Organizações católicas LGBTS aguardam notícia sobre espaço para exposição no Encontro Mundial das Famílias

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Maio 2015

Duas organizações católicas que trabalham com a comunidade LGBT continuam aguardando uma resposta aos pedidos que fizeram para ter um espaço de exposição dos seus trabalhos no Encontro Mundial das Famílias, a acontecer em setembro na Filadélfia.

A reportagem é de Julie Gunter, publicada pelo sítio National Catholic Reporter, 18-05-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Um dos grupos, chamado Fortunate Families, viu o seu pedido ser rejeitado duas vezes, e um outro grupo, o Catholic Association for Lesbian and Gay Ministry – CALGM, ainda está esperando por uma resposta final.

Um terceiro, chamado Courage International, que trabalha com “pessoas atraídas pelo mesmo sexo”, segundo o sítio eletrônico do grupo, confirmou que o seu pedido para um espaço de exposição foi aprovado logo após a submissão de um formulário no ano passado.

Marcado para acontecer entre os dias 22 e 25 de setembro deste ano, o Encontro Mundial das Famílias é um evento trienal promovido pelo Pontifício Conselho para a Família. Este evento, que coincide com a visita do Papa Francisco aos Estados Unidos, deve reunir com 20 mil participantes e precede um festival para as famílias e uma missa papal, que poderá atrair milhões de fiéis. As oficinas para adultos e crianças estão organizadas em torno do tema central: “O Amor é a Nossa Missão: A família plenamente viva”.

As cerimônias de abertura e fechamento, bem como a maioria dos programas do Encontro Mundial das Famílias, acontecerão no Centro de Convenções da Pensilvânia (Pennsylvania Convention Hall), que também terá um ambiente para estandes de exposição, apresentações culturais e outras atividades.

O grupo Fortunate Families, organização católica baseada no voluntariado e que trabalha com pais de filhos gays, lésbicas, pessoas bissexuais e transgêneros, inscreveu-se para ter direito a um espaço no evento em agosto de 2014. O seu formulário foi rejeitado por “falta de informações”, segundo Deb Word, presidente do conselho de diretores da entidade.

Deb Word refez a inscrição do grupo em meados de fevereiro e acabou sabendo, em 8 de maio deste ano, que a inscrição do grupo fora rejeitada novamente.

Reconhecendo que “sem saber por que fomos rejeitados, é difícil saber qual a informação mudaria o que eles pensam”, Deb Word escreveu em email enviado aos membros do comitê organizador. Nele, perguntava sobre a lógica por detrás da decisão e listava as mensagens de amor alinhadas com o ensinamento da Igreja que ela esperaria compartilhar em seu estande no evento.

As perguntas enviadas para o comitê organizador do Encontro Mundial das Famílias foram dirigidas a Ken Gavin, diretor de comunicação da Arquidiocese da Filadélfia.

Por email, Gavin escreveu: “Os pedidos dos expositores são analisados por funcionários do Escritório do Encontro Mundial das Famílias e a estes se reserva o direito de aprovar ou negar vários pedidos (...). Se uma organização tiver alguma dúvida sobre a situação de seu pedido ou sobre a decisão tomada, ela deverá entrar em contado diretamente com a entidade organizadora”.

Deb Word disse também que planeja enviar um pedido ao Fortunate Families para poder anunciar nos materiais do Encontro Mundial das Famílias a ser distribuídos aos participantes. Ela disse que este pedido marca a tentativa final do grupo em participar, como colaborador, do encontro.

Arthur Fitzmaurice, diretor de recursos da CALGM, disse que está confiante que os organizadores do encontro “resolverão isto”. Ele submeteu o formulário do grupo, que solicitava um estande de exposição, ainda ano passado, com informações até de cartão de crédito, tendo refeito a inscrição usando o mesmo formulário no começo de 2015.

Com sede em Berkeley, na Califórnia, a CALGM é uma rede de organizações que inclui quase duas dúzias de grupos mantidos por dioceses e paróquias católicas, as quais “trabalham dentro da plenitude dos ensinamentos católicos para proporcionar um ministério pastoral aos católicos LGBTs e às famílias”, disse Fitzmaurice. “Não temos motivo algum para acreditar que a nossa presença [neste encontro mundial] possa ser uma preocupação para o Vaticano; aliás, o nosso grupo representa muitos ministérios que fazem o trabalho da Igreja e que se põem a trabalhar junto aos marginalizados, como tem pedido o Papa Francisco”.

Fitzmaurice acrescentou que a CALGM “encontrou-se cordialmente” com o ordinário local, Dom Michael Barber.

O grupo Courage International, organização fundada em 1980 e que baseia o seu trabalho em cinco objetivos – que incluem a castidade, oração e comunhão, além de usar um formato de 12 passos inspirado no modelo do Alcoólicos Anônimos –, irá enviar “um punhado de participantes” para o encontro com materiais para distribuir, segundo o diretor associado do grupo, o Pe. Philip Bochanski. O autodescrito “Apostolado Católico tradicional” é parcialmente financiado pela Arquidiocese de Nova York e pela Diocese de Bridgeport, no estado de Connecticut.

Fitzmaurice disse que, por causa das missões diferentes do Courage International e de outros grupos LGBTs, bem como das diversas necessidades da população a que estas organizações servem, precisa-se de mais representantes católicos no Encontro Mundial das Famílias. Ele destacou o reconhecimento e o apoio de Dom Jose Gomez, arcebispo de Los Angeles, para um trabalho pastoral junto aos católicos LGBTs, bem como o capítulo local do Courage International, da Arquidiocese de Los Angeles, como um exemplo notável.

Deb Word disse que ainda está se perguntando por que o seu grupo – o Fortunate Families –, que completou 10 anos em 2014, não foi aprovado como expositor para o encontro mundial. Disse também querer saber se a “aceitação de filhos em relações [homoafetivas]” ou a afiliação do grupo com a rede reformista Equally Blessed – que inclui a Call to Action, a DignityUSA e o New Ways Ministry – foram fatores determinantes na decisão do comitê organizador.

Fitzmaurice, também, disse que o grupo não quer ficar “do lado de fora das tendas. Merecemos um estande, e não podemos simplesmente ouvir que não há mais espaço”. Mesmo assim, Fitzmaurice vê oportunidades para a cura neste momento: “Na missa com o Papa Francisco, todos seremos um”, disse ele, referindo-se à liturgia do dia 27 de setembro que acontecerá no Benjamin Franklin Parkway, localizado no coração do distrito cultural da Filadélfia. “Na missa, tudo transcende no momento da Eucaristia”.

Além do trabalho na CALGM, Fitzmaurice disse que planeja ajudar na coordenação dos eventos envolvendo o tema LGBT durante a semana, tanto na Filadélfia quanto em Washington, DC, além de contribuir com atividades sociais junto a agentes pastorais e educadores, o que inclui enviar convites “para o Papa Francisco e todos os bispos que desejam vir se encontrar com católicos LGBTs”.

Deb Word falou que o Fortunate Families também irá “estar no encontro com ou sem um local para exposição, e que realizará duas oficias com os pais a poucas quadras de distância do Encontro Mundial das Famílias aos que quiserem conversar e partilhar suas histórias”.

O grupo New Ways Ministry também planeja realizar um workshop sobre questões envolvendo a identidade de gênero, copromover uma recepção aos católicos LGBTs, às famílias e simpatizantes, e apoiar várias dezenas de “peregrinos” católicos de famílias não tradicionais que serão enviados todos os dias com a “mensagem de que as pessoas gays, lésbicas, bissexuais, transgêneras e intersexuais fazem também parte da família”.

Deb Word disse que Mary Beth Yount, diretora de conteúdo e programação do Encontro Mundial das Famílias, a contatou em fevereiro deste ano para falar sobre a possibilidade de ela participar de um painel, com três debatedores, dedicado a refletir a respeito de questões envolvendo a Igreja e os homossexuais.

Ela disse acreditar que o seu nome fora sugerido ao comitê organizador depois de uma troca de emails que teve com Dom Charles Chaput, no final de 2014, sobre as suas experiências como mãe e avó que cuidou de jovens gays e lésbicas rejeitados.

Deb Word disse que contou a Mary Beth Yount, no curso do diálogo, que ela também era a presidente do Fortunate Families. Este telefonema terminou “com palavras cordiais”, disse. Mas poucas semanas depois, recebeu um email de Yount com a notícia de que o painel teria dois palestrantes apenas: Ron Belgau, católico celibatário gay, e sua mãe, Beverley Belgau.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Organizações católicas LGBTS aguardam notícia sobre espaço para exposição no Encontro Mundial das Famílias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV