado no jornal Corriere della Sera, 08-09-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Este artigo se insere no debate – suscitado pela investigação jornalística "Sexo e amor", desenvolvida pelo Corriere – que estará no centro da manifestação "Il Tempo delle Donne", programada para a Trienal de Milão, a partir do dia 9 até o dia 11 de setembro.

Aconteceu comigo recentemente: uma jovem bonita, inteligente, muito comprometida com a sua profissão, ao me contar a situação que estava vivendo, me disse: "Há três meses eu não bato cartão", isto é, aludindo à ausência de relações sexuais recentes. Uma linguagem que, antigamente – mas também nem tantos anos atrás –, teria sido usada apenas por um soldado com um companheiro.

E, como eu a conheço bem, eu sei que é uma jovem que sonharia apenas com um amor verdadeiro e com uma família com filhos, mas ela sabe bem que a cultura pós-revolução sexual não lhe permite expressar publicamente – mas talvez nem a si mesma – essa aspiração, senão às custas de se ver definida como uma retrógrada antiquada.

Justamente ela é o exemplo mais claro da situação das jovens mulheres com a revolução sexual realizada: podem fazer de tudo, ninguém se permite um julgamento sobre elas partindo do seu comportamento sexual – e isso, sem dúvida, é bom –, mas essa liberdade verdadeiramente as torna livres? Ou – se ainda é possível falar nestes termos – mais felizes?

Por exemplo, mais felizes do que as suas avós, que viviam no meio das proibições, mas que podiam dizer a si mesmas e aos outros que aspiravam ao amor e à família?

Com a pílula, as mulheres puderam viver uma liberdade sexual até então experimentada apenas pelos homens, mas se viram vivendo um tipo de relações modeladas sobre a sexualidade masculina.

Promiscuidade, leveza, superficialidade de relações. Relações que talvez não eram, afinal, tão congênitas à sexualidade feminina. Além disso, tiveram que assumir, com a pílula, todo o peso de contracepção, mesmo que às custas de pagar um preço não irrisório para a sua saúde.

Não é por acaso que, hoje, na França e na região anglo-saxônica, muitas jovens mulheres se recusam a usar a pílula para salvaguardar a sua saúde e preferem recorrer a métodos naturais. Sim, precisamente aqueles métodos naturais que Paulo VI propunha na Humanae vitae, despertando, na época, gargalhadas e deboches.

Além disso, também é preciso considerar que os profetas da "libertação sexual" eram todos homens – de Reich a Kinsey –, enquanto às mulheres só tinha sido deixada a tarefa de confirmar as suas teorias com livros autobiográficos. As mulheres, provavelmente, nunca teriam desenvolvido um programa utópico de tal porte sobre a sexualidade, conhecendo muito de perto também os seus aspectos negativos – que, obviamente, não consistem apenas no temor de uma gravidez – que certamente não foram apagados nessas décadas de libertação.

Mas, certamente, o feminismo dos anos 1970, em grande medida, assumiu essa utopia, travestindo-a de utopia de libertação da mulher. Libertação de quê?

Em primeiro lugar, libertação da maternidade, através de duas estradas que foram pagas pelas mulheres no seu corpo, isto é, a pílula e o aborto. Hoje, as mulheres jovens, que têm toda a liberdade sexual que querem, não têm a de ter filhos, especialmente a de ter filhos quando jovens. E não só porque o mercado de trabalho não permite isso, mas também porque elas não encontram facilmente homens jovens que tenham o desejo de assumir a responsabilidade de serem pais.

No passado, os homens se tornavam pais no casamento, que coincidia mais ou menos com o início da sua vida sexual: hoje, certamente eles não precisam se casar para ter relações sexuais, e a maioria não tem problemas de tempo. Para eles, de fato, não existe o relógio biológico que, em vez disso, continua condicionando a possibilidade de as mulheres se tornarem mães, que não é superado nem mesmo graças aos progressos da reprodução assistida.

Os tempos da fecundidade feminina permaneceram invariados, de fato, mas a sociedade parece não se dar conta disso, não quer ver essa nova ocasião de diferença entre os sexos que penaliza as mulheres.

Essencialmente, as mulheres, nos países ocidentais, estão pagando pelo inexistente reconhecimento cultural e social atribuído à procriação. Propor o dilema entre criação de qualquer tipo (a criação de uma linha de roupas, de um novo prato ou de uma marca publicitária...) e procriação – e desvalorizando a segunda em favor da primeira – significa, de fato, negar valor ao papel biológico da mulher e levá-la a assumir um papel masculino. Enquanto a procriação deveria ser considerada como uma riqueza essencial para toda a comunidade humana.

A antítese à liberdade sexual, entendida sempre, no fundo, como liberdade da procriação, não é só o Fertility Day proposto pela ministra italiana da Saúde, Lorenzin. Na França, há filósofas feministas que estão elaborando uma visão nova e crítica do feminismo, tentando abordar a questão fundamental: como se renovar sem perder o sentido profundo e rico das relações femininas tradicionais? Sem nos condenarmos a uma sociedade fria e dominada pelo útil, pela utopia do prazer? Como fazer para que as mulheres, também do ponto de vista do comportamento sexual, não se tornem "um homem como qualquer outro", mas possam permanecer como são?

Ainda há muito trabalho a se fazer, muito a se refletir, sem se deixar encantar pelas ideologias do passado, que já tiveram o seu tempo e, substancialmente, fracassaram na sua promessa utópica de felicidade.

Leia mais:

A mulher existe? Artigo de Lucetta Scaraffia

É sobre o papel das mulheres que estamos perdendo a batalha cultural contra o Islã radical. Artigo de Lucetta Scaraffia

Ouvir as mulheres. Entrevista com Lucetta Scaraffia

Simone de Beauvoir, mãe do feminismo

Por um feminismo que vá além das mulheres

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mulheres e feminismo diante do dilema da maternidade. Artigo de Lucetta Scaraffia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV