Desmatamento de 3 mil hectares é impedido pelo Ibama no Pará

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Maio 2014

Fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) localizaram e destruíram, na última sexta-feira (02), um acampamento na Floresta Nacional do Jamanxim, município de Novo Progresso/PA, com combustível e alimentos. O local estava preparado para manter trabalhadores na área, com o intuito de desmatar. A ação, que integra a operação Onda Verde, freou o desmatamento não autorizado de cerca de 3 mil hectares.

A reportagem foi publicado Ibama/Pará, 12-05-2014.

Informações e fotos do Ibama/Pará

 

A estratégia do instituto é coibir a derrubada da floresta e não apenas constatá-la, focando em pequenos desmatamentos, que tendem a aumentar. De acordo com o responsável do Núcleo de Fiscalização da Superintendência do Ibama no Pará, Luciano Silva, trata-se de ações preventivas, em que são colocadas equipes em campo, feitas comparações de imagens com períodos anteriores, realizados voos de monitoramento, entre outras frentes. “Nós temos que identificar as áreas antes que o desmatamento ocorra e retirar bens, combustível e qualquer outro objeto que viabilize a ocorrência do crime”, frisou.

Segundo o superintendente do Ibama no Pará, Hugo Américo Schaedler, não há um panorama real registrado pelos satélites durante os meses de novembro a maio do que está acontecendo em campo. “A nossa preocupação é que, como os índices não refletem a realidade, pela existência de alta cobertura de nuvens, haja um número de polígonos de desmatamento que as equipes não conseguiram localizar com os sobrevoos e incursões de campo. Contudo, ainda assim, esperamos que grande parte do que vai ser mostrado na primeira abertura de nuvens, o que permitirá ao satélite enviar imagens e ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais emitir os alertas, já tenha sido objeto de vistoria. Em função da experiência técnica, criam-se as rotas das ações e determina-se a fiscalização em locais de possíveis explorações ilegais, obtendo-se êxito”.

Onda Verde

Com o intuito de reduzir os índices de desmatamento não autorizado, a operação Onda Verde, do Ibama, atua, desde 2013, com ações de fiscalização em áreas de expansão agropecuária e de supressão vegetal em locais de floresta, desarticulando acampamentos e inutilizando bens. No Pará, as atividades se concentram no sudoeste do estado, nas áreas de influência do município de Novo Progresso, que compreende o município de Altamira e as localidades Moraes Almeida (Itaituba) e Castelo dos Sonhos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desmatamento de 3 mil hectares é impedido pelo Ibama no Pará - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV