Paris: arcebispo renuncia por “comportamento ambíguo” com mulher

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • É proibido esquecer Auschwitz e o maior roubo da história

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Novembro 2021

 

O arcebispo de Paris, Michel Aupetit, apresentou sua renúncia ao Papa Francisco, após as revelações do semanário Le Point sobre uma suposta história de amor com uma mulher em 2012. A Diocese de Paris reconhece que o alto prelado, hoje com 70 anos de idade, manteve um “comportamento ambíguo” com uma mulher à época. Na carta ao papa, que segundo o jornal Le Figaro chegou nessa quinta-feira em Roma, Aupetit apresenta a sua renúncia ao papa. O pontífice pode decidir se a aceita ou não.

 

A reportagem é de La Repubblica, 26-11-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Aupetit explicou à Le Point: “Quando eu era vigário-geral, uma mulher se apresentou várias vezes com visitas, e-mails etc., a ponto de às vezes eu ter que tomar providências para nos distanciar. No entanto, eu reconheço que o meu comportamento em relação a ela pode ter sido ambíguo, dando a entender, assim, a existência entre nós de uma relação íntima e sexual, o que eu nego veementemente. No início de 2012, eu informei meu diretor espiritual e, depois de conversar com o arcebispo de Paris da época (o cardeal André Vingt-Trois), eu decidi não voltar a vê-la e a informei disso. Na primavera de 2020, depois de relembrar essa velha situação aos meus vigários gerais, avisei as autoridades da Igreja”.

 

Não teria se tratado “nem de uma relação amorosa nem de uma relação sexual”, e o pedido de renúncia, segundo a diocese, não seria “uma confissão de culpa, mas sim um gesto de humildade, de se pôr à disposição, para evitar divisões”.

 

Aupetit foi clínico geral na região de Paris por 11 anos antes de ser ordenado padre em 1995, aos 44 anos: “Deus marcou um encontro tardio comigo”, ele costuma dizer. Nomeado arcebispo em 2017, teve que gerir o incêndio de Notre-Dame e é conhecido pelas suas posições conservadoras sobre a família e a bioética: apoiou regularmente as “marchas pela vida” hostis ao aborto e polemizou duramente com a comunidade homossexual sobre o tema do casamento e das adoções.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Paris: arcebispo renuncia por “comportamento ambíguo” com mulher - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV