Argentina, Brasil e América Latina perdem posição relativa no PIB mundial

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • O papa Francisco não receberá o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Janeiro 2015

"Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI) o Brasil continua em penúltimo lugar no ranking anual de competitividade divulgado em 14/01/2015. Quando comparado aos seus 14 principais concorrentes em termos econômicos, o Brasil ficou à frente apenas da Argentina", escreve José Eustáquio Diniz Alves, colunista do Portal EcoDebate, é doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado pelo portal EcoDebate, 21-01-2015.

Eis o artigo.

A América Latina foi uma região que apresentou uma das maiores taxas de crescimento econômico entre 1950 e 1980. Houve melhoras em diversos indicadores sociais, como na educação e saúde e redução da pobreza, embora o continente latino-americano seja conhecido como a região mais desigual do mundo.

Todavia, a crise econômica dos anos de 1980 fez a pobreza e o desemprego subirem, enquanto a renda per capita ficou estagnada. Este período ficou conhecido como a “década perdida”. Nos anos de 1990 houve uma certa estabilização dos indicadores macroeconômicos, mas a retomada das taxas de crescimento econômico mais significativas só voltaram a ocorrer (mesmo que em patamares menores do que no ciclo pós-Segunda Guerra) após os anos de 2002 e 2003.

O menor ritmo de crescimento fez cair a participação do Produto Interno Bruto (PIB) da América Latina e Caribe (ALC),