O Padre que abençoou as tripulações da bomba atômica – e a sua conversão

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS
  • O que as eleições de 2020 anunciam para 2022?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2015

"Depois de anos de busca espiritual, a conversão completa do Pe. Zabelka de ser um forte defensor da 'teoria da guerra justa' para se transformar num pacifista total foi anunciada em uma carta de Natal no ano de 1975", escreve Tony Magliano, jornalista e colunista de temas de justiça social e paz internacionalmente reconhecido, em artigo publicado por Independent Catholic News, 02-08-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Eis o artigo.

Há setenta anos, no dia 6 de agosto de 1945, a arma singular mais destrutiva já lançada sobre os seres humanos e o meio ambiente – a bomba atômica – foi posta em ação por um bombardeiro B-29 americano sobre a cidade japonesa de Hiroshima, matando cerca de 80 mil pessoas.

Três dias depois, uma segunda bomba atômica seria lançada sobre Nagasaki, matando cerca de 40 mil.

“Abençoando” as tripulações e suas duas missões estava o Pe. George Zabelka, capelão para o 509º Grupo Composto – o grupo da bomba atômica. Em uma entrevista à revista Sojourners, o falecido padre explicou: “Se um soldado vier até mim e perguntar se pode colocar uma bala na cabeça de uma criança, eu direi a ele que não, de forma alguma. Isso seria mortalmente pecaminoso”.

Mas em 1945, na Ilha de Tinian no Pacífico Sul, onde o grupo da bomba atômica se encontrava, aviões decolavam o tempo todo, disse Zabelka. “Muitos desses aviões iam para o Japão com o propósito expresso de matar não uma criança ou um civil, mas de abater centenas de milhares de crianças e civis – e eu não disse nada (...)”.

“Sim, eu sabia que vidas de civis estavam sendo destruídas (...) No entanto, nunca preguei um único sermão contra a morte de civis aos homens que estavam cometendo estes crimes. (...) Fizeram uma lavagem cerebral em mim! Jamais me passou pela cabeça protestar publicamente contra as consequências destes ataques aéreos maciços”.

“Me disseram que eles [os ataques] eram necessários; assim me disseram abertamente os militares e, implicitamente, as minhas lideranças na Igreja. Até onde eu saiba, nenhum cardeal americano ou bispo se opôs aos ataques aéreos em massa. Silenciar-se em assuntos como este, especialmente no caso de um organismo público, como o conjunto dos bispos americanos, é emitir um selo de aprovação. (...)”

“Os cristãos vêm cometendo massacres uns aos outros, assim como a não cristãos, nos últimos 1.700 anos, em grande parte porque os seus padres, pastores e bispos simplesmente não dizem a eles que a violência e o homicídio são práticas incompatíveis com os ensinamentos de Jesus”.

Depois de anos de busca espiritual, a conversão completa do Pe. Zabelka de ser um forte defensor da “teoria da guerra justa” para se transformar num pacifista total foi anunciada em uma carta de Natal no ano de 1975: “Devo fazer uma declaração que reverte tudo o que pensei outrora (...) Cheguei à conclusão de que a verdade do Evangelho é que Jesus não foi violento e que ensinou a não violência como o seu caminho”.

Zabelka dedicou o resto de sua vida ao ensino, à pregação e ao testemunho do Evangelho da não violência.

Em 1983, ele e um sacerdote jesuíta, o Pe. Jack Morris, organizaram e participaram da “Bethlehem Peace Pilgrimage” (Peregrinação pela Paz de Bethlehem), que começou na base nuclear submarina em Bangor, Washington, e terminou na véspera de Natal do ano de 1984, em Bethlehem, [condado no mesmo estado americano].

Quando Zabelka veio a Maryland, tive a oportunidade de pessoalmente ouvi-lo partilhar a sua história inspiradora de conversão.

Eu recomendo a leitura de toda a entrevista que ele concedeu à Sojourners, acessando-a neste link.

Sugiro também adquirir o excelente DVD “'Fr George Zabelka: The Reluctant Prophet”, produzido pelo Center for Christian Nonviolence, no seguinte link. Ou assisti-lo aqui no YouTube.

Podemos optar por racionalizar e tolerar a violência e a guerra, ou podemos ajudar a Deus a construir o seu reino de vida e amor.

No Livro de Deuteronômio, o autor estabelece um ultimato divino para a humanidade: “ (…) Eu lhe propus a vida ou a morte, a bênção ou a maldição. Escolha, portanto, a vida, para que você e seus descendentes possam viver, amando a Javé seu Deus, obedecendo-lhe e apegando-se a ele (…)”.

Que possamos sempre escolher a vida!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Padre que abençoou as tripulações da bomba atômica – e a sua conversão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV