Não sejas incrédulo, mas crente

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Abril 2016

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus segundo João 20, 19-31 que corresponde ao Segundo Domingo de Páscoa, ciclo C do Ano Litúrgico. 
O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto.

Eis o texto

 Fonte: http://www.periodistadigital.com/religion/

A figura de Tomé como discípulo que se recusa a acreditar tem sido muito popular entre os cristãos. No entanto, o relato evangélico diz muito mais sobre este discípulo cético. Jesus Ressuscitado dirige-se a ele com palavras que têm muito de chamada urgente, mas também um convite amoroso: “não sejas incrédulo, senão crente”. Tomé, que leva uma semana recusando-se a acreditar, responde a Jesus com a confissão de fé mais solene que podemos ler nos evangelhos: “Meu Senhor e meu Deus”.

Que experimentou este discípulo em Jesus Ressuscitado? O que foi que transformou esse homem até então dubitativo e vacilante? Que percurso interior o levou do ceticismo à confiança? É surpreendente que, segundo o relato, Tomé renuncia a verificar a verdade da ressurreição colocando suas mãos nas feridas de Jesus. O que o abre para a fé é o próprio Jesus com seu convite.

Ao longo dos anos mudamos muito por dentro. Fizemo-nos mais céticos, mas também mais frágeis. Fizemo-nos mais críticos, mas também mais inseguros. Cada um de nós deve decidir como deseja viver e como deseja morrer. Cada um de nós deve responder a esse convite que, mais tarde ou mais cedo, como consequência de um processo interior, receberá de Jesus: “não sejas incrédulo, mas sim crente”.

Possivelmente necessitamos despertar mais nosso desejo de verdade. Desenvolver essa sensibilidade interior que todos temos para perceber, mais além do visível e tangível, a presença do Mistério que sustenta nossa vida. Já não é possível viver como pessoas que sabem tudo. Não é verdade. Todos, crentes e não crentes, ateus ou agnósticos, caminham pela vida envolvidos nas trevas. Como disse Paulo de Tarso, procura Deus “às apalpadelas”.

Por que não enfrentarmos o mistério da vida e da morte confiando no Amor como Realidade última de tudo? Este é o convite decisivo de Jesus. Mais de um crente hoje sente que sua fé foi-se transformando em algo cada vez mais irreal e menos fundamentado. Não sei. Talvez, agora que não podemos apoiar nossa fé em falsas seguranças, aprendemos a procurar Deus com um coração mais humilde e sincero.

Não podemos esquecer que uma pessoa que procura e deseja sinceramente acreditar, para Deus já é crente. Muitas vezes não é possível fazer muito mais. E Deus, que compreende nossa impotência e debilidade, tem seus caminhos para encontrar-se com cada um e oferecer-lhe sua salvação.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não sejas incrédulo, mas crente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV