Reduzir desperdício de alimentos

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Brasil tem maior concentração de renda do mundo entre 1% mais rico

    LER MAIS
  • Temer deu R$ 1 trilhão a petroleiras?

    LER MAIS
  • Argentina. A pobreza já atinge 31,4% da população

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Setembro 2015

Mais de 150 governantes do mundo se reunirão em Nova York neste final de semana, para adotar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), um conjunto de metas destinadas a erradicar a pobreza extrema, lutar contra a desigualdade e a injustiça, e frear a mudança climática. Os 17 ODS contribuirão para concretizar a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015, concentrando a atenção nas oportunidades que permitirão atingir um futuro sustentável.

A reportagem é de Brian Lipinski, publicada por Envolverde, 25-09-2015.

Uma das prioridades da agenda é reduzir pela metade o desperdício de alimentos por habitante até 2030, segundo a meta 3 do objetivo 12, que estabelece “garantir as pautas de consumo e de produção sustentáveis”. Se isso for alcançado, a ambiciosa meta não servirá apenas para melhorar a segurança alimentar, mas também o sustento, bem como para reduzir os gases-estufa e economizar terra e água.

Proporção de alimentos disponíveis que se perde ou são desperdiçados. Foto: WRI

Definitivamente, reduzir o desperdício de alimentos é um objetivo em si mesmo e um meio para conseguir outros ODS. No mundo são gastos US$ 750 bilhões por ano com alimentos perdidos ou desperdiçados em toda a cadeia de fornecimento de alimentos. Reduzir a perda e o desperdício de alimentos poderá ajudar a recuperar o gasto econômico e reduzir a carga financeira sobre as populações mais vulneráveis do mundo.

Na África subsaariana, uma das regiões mais pobres e com maior insegurança alimentar do mundo, o Banco Mundial estima que, reduzindo em apenas 1% as perdas de produção após a colheita, já será possível economizar US4 40 milhões por ano. E desse total, a maior parte dos benefícios irá diretamente para as mãos dos pequenos agricultores que cultivam alimentos.

De um ponto de vista ambiental, a perda e o desperdício de alimentos representam um uso extremamente ineficiente dos recursos. Em termos comparativos, se o desperdício fosse um país, seria o terceiro maior emissor de gases-estufa, superado apenas por China e Estados Unidos.

Um estudo da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) indica que a perda e o desperdício de alimentos liberam na atmosfera cerca de 3,3 gigatoneladas de gases-estufa. Além disso, são destinadas grandes quantidades de água e fertilizantes para a produção de alimentos que nunca chegarão à mesa. Isso é um enorme custo ambiental a pagar por alimentos aos quais os humanos dão pouco ou nenhum uso.

Do ponto de vista de segurança alimentar, reduzir a perda e o desperdício de alimentos é uma grande oportunidade para fechar a brecha de calorias entre o lugar em que atualmente o mundo se encontra e aquele aonde precisa chegar para alimentar o planeta de forma sustentável. O mundo está diante de uma brecha de aproximadamente 70% entre as colorias dos cultivos produzidos e as necessárias para alimentar uma população mundial que, se estima, estará em torno dos 9,5 bilhões de habitantes em 2050.

Recuperar parte do desperdício pode ajudar a fechar a brecha e, ao mesmo tempo, consolidar o sustento e melhorar a segurança alimentar, sem necessidade de custos ambientais adicionais. A boa notícia é que o desperdício de alimentos, um assunto com frequência ignorado, começa a atrair a atenção que merece, tanto do público como do setor privado.

Na terceira semana deste mês, a Agência de Proteção Ambiental e o Departamento de Agricultura, ambos dos Estados Unidos, anunciaram um objetivo ambicioso em concordância com os ODS de reduzir em 50% o desperdício de alimentos nesse país até 2030. Em apenas cinco anos, a Grã-Bretanha reduziu esse desperdício em 21%, e a Dinamarca conseguiu a impressionante diminuição de 25% no mesmo período.

Do lado empresarial, o Fórum de Bens de Consumo (CGF), que representa mais de 400 empresas em 70 países, adotou uma resolução para reduzir pela metade o desperdício de alimentos entre seus membros até 2025. No Instituto de Recursos Mundiais (WRI), trabalhamos para reduzir o desperdício mediante o Protocolo de Perda e Desperdício de Alimentos (FLW), junto com nossos sócios CGF, FAO, Fusions, Pnuma, WBCSD e Wrap.

Com base em que “o que se mede se administra”, o Protocolo FLW é um esforço de múltiplos atores para criar um padrão de prestação de contas e informação que permita quantificar a perda e o desperdício de alimentos. O Padrão FLW do Protocolo permitirá que os países e as empresas quantifiquem seu desperdício de forma verossímil e consistente e identifiquem onde e quantos alimentos são perdidos. Depois, poderão utilizar essa informação para identificar as estratégias apropriadas para fazer o perfil do caso. Isso gerará benefícios econômicos, aumentará a segurança alimentar e reduzirá o impacto ambiental.

O Padrão FLW estará disponível a partir do começo do próximo ano, a tempo para países e companhias fixarem suas bases e iniciarem a medição de seus progressos dentro da meta 12.3 dos ODS. Esse parâmetro, junto com os esforços para reduzir o desperdício desde a roça até a mesa, ajudará a levar o mundo para um futuro com alimentação mais sustentável e menos desperdícios. 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reduzir desperdício de alimentos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV