Conseguir a segurança alimentar para todos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS
  • Massacre de Paraisópolis é a falta do reconhecimento da cultura periférica, diz Raquel Rolnik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Setembro 2015

"Segundo o Programa Mundial de Alimentos, o mundo necessita de um sistema de alimentação que cubra as necessidades dos 2,5 bilhões de pessoas a mais que povoarão a terra até 2050. Erradicar a fome e a extrema pobreza exigirá outros US$ 267 bilhões anuais nos próximos 15 anos. Nesse contexto preocupante, uma dúvida surge: como conseguiremos isso? Olhando para o futuro, o objetivo requer muito mais do que palavras. São necessárias ações coletivas, inclusive esforços para duplicar a produção de alimentos em escala global, reduzir o desperdício e experimentar alternativas alimentares", escreve Paula Durán, diretora do Fundo de Desenvolvimento Sustentável do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), em artigo publicado por IPS e republicado por Envolverde, 14-09-2015.

Eis o artigo.

Após o entusiasmo da última Conferência Internacional sobre Financiamento para o Desenvolvimento, as questões centrais e os muitos níveis do que está em jogo estão claros. De fato, um assunto complexo como a fome, que é uma prioridade permanente em matéria de desenvolvimento, continua sendo motivo de luta diária para quase 795 milhões de pessoas no mundo.

Embora esse número signifique 216 milhões de pessoas a menos do que no período 1990-1992, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), a fome mata todos os dias mais gente do que a malária, a aids e a tuberculose juntas.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) define a fome como desnutrição crônica e a mede pela média nacional de calorias a que cada pessoa tem acesso diariamente, bem como a prevalência de menores de cinco anos com baixo peso.

Em que lugar estamos se a segurança alimentar e a nutrição estão destinadas a ser um componente fundamental da erradicação da pobreza e do desenvolvimento sustentável.

De fato, a alimentação é um direito humano básico e vinculado ao segundo dos próximos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que incluem a meta de erradicar a fome e conseguir a segurança alimentar, bem como melhorar a nutrição e promover a agricultura orgânica, até 2030.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) promove práticas agrícolas sustentáveis para melhorar a vida de milhões de agricultores, por meio do Programa de Produtos Básicos Verdes.

Segundo o Programa Mundial de Alimentos, o mundo necessita de um sistema de alimentação que cubra as necessidades dos 2,5 bilhões de pessoas a mais que povoarão a terra até 2050.

Erradicar a fome e a extrema pobreza exigirá outros US$ 267 bilhões anuais nos próximos 15 anos. Nesse contexto preocupante, uma dúvida surge: como conseguiremos isso?

Olhando para o futuro, o objetivo requer muito mais do que palavras. São necessárias ações coletivas, inclusive esforços para duplicar a produção de alimentos em escala global, reduzir o desperdício e experimentar alternativas alimentares. No contexto da missão do Fundo de Desenvolvimento Sustentável, trabalho para entender como atender melhor esse assunto multifacetário.

Consciente de que não existe uma fórmula única para todos de melhorar a segurança alimentar, o Fundo coordena com vários atores públicos e privados, bem como com agências da ONU, a implantação de programas-piloto inovadores no terreno.

Por exemplo, a instituição trabalha para atender a segurança alimentar e a nutrição na Bolívia e em El Salvador, onde camponeses se beneficiam de nosso trabalho para fortalecer sistemas de produção agrícola locais.

Além disso, envolvemos mulheres e pequenos agricultores como parte de nosso esforço transversal para desenhar uma resposta mais integrada aos desafios do desenvolvimento. Reconhecemos que vários fatores também devem desempenhar um papel crítico para alcançar a meta de redução da fome, a saber:

produtividade agrícola melhorada, que ajuda a melhorar a segurança alimentar, especialmente pequenos produtores e familiares;

crescimento econômico inclusivo, que gera avanços importantes na redução da fome e da pobreza;

– expansão da proteção social, que ajuda diretamente na redução da fome e da má nutrição.

Na luta contra a fome, precisamos criar sistemas de alimentação que ofereçam melhores resultados nutricionais e que sejam fundamentalmente mais sustentáveis, isto é, que exijam menos terras e que sejam mais resilientes à mudança climática.

Os desafios são quase tão grandes quanto a crescente população, que necessitará de 70% mais alimentos para cobrir a mudança estimada na demanda e nas dietas.

Sempre e desde que deixemos de desperdiçar um terço do que produzimos, teremos que reavaliar a produção agrícola e de alimentos em termos da cadeia de fornecimento e tentar melhorar a qualidade e os aspectos nutritivos de toda a cadeia de valor.

A segurança alimentar e a nutrição devem ser um motivo de preocupação de todos, especialmente se pretendemos erradicar a fome e combater a insegurança alimentar em todas suas dimensões. Alimentar a crescente população mundial deve, portanto, ser um esforço conjunto e que dificilmente será alcançado apenas pelos governos e pelas organizações internacionais.

Nas palavras de José Graziano da Silva, diretor-geral da FAO, “ter quase conseguido o ODM da fome nos mostra que podemos eliminar esse flagelo de nossa vida. Devemos ser a geração Fome Zero. Esse objetivo deve ser introduzido em todas as intervenções políticas e deve ser o eixo da nova agenda de desenvolvimento sustentável que será aprovada este ano”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conseguir a segurança alimentar para todos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV