“Onde está Jesus há humildade, mansidão e amor”, afirma Francisco

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Os três movimentos de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco mira na imprensa e cultura da “pós-verdade” em discurso aos movimentos populares

    LER MAIS
  • COP26, estrada difícil: aqui estão os documentos que comprovam a resistência aos empenhos climáticos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 04 Setembro 2013

“Sempre onde está Jesus há humildade, mansidão e amor”. É o que afirmou o papa Francisco (foto) na Missa desta manhã, na Casa Santa Marta. O Papa destacou a diferença entre a “luz tranquila de Jesus, que fala a nosso coração”, e a luz do mundo, “uma luz artificial” que nos torna soberbos e orgulhosos.

A reportagem é publicada no sítio Religión Digital, 03-09-2013. A tradução é do Cepat.

 
Fonte: http://goo.gl/zVOkrl  

A identidade cristã é “uma identidade da luz, não das trevas”. O papa Francisco fez sua homilia partindo das palavras que São Paulo dirige aos primeiros discípulos de Jesus: “Vós, irmãos, não sois das trevas, sois filhos da Luz”. Esta luz, observou o Papa, “não foi querida pelo mundo”. Porém, Jesus veio para nos salvar do pecado, “sua Luz nos salva das trevas”. Por outro lado, acrescentou, hoje “é possível pensar que exista a possibilidade” de ter luz, “com tantas coisas científicas e tantas coisas da humanidade”:

“Pode-se conhecer tudo, é possível ter ciência de tudo, com esta luz sobre as coisas. Porém, a luz de Jesus é outra coisa. Não é luz da ignorância, não! É uma luz de sabedoria, mas não tem nada a ver com a luz do mundo. A luz que o mundo nos oferece é uma luz artificial, talvez forte – mais forte é a de Jesus, eh! –, forte como fogos de artifício, como um flash fotográfico. No entanto, a luz de Jesus é uma luz mansa, é uma luz tranquila, é uma luz de paz, é como a luz na noite de Natal: sem pretensões”.

E o Papa também disse que é uma luz “que se oferece e que traz paz”. A luz de Jesus, continuou, “não faz espetáculo, é uma luz que vai ao coração”.

No entanto, advertiu, “é verdade que o diabo muitas vezes aparece como um anjo de luz: gosta de imitar Jesus e se faz de bom, fala-nos tranquilamente, como falou com Jesus após o jejum no deserto”. Esta é a razão pela qual devemos pedir ao Senhor “a sabedoria do discernimento para conhecer quando é Jesus que nos dá a luz e quando é o demônio, disfarçado de anjo de luz”.

“Todos os que acreditam viver na luz e estão nas trevas, não se dão conta. Como é a luz que Jesus nos oferece? Nós podemos conhecer a luz de Jesus porque é uma luz humilde, não é uma luz que se impõe: é humildade. É uma luz mansa, com a fortaleza da mansidão. É uma luz que nos fala ao coração e é uma luz que a Cruz lhe oferece. Se em nossa luz interior somos homens mansos, escutamos a voz de Jesus no coração e olhamos sem medo a Cruz, esta é a luz de Jesus”.

Entretanto, se vem uma luz que o “torna orgulhoso”, advertiu, uma luz que “faz você olhar o outro do alto”, a desprezar os demais, “na soberba, esta não é a luz de Jesus: é a luz do diabo disfarçado de Jesus, de anjo de luz”. Desta maneira, o Papa indicou o modo como diferenciar a luz verdadeira da falsa: “Sempre onde está Jesus há humildade, mansidão, amor e cruz”. Nunca, acrescentou, encontraremos um Jesus que não seja humilde, manso, [ou que seja] sem amor e sem cruz. Devemos ir atrás Dele, “sem medo”, seguir sua luz porque a luz de Jesus “é bela e nos faz muito bem”. No Evangelho de hoje, concluiu, Jesus expulsa o demônio e as pessoas têm medo diante de uma palavra que expulsa os espíritos impuros:

Jesus não tem necessidade de um exército para expulsar os demônios, não precisa da soberba, não necessita da força, do orgulho. ‘Que palavra é esta que ordena com autoridade e poder aos espíritos impuros e estes vão embora?’ A palavra humildade, mansa, com muito amor; é uma palavra que nos acompanha nos momentos de Cruz. Peçamos ao Senhor que nos dê hoje a graça de sua Luz e nos ensine a distinguir quando a Luz é sua e quando é uma luz artificial, feita pelo inimigo para nos enganar”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Onde está Jesus há humildade, mansidão e amor”, afirma Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV