Perdão do aborto: "Um gesto colossal". Entrevista com Beatrice Fazi

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Novembro 2016

“O papa fez um gesto colossal.” A atriz italiana Beatrice Fazi lê as palavras de Francisco e se comove. Quando, aos 20 anos, foi ela quem abortou, no confessionário, não havia um sacerdote que pudesse absolvê-la. “Foi eliminado uma passagem burocrática que criava sofrimento”, comenta.

A reportagem é de Giacomo Galeazzi, publicada no jornal La Stampa, 22-11-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Eu me vi grávida e sem orientação. O homem de quem eu estava esperando um filho me abandonou: não queria assumir a responsabilidade de criar uma criança”, conta. “Eu tinha acabado de chegar em Roma, vinda do sul da Itália, onde é difícil confessar aos próprios pais uma coisa dessas, em um contexto em que dar à luz antes do casamento equivale à infâmia e à exclusão social.”

Eis a entrevista.

O que significa não receber a absolvição do padre a quem se confessa o aborto?

Uma dor profunda, uma desaceleração no processo interior mais delicada. No domingo, eu assisti ao fechamento da Porta Santa. Durante o Jubileu da Misericórdia, os sacerdotes podiam absolver as mulheres. Eu me perguntei: “E agora que terminou o Ano Santo?”. A decisão de Francisco é a resposta.

Por que era um problema o fato de ter que se dirigir ao bispo?

A mulher ferida consegue com sofrimento confessar o aborto. Até hoje, as leis canônicas impediam que o sacerdote a absolvesse, e era como encontrar uma porta fechada. Éramos encaminhadas pelo sacerdote ao bispo. E, em um momento de fragilidade, isso faz muitas mulheres cair no desespero.

O que muda para uma mulher?

Ao arrependimento, até agora, se respondia com um procedimento: o pedido ao bispo. E era como frear o sopro do Espírito. Ser forçada a parar no próprio percurso, ter que marcar um horário com um bispo acentuava a condição de fraqueza. Muitos se perderam nessa passagem, se sentiram imperdoáveis, acabando por se curvarem sobre si mesmas. É muito mais fácil encontrar um padre do que um bispo.

Você não foi absolvida?

Eu estava sozinha, sentia vergonha e não tinha ninguém para me indicar uma alternativa à interrupção da gravidez. Desde então, a escolha de abortar permaneceu como uma ferida impossível de cicatrizar. Anos depois, eu decidi ir ir me confessar por superstição e medo de que um Deus vingativo e juiz me punisse ou reivindicasse qualquer coisa. O sacerdote não me deu a absolvição, mas me disse que, embora excomungada, eu era chamada à santidade. Uma pedra. O aborto como segredo guardado na gaveta porque eu não conseguia falar a respeito. A angústia de não me sentir perdoada por causa da criança a quem eu impedi de vir ao mundo e que não pôde se defender.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Perdão do aborto: "Um gesto colossal". Entrevista com Beatrice Fazi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV