João Paulo II e João XXIII. Canonizados

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco entrega sua cruz peitoral à comunidade de Brumadinho

    LER MAIS
  • Bancos vão ficar com 62% da renda do trabalhador se capitalização for aprovada

    LER MAIS
  • "Vamos guardar o pessimismo para tempos melhores". Entrevista com Frei Betto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 13 Agosto 2013

O jesuíta José Aldunate, professor de Moral, de Santiago do Chile, escreve sobre as diferenças visíveis no estilo de João XXIII e João Paulo II, ambos prestes a serem canonizados pela Igreja. De forma ponderada e crítica, Aldunate vai elucidando as questões que estão por trás das críticas recentes ao processo de canonização de João Paulo II. O artigo é publicado no sítio Reflexión e Liberación, 06-08-2013. A tradução é do Cepat.
 
Eis o artigo.

Anuncia-se a próxima canonização de dois papas, João XXIII e João Paulo II. Os dois milagres exigidos para a canonização de João Paulo II foram aprovados. Este anúncio é uma boa notícia, contudo, provocou críticas que é bom elucidar.

Por enquanto, chama a atenção certos contrastes entre as figuras dos dois papas. João XXIII iniciou o Concílio Vaticano II. Este foi a sua grande obra. João Paulo II, ao contrário, participou como bispo no Concílio e permaneceu mais na linha da minoria conciliar e como Papa, embora sempre tenha se referido ao Concílio Vaticano II, advogou por uma interpretação mais tradicional dele.

O papa João queria um Concílio que levasse a Igreja até os pobres. Os teólogos latino-americanos derivaram do Concílio a conclusão de uma Teologia da Libertação, mas o papa João Paulo desconfiou desta teologia, acusou-a de ser influenciada pelo marxismo e, de fato, combateu-a. Esta atitude papal teve efeitos decisivos em toda a América Latina.

A índole dos dois papas era muito diferente. O papa João era a simplicidade perfeita, João Paulo, como embaixador da Igreja em todo o mundo, revestia-se de solenidade e luzes, tinha a ver com os grandes da terra. No conflito da guerra fria, assumiu notoriamente uma posição e celebrou o triunfo quando a muralha do império soviético caiu.

Este contraste entre os dois pontífices, que serão canonizados, poderia demonstrar a amplitude da Igreja que abraça diferentes posições políticas, sociais e até teológicas. No entanto, foi criticado como sinal de ambiguidade ou de oportunidade e cálculo. Com a canonização de João Paulo, viu-se um giro da Igreja para a direita, para os lefebvristas, para o Opus Dei e os Legionários de Cristo e até para uma direita política no âmbito mundial.

Estas críticas tendem a mexer com a pessoa do novo papa Francisco. É ele que, em última instância, irá realizar a canonização dos dois papas, mas, neste caso, a crítica se esquece de que a Igreja é um grande corpo que tem uma dinâmica que não pode ser interrompida abruptamente. É um grande navio que não muda de curso facilmente, nem repentinamente. A canonização de ambos já estava praticamente determinada. As vinculações com as respectivas instituições já haviam sido assumidas. A invasão do povo polaco a Roma já estava planejada. A canonização estava praticamente assegurada, e o novo papa não poderia entrar em sua missão pisoteando tudo o que foi feito. Não é o estilo do novo papa Francisco.

Entretanto, os questionamentos vão mais a fundo e conta com dificuldade para admitir a santidade de João Paulo II, que a Igreja propõe proclamar solenemente. Criticam as reticências, para dizer assim, de João Paulo diante do próprio Concílio Vaticano II, um concílio da Igreja universal. Criticam a inflexibilidade doutrinária e as duras sanções com as quais manteve posições teológicas e de valores. Isto em combinação, muitas vezes, com o cardeal Ratzinger, da Doutrina da Fé. Aqui, está incluída a sua luta contra a Teologia da Libertação. Criticam a confiança dada ao cardeal Angelo Sodano, que o levou a apoiar e proteger Marcial Maciel quando já eram conhecidos seus abusos de pedofilia. Há, finalmente, aqueles que criticam a oportunidade de suas opções políticas e o estilo de suas viagens e visitas.

Frente a estes questionamentos, recordemos que o tema para uma canonização é a santidade. Perfeitamente, a santidade pode ser conciliada com os erros e limitações pessoais. Algumas vezes, a partir da esquerda, são criticadas posições de direita que, perfeitamente, podem ser conciliadas com a santidade.

Em segundo lugar, saibamos que a Sagrada Congregação para os Santos faz um sério questionamento sobre a santidade daqueles que são candidatos. O assunto é sério e é feita uma avaliação em forma com seu “advogado do diabo”. Deveria constituir um precedente favorável.

O papa Wojtyla tinha uma natureza forte. A graça constrói sobre a natureza. A santidade está no amor, na entrega de uma vida pelo reinado de Deus na humanidade. A Igreja saberá avaliar de tudo isto o melhor.

Outro aspecto que a Igreja deve avaliar, antes de canonizar um servo de Deus, é a oportunidade de declará-lo santo, de inclui-lo na lista de seus santos. Não basta que o indivíduo seja santo, é necessário que sua canonização seja realmente para o bem de toda a Igreja. Aqui, poderia se questionar se é realmente oportuno canonizar um Papa. Poderia se alegar que os tempos não pedem uma exaltação de membros da hierarquia, mas muito mais de membros humildes do povo de Deus.

Também tem a ver com a oportunidade o fato de não bastar que o canonizado seja santo. A esta oportunidade parece responder a insistência em que haja dois milagres referentes ao santo. Este requisito é dispensável e na minha avaliação deveria ser abolido completamente. Eu o considero uma relíquia de outros tempos, que não se justifica, nem em teoria, nem em sua prática.

Em relação à oportunidade, há um esclarecimento que se deve à Igreja e que certamente será feito, oxalá, da forma mais clara e explicitamente possível. É a relação ou falta de relação do papa João Paulo II com o caso de Marcial Maciel. Há versões que circulam e que apresentam, na ambiguidade e na dúvida, vinculações comprometedoras. É preciso que se torne conhecida uma história verídica das relações no caso de Marcial Maciel, do início até sua destituição e morte. E, conjuntamente, uma referência a esta história em relação com o que significa a canonização de João Paulo II. Pensamos que a congregação que se ocupa destas canonizações precisa ter feito este trabalho. Pois bem, estimo que o povo cristão tem o direito de conhecer estas verdades.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

João Paulo II e João XXIII. Canonizados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV