“Não sei como amar-te”. Cartas de amor de Maria Madalena a Jesus de Nazaré. Livro de Pedro Miguel Lamet

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • O encontro com Esther Duflo, Prêmio Nobel de Economia

    LER MAIS
  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 24 Maio 2016

Fonte: pedrolamet.com

O escritor e jornalista Pedro Miguel Lamet apresentou, nesta segunda-feira, 23 de maio, na Sala de Conferências da ICADE, sua nova novela No sé cómo amarte, da Editora Mensajero

A reportagem é de Jesús Bastante e publicada por Religión Digital, 21-05-2016. A tradução é de André Langer.

Um livro que aborda as relações entre Jesus de Nazaré e Maria Madalena. Depois da crucificação e morte de Jesus, sua discípula entrega a Maria, a mãe do Mestre, 23 cartas que nunca se atreveu a entregar em vida. Elas contêm, em tom intimista e apaixonado, o relato biográfico de sua vida e seu olhar feminista sobre os acontecimentos evangélicos.

As editoras Mensajero e entre Paréntesis apresentaram o livro nesta segunda-feira, 23 de maio, na Sala de Conferências da ICADE (Pontifícia Universidade Comillas).

Intervieram María José Arana, teóloga e professora emérita da Faculdade de Teologia do Norte da Espanha, Carmen Guaita, pedagoga e novelista, María Ángeles López Romero, escritora e redatora-chefe da Revista 21 e o autor do livro.

Nascida em Madgala e filha de um rico comerciante, que maltratava a sua mãe, vê-se obrigada, ainda adolescente, a fugir e a passar por situações difíceis e arriscadas: vendida como escrava, favorita do rei dos Nabateus, famosa bailarina em Tiberíades, atravessando o amor de um centurião romano, a exploração de uma quadrilha de beduínos no deserto e a amizade de um sábio grego e um médico judeu... Fascinada por Jesus, que a cura de suas enfermidades, converte-se em sua mais fiel seguidora até sua morte e ressurreição.

A novela quer retratar a psicologia de uma mulher em constante busca, livre e complexa, diante da trágica experiência de um amor tão espiritualmente grande como humanamente impossível, que a supera e a sublima. “Procuro reconstruir, como o faria um pintor renascentista – acrescenta Lamet –, o retrato de uma mulher inteligente, insatisfeita e buscadora, embora maltratada pela vida, que descobre um amor tão grande, que por um lado lhe explica o sentido da vida e que ao mesmo tempo se converte em tragédia pelo drama de Jesus e as exigências de sua missão”.

O autor jesuíta reconhece que se move entre duas águas: a imagem tradicional da “pecadora” e aquela que sustentam alguns biblistas atuais, para os quais os famosos “sete demônios” eram simples doenças físicas ou depressões. “Ser mulher naquele ambiente judaico equivalia a ser nada”. Ele acredita que, segundo os Evangelhos, Maria era, junto com João, o discípulo amado, a mulher mais querida e privilegiada por Jesus, pois de outra forma não se explicaria que a tenha escolhido para sua primeira aparição e para anunciar a ressurreição aos discípulos varões.

Com esta nova obra, Pedro Miguel Lamet quer expor uma visão transversal do amor. “Esta mulher, bela e sensível, ao lado de Jesus vai aprendendo que todo amor brota de um Amor total; que não há diferença, mas continuidade entre o amor humano e o amor divino, porque têm uma única fonte. E que todo o amor está dentro dela, embora não obtenha toda a resposta que deseja, já que o amor que sente – esse único amor, é ao mesmo tempo humano e infinito – salta à eternidade”.

Ao mesmo tempo, o escritor pretende, com suas descobertas e respostas, oferecer uma via libertadora de ajuda, consolo e crescimento interior a quantos, a partir da solidão, da dor e da marginalização, se defrontam hoje com as investidas próprias de um mundo cruel e injusto.

O livro também foi lançado em edição digital.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Não sei como amar-te”. Cartas de amor de Maria Madalena a Jesus de Nazaré. Livro de Pedro Miguel Lamet - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV