Filipinas. Rodrigo Duterte, novo Presidente: da Igreja “colaboração vigilante”

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Maria Madalena, a primeira testemunha da Ressurreição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Maio 2016

O novo Presidente das Filipinas é Rodrigo Duterte, ex-síndico de Davao, dito Digong, que venceu as eleições presidenciais de nove de maio com aproximadamente 39% dos consensos. Duterte sucede a Benigno Aquino, líder moderado, filho do ex-premiê Corazon. Duterte foi síndico de Davao, cidade da ilha de Mindanao, por 22 anos consecutivos, distinguindo-se pela luta feroz à criminalidade e ao tráfico de droga através do uso indiscriminado de vigilantes e polícias especiais (os Esquadrões da morte) que sob sua administração mataram mais de mil pessoas suspeitas.

A reportagem foi publicada por Agência Fides, 10-05-2016. A tradução é de Benno Dischinger.

Sua campanha eleitoral foi caracterizada pelos temas da luta ao crime e à corrupção, mas tocou também a questão de uma possível reforma constitucional para atribuir mais poderes ao governo, com respeito ao Parlamento. Duterte foi eleito graças a um movimento popular cansado de corrupção e injustiças. No turno eleitoral de 9 de maio foram eleitos também mais de 18 mil representantes nas administrações regionais e locais.

Poucas horas antes que fosse anunciada a vitória de Duterte, o Arcebispo Socrates Villegas, Presidente da Conferência episcopal das Filipinas, prometeu uma conduta de colaboração vigilante da Igreja com os candidatos eleitos, em cada nível. Nós solicitaremos aos fiéis que trabalhem com o governo para o bem de todos, e continuaremos a vigiar de modo a ensinar e a profetizar, admoestar e corrigir: esta é a nossa vocação, explicou mons. Villegas numa nota chegada a Fides. Dirigindo-se aos eleitos, ele disse: A vossa vitória não vem nem da fama nem da popularidade, mas de Deus que vos chama ao serviço e ao cuidado dos mais débeis e das pessoas em dificuldades; sublinhando que a Igreja lhes assegura a prece, principalmente para a sabedoria, para que possam discernir a vontade de Deus para o seu povo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Filipinas. Rodrigo Duterte, novo Presidente: da Igreja “colaboração vigilante” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV