“Ouvir a voz da criação”, um convite e um compromisso para todos os cristãos

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Setembro 2022

 

Com o Dia Mundial de Oração pela Criação, que se celebra hoje, o "Tempo da Criação" recomeça este ano a iniciativa ecumênica que, até o próximo dia 4 de outubro, envolverá cristãos de várias Igrejas para uma verdadeira "conversão ecológica".

 

O escritor do Prêmio Strega 2017, Paolo Cognetti, fala sobre sua ideia de felicidade ligada à beleza da natureza.

 

A entrevista é de Adriana Masotti, publicada por Vatican News, 01-09-2022.

 

O Papa Francisco estabeleceu o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação em 2015, marcando a data para 1º de setembro, para coincidir com o mesmo dia da Igreja Ortodoxa. A iniciativa que, como explicou o Papa na ocasião, visa despertar nos fiéis "uma profunda 'conversão espiritual' em resposta à atual crise ecológica, dá lugar ao 'Tempo da Criação', que há mais de um mês será um momento forte de reflexão e empenho para as comunidades eclesiais também em vista da adoção de estilos de vida pessoais coerentes, objetivo mais do que atual e que este ano parte da escuta”.

 

Um primeiro evento ecumênico organizado pelo Movimento Laudato si' está programado para esta tarde. Uma maravilhosa comunhão universal "Ouvir a voz da criação", o tema e o convite proposto pelas Igrejas para a edição de 2022, que tem a sarça ardente como imagem simbólica. E a Terra hoje muitas vezes clama por causa dos maus-tratos de que é vítima.

 

"À mercê de nossos excessos consumistas - disse Francisco ontem na audiência geral -, sua irmã Mãe Terra geme e nos implora que paremos com nossos abusos e sua destruição."

 

Ouvindo, o Papa escreve na Mensagem para o dia de hoje: "Se aprendermos a ouvi-lo, notamos uma espécie de dissonância na voz da criação. Por um lado, é um canto doce que louva o nosso amado Criador e faz nos conscientizamos de não estarmos separados das outras criaturas, mas de formar uma estupenda comunhão universal com os demais seres do universo."

 

A terra clama e os pobres clamam

 

O Papa Francisco olha para a realidade atual e observa que não é apenas a Terra que grita, mas também as criaturas. “À mercê de um 'antropocentrismo despótico', nos antípodas da centralidade de Cristo na obra da criação, inúmeras espécies estão morrendo, cessando para sempre seus hinos de louvor a Deus, entre nós gritando. Expostos à crise climática, os pobres sofrem mais severamente com o impacto das secas, inundações, furacões e ondas de calor que continuam a se tornar mais intensas e frequentes.”

 

O Papa, portanto, pede aos cristãos que rezem por mudanças durante este 'Tempo da Criação' e, em particular, porque a cúpula da ONU COP27 sobre o clima será realizada no Egito em novembro de 2022, e a COP15 sobre biodiversidade que acontecerá no Canadá em dezembro, para "que eles unam a família humana para enfrentar decisivamente a dupla crise do clima e a redução da biodiversidade".

 

Cognetti: minha felicidade nas montanhas

 

Com o livro "As oito montanhas", traduzido em mais de 40 países e do qual um próximo filme será feito, Paolo Cognetti ganhou o Prêmio Strega em 2017. A montanha representa uma grande paixão do escritor milanês, o lugar da beleza e da liberdade. O amor pelas montanhas, e mais geralmente pela natureza, retorna em seus trabalhos posteriores, bem como no último romance "A felicidade do lobo", publicado pela Einaudi.

 

Paolo Cognetti se encontra andando na floresta a 2000 metros acima do nível do mar quando atende nosso chamado, mas concorda em parar por um momento para compartilhar conosco reflexões e memórias relacionadas à sua experiência em alta altitude.

 

Eis a entrevista.

 

Paolo Cognetti, você tem uma verdadeira paixão pelas montanhas e vive longos períodos do ano em altitudes elevadas. Você pode nos contar sobre sua relação com as montanhas? O que é a montanha para você?

 

Tem sido tantas coisas diferentes na minha vida. Por exemplo, era uma montanha de infância, o lugar onde eu passava os verões com meus pais: morando em Milão nos mudamos para Valle D'Aosta nos meses de julho e agosto, então com meu pai eu vivi as montanhas de uma maneira específica , porque ele adorava me levar para subir as trilhas com sua disciplina, com suas ideias de como ir para as montanhas; com minha mãe de uma forma mais doce. A lembrança da felicidade da infância daqueles verões em que uma criança fica selvagem pela primeira vez, experimenta aventura, liberdade e beleza pela primeira vez ficou para mim.

 

Mas depois, já adulto, a montanha tornou-se outras coisas: experimentei a solidão, mas também experimentei o encontro que a montanha pode dar a vocês - alguns dos meus melhores amigos que encontrei aqui -, ficou essa grande sensação de liberdade. Continuo associando a isso, a cidade me faz sentir trancado em uma gaiola, moro lá em certas épocas do ano, a cidade é útil, precisamos dela, mas só tenho essa sensação de liberdade aqui.

 

Por milênios o ser humano viu a presença de divindades nas manifestações naturais, a natureza sempre foi um caminho para chegar a Deus, no centro do universo. Agora estamos entendendo que somente a aliança entre o homem e a natureza nos garantirá um futuro. Como você sente isso?

 

Eu iria um pouco além da ideia de uma aliança, ou seja, realmente modelamos esta Terra na época que agora chamamos de "antropoceno", a época em que o homem realmente mudou a forma externa do planeta, pelo menos. Somos responsáveis pela crise climática e praticamente todas as paisagens - estou agora em um lugar a 2000 metros no meio de matas e pastagens - mas para onde quer que eu olhe há o sinal do homem que viveu aqui por séculos ou milênios e que esta montanha funciona ou a atravessa. Talvez na civilização camponesa fosse verdadeira essa ideia da aliança, ou seja, havia um respeito mútuo entre homem e montanha, havia um cuidado por parte do homem do campo, da terra, que ele então precisava para sobreviver.

 

Eu iria mais longe porque quebramos essa aliança e hoje devemos tratar a natureza como um templo, como um lugar sagrado a ser protegido a todo custo, a ser venerado por aqueles que nos associam a uma ideia de divindade, para rezar para que continue a fornecer a água e as matérias-primas de que necessitamos para viver.

 

Em suma, hoje temos mais responsabilidades do que no passado, mudamos profundamente a Terra e agora temos que cuidar dela com extrema atenção.

 

Os cristãos, não apenas os católicos, celebram todos os anos o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, que abre um mês inteiro dedicado ao meio ambiente. É uma sensibilidade adquirida recentemente, a ecológica...

 

Recentemente, mas, como disse antes, essa cura já existia na civilização camponesa. Quem cultivava a terra ou criava gado precisava conhecê-la muito bem e saber usá-la sem explorá-la demais. Mario Rigoni Stern, que é um grande professor meu de montanha, falou da floresta em particular como um jardim, como uma horta, como um lugar cultivado pelo homem pelo qual o homem se interessou - disse ele - e deixou a capital intacta. Portanto, a terra que produz frutos todos os anos; sim, podemos tirar, mas devemos proteger o núcleo, que é o capital. Essa ideia sempre existiu até que com a era industrial, com a era da grande industrialização, quebramos esse vínculo. Hoje, quem mora na cidade, quem nasceu lá, as crianças não sabem mais nada do que é uma floresta, o que é uma árvore, um animal selvagem... deve sair de Integra porque, caso contrário, se o homem perder a memória de tudo isso, um futuro muito sombrio certamente nos aguardará.

 

A esse respeito, você escreve em seu livro 'Sem nunca chegar ao topo': "No final eu realmente fui lá, no Himalaia (...) eu queria ver se em algum lugar do mundo ainda existe uma montanha intacta, ver com meus próprios olhos primeiro, isso desaparece." Quantas coisas estamos destinados a ver desaparecer se não agirmos imediatamente?

 

E, o que me vem imediatamente é a água, porque nunca houve um verão tão dramático deste ponto de vista como o que estamos vivendo. Nas montanhas nunca tivemos o problema da água, a água está em toda parte tanto que pode ser jogada fora; na verdade ela corre em direção ao vale, mas este verão pela primeira vez aprendemos que a água não é óbvia, mesmo no montanhas. Eu moro no sopé do Monte Rosa e este ano as geleiras sofreram um golpe muito forte, elas estão realmente para trás visivelmente de um ano para o outro. E aqui percebemos o que aconteceria ou acontecerá quando essas geleiras não estiverem mais lá. Então não vai ter mais água nos córregos, não vai ter mais água nos rios e eu não sei bem como nossos filhos vão fazer isso, então talvez seja o momento de realmente pensar que cuidar do planeta não é apenas um gesto, filosófico, poético para pessoas avançadas, para pessoas instruídas, mas é um ato intimamente ligado à nossa sobrevivência, à água que sai das torneiras de casa, à água que bebemos todos os dias. Se não queremos perder isso, então devemos proteger o planeta.

 

Mas infelizmente a guerra na Ucrânia está a afetar fortemente as nossas economias, há a questão do trigo e sobretudo a da energia. Isso corre o risco de obscurecer a preocupação dos governos com a proteção do planeta. Fala-se em voltar à energia fóssil. Na sua opinião, é justificável dar passos para trás em relação ao meio ambiente neste momento?

 

Não, não se justifica porque é a posição de quem acredita que certos problemas são mais sérios que outros, então ele acha, por exemplo, que alimentar a indústria é um problema mais urgente do que proteger o planeta. Eu não diria realmente, pelo contrário, se há uma urgência, é justamente aquela ligada ao clima. Sempre falamos em encontrar outras fontes de energia, mas nunca ou não falamos o suficiente sobre a redução do nosso consumo, que é também a chave para a nossa economia. Temos muito desperdício, consumimos muita energia por motivos fúteis, não estritamente ligados à nossa sobrevivência, se cortarmos esses consumos certamente precisaríamos de menos gás, petróleo etc., e talvez pudéssemos fazê-lo com as fontes renováveis temos.

 

Em sua mensagem para o Dia de Oração pela Criação, o Papa Francisco escreve sobre a natureza, uma doce canção e um choro amargo. Você pode nos dizer em que ocasião você percebeu essa doçura e quando, em vez disso, esse grito amargo da terra?

 

Quanto à voz harmoniosa, tenho sorte porque vim morar aqui seguindo essa voz e, portanto, é realmente suficiente para mim entrar em uma floresta. Eu amo muito água corrente, talvez seja por isso que estou tão alarmado este ano. Sentado à beira de um riacho, ouvindo a voz da água que muda durante o dia porque há mais ou menos dependendo da temperatura e da hora do dia... Havia Sidarta, o protagonista do famoso livro de Hermann Hesse, também uma figura espiritual, que no final de sua história encontrou a iluminação por um rio, aprendendo a ouvir a voz do rio. Isso para mim é a voz da Terra, é a canção da Terra.

 

Vejo o grito de dor onde quer que o homem esteja lá para cavar, modificar, nivelar, cimentar, e infelizmente essas cenas estão por toda parte, mesmo nas montanhas. Procuro fugir desses lugares, fujo e luto, devo dizer, por razões que me parecem necessárias nesse sentido, porque há muitos, muitos lugares nas montanhas italianas onde ainda existem projetos anacrônicos de destruição de a montanha ligada a projetos ou implantes que realmente não servem mais. O último caso recente é o da corrida de Bobsleigh para as Olimpíadas de Cortina. Ainda hoje pensa-se em construir uma pista que nunca mais será usada, exceto naqueles poucos dias das Olimpíadas. São loucuras que não deveriam mais pertencer ao nosso tempo e eu luto por essas razões. Estamos a apenas um mês das eleições (italianas) e escuto pouquíssimos discursos desse tipo feitos pelas pessoas que gostariam de nos governar, a questão ambiental está praticamente ausente de todos os discursos políticos que nos são feitos todos os dias neste período.

 

Gostaria de concluir voltando aos seus livros: como a natureza entra no seu último romance, "A felicidade do lobo"? Esse tema da felicidade que une, eu acho, natureza e pessoas e também as relações humanas...

 

Sim, é o tema do livro no sentido de que neste romance, mas como na minha vida e entre as pessoas que conheci nos últimos anos, a busca da felicidade está muito ligada à busca de um lugar bonito. E para mim, um lugar bonito é certamente um lugar intimamente ligado à natureza onde ainda se pode viver em harmonia com ela, onde a beleza ainda está presente, onde ainda existem espaços de liberdade não conquistados pelo homem e deixados à Terra. E então é uma natureza neste romance que nos assiste passar e me conforta o suficiente para que a Terra nos sobreviva de qualquer maneira. Por mais que a gente se inquiete e tente arruiná-la, felizmente ela é mais longa que nós e viverá muito bem mesmo quando estivermos extintos e esse pensamento me conforta.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Ouvir a voz da criação”, um convite e um compromisso para todos os cristãos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU