Bertone, o balanço de um fracasso

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • “América Latina caminha para o enfraquecimento e a desintegração”. Entrevista com Juan Tokatlian

    LER MAIS
  • Ernesto Cardenal. Não é um filho pródigo da Igreja

    LER MAIS
  • Papa Francisco revoga permanentemente todas as sanções canônicas contra o padre e poeta Ernesto Cardenal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Setembro 2013

O secretário de Estado, cardeal Tarcisio Bertone, sai de cena. Na manhã desse sábado, ocorreu a nomeação do seu sucessor, Mons. Pietro Parolin, núncio na Venezuela e ex-subsecretário de Assuntos Exteriores da Santa Sé de 2002 a 2009.

A reportagem é de Marco Politi, publicada no jornal Il Fatto Quotidiano, 31-08-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O "zelador" era como chamavam Bertone as línguas pérfidas na Cúria, porque Bento XVI – desconhecendo os mecanismos da máquina vaticana – tinha decidido confiar-se completamente ao seu fiel colaborador, ex-secretário da Congregação para a Doutrina da Fé.

O Papa Ratzinger conhecia os seus limites, mas, sentindo-o em total sintonia com os seus próprios desejos e sabendo que ele nunca assumiria uma posição de crítica contra ele (dos papéis do Wikileaks, vem à tona que a diplomacia vaticana considerava Bertone como um "yes-man" ao extremo do pontífice), sempre quis defendê-lo.

Desde a sua nomeação em 2006, grande parte da Cúria foi hostil contra ele, considerando-o alheio tanto à experiência diplomática quanto ao savoir-faire e ao conhecimento necessários para uma máquina complexa como o governo central da Igreja Católica. Os críticos criticaram a falta de liderança unida à rigidez centralizadora e à tendência obsessiva de colocar seus próprios homens nos gânglios da Cúria, especialmente nos setores econômicos.

Se o pontificado ratzingeriano chegou a um beco sem saída, a partir do qual o próprio Bento XVI salvou a Igreja com o gesto revolucionário da renúncia papal, muitas responsabilidades recaem sobre Bertone.

Entre os maiores erros de governo, a gestão catastrófica do caso Williamson, o bispo lefebvriano negacionista reabilitado em 2009 da excomunhão. Quando as agências de todo o mundo já relatavam o antissemitismo virulento de Williamson, Bertone procedeu como se nada tivesse acontecido com a publicação do ato de remissão da excomunhão: sem falar abertamente com Bento XVI, que tinha decidido anteriormente pela clemência.

A Bertone como secretário de Estado remonta a responsabilidade última de ter deixado que fosse nomeado como arcebispo de Varsóvia um ex-agente da polícia secreta comunista polonesa (forçado a renunciar no mesmo dia da solene cerimônia de posse da cátedra episcopal).

Mas, acima de tudo, Bertone fez sistematicamente as escolhas erradas nos casos financeiros do Vaticano. Ele bombardeou, mandando-o como núncio aos Estados Unidos, o secretário-geral do Governatorato do mini-Estado pontifício, Dom Viganò, que tinha denunciado a corrupção sistemática nos contratos do Vaticano.

Quando Bento XVI, em dezembro de 2010, criou para o Vaticano uma Autoridade de Informação Financeira, confiando-lhe o pleno controle dos movimentações de dinheiro nos órgãos da Santa Sé, Bertone, um ano depois, reduziu os poderes dessa entidade de supervisão e apoiou a tese de que as informações a serem dadas às autoridades judiciais italianas sobre movimentações financeiras suspeitas no IOR não podiam ser anteriores a 2010.

Pouco depois, ele deu sinal verde ao "golpe" no banco vaticano (liderado pelo líder dos Cavaleiros de Colombo e membro do conselho de diretores do IOR, Carl Anderson), que levou à defenestração em 2012 do presidente Gotti Tedeschi. Um presidente que pediu em vão transparência total sobre "contas correntes externas" obscuras do IOR e uma regular certificação dos balanços financeiros por obra de uma agência independente internacional.

Em vão, ao longo dos anos, cardeais de renome – de Scola a Schönborn, de Ruini a Bagnasco – pediram que Bento XVI substituísse o secretário de Estado. O cardeal alemão Meisner, um fidelíssimo de Ratzinger, revelou que já tinha implorado, há quatro anos, ao então pontífice: "Eu disse: Santo Padre, o senhor tem que demitir o cardeal Bertone! Ele é responsável [pelo caso Williamson], exatamente como um ministro em um governo secular". Bento XVI nunca teve a força para fazer isso. No plano italiano, Bertone foi um ávido defensor de um pacto de ferro com Berlusconi.

O homem escolhido pelo Papa Francisco, Mons. Pietro Parolin, um diplomata, vem da grande "escola" dos cardeais Casaroli e Silvestrini. Uma escola de sensibilidade e de atenção à complexidade do mundo e das sociedades contemporâneas.

Antes de ser enviado para a Venezuela em 2009, ele tinha alcançado o objetivo de lançar as bases do acordo entre a Santa Sé e o Vietnã, que levou às relações diplomáticas entre as duas partes e que, a partir de 2010, permite que o Vaticano nomeie os bispos no país comunista asiático, apresentando ao governo uma terna (como acontecia nos Estados da Europa Oriental durante a Guerra Fria).

Parolin deverá ser o secretário de Estado de uma Cúria mais leve e aberta à colaboração com os bispos do mundo. Um papel importante também terá a "comissão de reforma" coordenada pelo cardeal Maradiaga.

Bertone continuará sendo, por enquanto, camerlengo vaticano e, por um ano apenas, presidente da Comissão de Vigilância do IOR.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bertone, o balanço de um fracasso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV