“Não reconheço os abusos, com crianças nunca, jamais”, defende-se Karadima

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 13 Novembro 2015

Com um forte dispositivo de segurança, que incluiu quatro seguranças particulares, reforçados pela gendarmeria, terminou seu depoimento à Justiça o ex-pároco de El Bosque, Fernando Karadima, no processo movido contra ele em que três das suas vítimas, Juan Carlos Cruz, James Hamilton e José Andrés Murillo, exigem da Arquidiocese de Santiago uma indenização de 450 milhões de pesos (652 mil dólares).

A reportagem é publicada por Religión Digital, 12-11-2015. A tradução é de André Langer.

Karadima negou qualquer tipo de abuso sexual. “Não reconheço os abusos, com crianças nunca, jamais, e declarei isso ao ministro”, afirmou o padre que foi condenado pela Justiça canônica a uma vida retirada e de oração.

O padre falou da sua relação com o bispo de Osorno, Juan Barros, que é identificado pelas vítimas como acobertador dos casos. “Ele era da Ação Católica e ia para me ver na paróquia e eu fui vê-lo em Iquique. Uma amizade muito sincera. Ele intermediou uma viagem para a França com o bispo de Louvre para os meus 50 anos de sacerdócio”, disse, segundo reportagem do jornal chileno La Tercera.

Sobre os denunciantes, Karadima garantiu que “são católicos e eu não tenho por que pensar que queiram prejudicar a Igreja”.

O advogado dos denunciantes, Juan Pablo Hermosilla, disse que a declaração “confirma que a Arquidiocese não acatou as denúncias” e acrescentou que o testemunho do padre “basicamente foi uma declaração marcada por muitos ‘não me lembro’”, disse. O advogado acrescentou que “o padre confirma que não reconhece os abusos cometidos, muda algumas coisas de outras declarações e disse que os denunciantes não têm a intenção de prejudicar a Igreja católica”.

Por outro lado, Karadima teria explicado que ele não contratou os advogados e que “nunca sofreu nenhuma punição e que ninguém na Igreja o interrogou”.

Após o seu depoimento, Karadima saiu escoltado por quatro guarda-costas, segurando um terço que não soltou desde que chegou ao Tribunal.

A Arquidiocese de Santiago lamentou as declarações prestadas pelo ex-pároco de El Bosque, Fernando Karadima, que na quarta-feira se apresentou como testemunha na Corte de Apelações na demanda civil contra o organismo religioso interposta por três de suas vítimas.

“Não reconheço os abusos, com crianças nunca, jamais, e declarei isso”, disse o ex-pároco durante o requerimento. Enfatizou, também: “Nunca tive relações sexuais com os atores (envolvidos na demanda)”.

Diante disso, a Igreja emitiu um comunicado em que assinala que “a Arquidiocese de Santiago lamenta que Fernando Karadima falte com a verdade”.

“Este era um momento privilegiado para fazê-lo e reconhecer sincera e humildemente sua exclusiva participação e responsabilidade nestes abusos”, assinala o comunicado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Não reconheço os abusos, com crianças nunca, jamais”, defende-se Karadima - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV