16 de agosto de 1773 - A Companhia de Jesus é suprimida

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Agosto 2014

Há 239 anos, o Papa Clemente XIV publicava o Breve de Supressão da Companhia de Jesus (Dominus ac Redemptor).

A nota é publicada por Jesuit Restoration 1814, 16-08-2014. A tradução é de Claudia Sbardelotto.

Depois de assinar o Breve, disse o cardeal Pacca, o papa jogou a caneta longe e caiu sem sentidos no chão de mármore.

Naquela época, havia 22.589 jesuítas, 49 províncias, 669 colégios e mais de 3000 missionários.

O Padre Geral, Lorenzo Ricci, foi enviado para o English College - mais tarde, ele viria a ser transferido para Castel Sant Angelo, onde morreu como prisioneiro.

Fazia 14 anos desde o decreto real contra os jesuítas em Portugal - que iniciou um efeito dominó de expulsões de jesuítas de vários países europeus e de suas colônias estrangeiras.

Parecia que o último prego que faltava no caixão era a supressão universal dos jesuítas pelo papa - mas a ativação do Breve dependia de sua promulgação pelos bispos locais. Isso foi feito para evitar que bens valiosos dos jesuítas, como terras e propriedades fossem perdidas para a Igreja.

Esta foi a graça salvífica para os jesuítas - Catarina da Rússia se recusou a promulgar o Breve já que ela fazia questão de manter abertos os colégios dos jesuítas. Eles eram importantes para ela pois eram muito valorizados pela aristocracia polonesa.

A Rússia estava passando por um período de expansão imperial sob o comando de Catarina e era importante manter a boa vontade desses aristocratas. Em 1768, ela tinha se tornado formalmente protetora da República das Duas Nações, ou Comunidade Polaco-Lituana, que foi anexada ao Império Russo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

16 de agosto de 1773 - A Companhia de Jesus é suprimida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV