Sintetizando o processo sinodal pela escuta ao laicato e ao Espírito Santo. Artigo de Austen Ivereigh

Foto: Conferência Episcopal do Reino Unido e País de Gales

16 Agosto 2022

 

“Uma assembleia sinodal não é uma troca de opiniões ou um lugar para desabafar, tampouco um local político para avançar agendas, mas um exercício orante de escuta humilde, onde – assim como as reuniões sinodais descritas nos Atos dos Apóstolos – todos falam, a experiência importa mais do que a opinião, e as pessoas se sentem seguras para falar honesta e diretamente. Os relatos mostraram como é libertadora e transformadora a experiência de escutar e ser escutado em um ambiente atento de oração”, escreve Austen Ivereigh, em artigo publicado por The Tablet, 10-08-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Austen Ivereigh, escritor e jornalista britânico e pesquisador em História da Igreja Contemporânea no Campion Hall, na Universidade de Oxford, foi o responsável pela síntese dos relatórios diocesanos da Inglaterra e País de Gales, a ser enviada para o Sínodo de 2023. Seu livro mais recente é “Vamos sonhar juntos: o caminho para um futuro melhor” (Ed. Intrínseca, 2020), uma entrevista com o Papa Francisco

 

Eis o artigo.

 

No centro do grande exercício de escuta, a Igreja universal está engajada em um altíssimo novo ministério: a fiel captura da voz do Povo de Deus quando responde ao Espírito Santo.

 

O Povo de Deus da Inglaterra e País de Gales tem falado; pelo menos, aqueles – talvez 30 mil – que participaram no “Sínodo sobre a Sinodalidade”. Mas o que, exatamente, eles têm dito? E, mais profundamente, o que o Espírito Santo tem inspirado neles?

 

Foi para responder a essas perguntas que nove membros da Equipe Nacional de Síntese do Sínodo se reuniram no final de abril para uma sessão noturna em uma casa de retiro anglicana em Londres. No momento em que tivemos missa, adoração, comemos e passamos algum tempo nos conhecendo, havia pouco tempo para refletir sobre as quase 900 páginas de relatórios sinodais das 22 dioceses da Igreja Católica na Inglaterra e País de Gales que passamos lendo na quinzena anterior (tenho inveja da equipe francesa, que desapareceu por uma semana em um castelo para escrever sua coleção de sínteses sinodais). Mas foi o suficiente para acordar uma metodologia geral e uma estrutura temática, dividir a carga de trabalho e acordar um cronograma para preparar o primeiro rascunho para feedback dos bispos e líderes sinodais em 1º de junho.

 

Os bispos nos nomearam, mas não participaram da redação. Nem tivemos qualquer direção deles. A equipe foi convocada e coordenada com leve toque pelo padre Chris Thomas, secretário-geral da Conferência Episcopal. Estávamos “livres”, e sentíamos o peso disso: nossa responsabilidade era ser fiel ao que havíamos lido, mas criativo o suficiente para ordenar tudo “de uma forma compreensível até para quem não participou, indicando como o chamado do Espírito Santo para a Igreja foi entendido no contexto local”, como colocou a orientação do escritório sinodal em Roma.

 

Embora nos sentíssemos inadequados para a tarefa, todos trouxemos presentes para a mesa. Três da equipe (Sarah Adams, Mark Nash e Dominic Belli) foram líderes sinodais em suas próprias dioceses, com experiência em sintetizar relatórios de paróquias e escolas. Kate Wilkinson, capelã escolar envolvida no grupo Jovens Trabalhadores Cristãos, esteve ativa no Sínodo 2020 da Arquidiocese de Liverpool. Tínhamos uma especialista em comunicação, a irmã paulina Elaine Penrice, diretora do Escritório Nacional para as Vocações. Mary McCaughey, teóloga do St Mary's College, de Oscott, estava imersa na teologia da sinodalidade, enquanto o padre Jan Nowotnik havia acabado de escrever uma tese de doutorado sobre a eclesiologia da sinodalidade nas diferentes tradições cristãs. Minha própria contribuição foi como relator-chefe: criar um texto, a partir de rascunhos díspares, com um prazo impossível – o que não era inédito para mim.

 

Roma sugeriu que nossa síntese fosse dividida em três: uma pequena seção “releitura do caminho sinodal”, uma seção principal contendo um “discernimento das contribuições coletadas” relacionadas à questão-chave deste sínodo e os temas discutidos, e uma seção final indicando “os passos a serem dados em resposta ao que foi reconhecido como o chamado (ou os chamados) do Espírito Santo”. Seguimos esse esquema, mas subdividido, de modo que a síntese tem duas seções iniciais refletindo sobre o impacto da pandemia na Igreja, bem como uma visão geral da experiência do processo sinodal, enquanto o corpo principal tem duas seções longas sob os títulos: “Uma Igreja ferida chamada à conversão” e “Verdade, misericórdia e acolhimento”. A parte final se chama: “Rumo a uma Igreja sinodal na Inglaterra e no País de Gales”.

 

Como fazer isso? Consciente de que este é um processo global com muitas variantes culturais, o secretariado sinodal deu uma orientação bastante geral. Mas dentro do grupo tivemos nossas próprias experiências, e eu tive notas de apresentações de sintetizadores experientes na abertura do Sínodo em Roma. “Procuramos capturar notas comuns encontradas nos relatórios, bem como visões minoritárias ou marginais que ocorrem com frequência suficiente para serem dignas de menção”, observamos na introdução da síntese, acrescentando que prestamos atenção a “elementos surpreendentes ou marcantes em os relatórios, muitas vezes onde as opiniões são especialmente sinceras; e sempre que possível ter usado citações atribuídas dos relatórios para capturar as ‘joias’ que o Espírito pode estar oferecendo à nossa Igreja através da voz dos fiéis de Deus nestas ilhas”.

 

A ideia era resumir sem fazer julgamentos teológicos, ao mesmo tempo em que filtrava conteúdo suficiente para permitir um foco no que estava dentro do tema central do sínodo da própria sinodalidade, expresso em participação, comunhão e missão. A arte de sintetizar – um novo ministério vital na Igreja – é, por um lado, receber fielmente: nunca impor sua própria visão, mas facilitar a expressão do que está sendo articulado; não “digerindo” o material, mas mantendo-o cru, para que as pessoas possam ser ouvidas diretamente. Por outro, é ser criativo e ousado em identificar “os novos horizontes que vemos o Espírito abrir para nossa Igreja”, como colocamos. Isso pode vir de uma verdade pregada, um insight original que abre uma porta, ou talvez um vislumbre do futuro que traz esperança e paz. Qualquer um que tenha tido experiência de conversação espiritual reconhecerá que esses momentos de queda de alfinete são comuns em processos de discernimento em grupo. Nossa tarefa era tirá-los dos relatórios diocesanos.

 

Esses relatos diferiam enormemente, variando de profundamente suspeitos a alegremente entusiasmados. A maioria forneceu uma matéria-prima maravilhosa, enquanto outros foram muito menos úteis, sobretudo aqueles que se basearam em questionários e pesquisas individuais online, apesar do Papa Francisco e do secretariado enfatizarem que o sínodo não é uma pesquisa de indivíduos, mas um encontro estruturado de pessoas. Em alguns casos, as dioceses usaram a pandemia como desculpa para terceirizar empresas que oferecem serviços de processamento de dados. Os resultados não digeridos (51% achavam a Igreja pouco acolhedora) eram praticamente inúteis para o nosso propósito.

 

A maioria das dioceses, no entanto, reconheceu que o futuro da Igreja é sinodal e colocou pessoas e recursos para que isso aconteça, treinando líderes na arte da conversação espiritual, realizando palestras e workshops para levar as pessoas a apoiar a ideia e dando orientação sobre como liderar reuniões de grupo pequenos e colher os seus frutos. As dioceses mais engajadas relataram 80%-90% de participação das paróquias (em oposição a 10%-20% nas relutantes) e seus relatórios foram uma mina de ouro. Eles capturam tanto a experiência do sínodo, seus paradoxos e revelações, a mudança de consciência que resultou dele, bem como uma síntese discernida das visões e percepções que o Espírito havia solicitado.

 

O contraste entre esses dois conjuntos de relatórios – é claro, muitos ficaram entre os dois – mostrou o poder do próprio método sinodal. Uma assembleia sinodal não é uma troca de opiniões ou um lugar para desabafar, tampouco um local político para avançar agendas, mas um exercício orante de escuta humilde, onde – assim como as reuniões sinodais descritas nos Atos dos Apóstolos – todos falam, a experiência importa mais do que a opinião, e as pessoas se sentem seguras para falar honesta e diretamente.

 

Os relatos mostraram como é libertadora e transformadora a experiência de escutar e ser escutado em um ambiente atento de oração. Como diz nosso relatório de síntese: “O processo e a prática da sinodalidade já abriram a Igreja às graças da conversão que, através do sínodo, os fiéis pediram.” Uma mudança está acontecendo. As pessoas querem ser ouvidas, e não é mais possível esperar que fiquem caladas. Mas eles também querem ouvir uns aos outros, tendo descoberto que o Espírito pode falar mesmo através – especialmente através – das pessoas menos e mais improváveis. O modelo de comando e controle no qual a Igreja moderna passou a confiar deve dar lugar a um modelo sinodal que permita que qualquer fiel participe da tomada de decisões e do discernimento. Daí o apelo nos relatórios para os conselhos pastorais paroquiais, conselhos diocesanos que se consultam regularmente e assembleias regulares em todos os níveis para ouvir os gritos e angústias da comunidade e como o Espírito nos exorta a responder.

 

Este tornou-se o tema principal da nossa síntese: as experiências sinodais permitiram às pessoas imaginar “o modo de ser Igreja”, como disse uma pessoa, um que pertence à própria tradição de fé. As pessoas viram isso não apenas em termos de uma mudança no modus operandi et vivendi da Igreja, que depende mais da graça do que do poder, mas também em uma compreensão alterada de sua relação com a Igreja: não mais a instituição lá fora, mas o corpo a que pertenço, cuja missão partilho. Uma pessoa LGBT, membro da paróquia de Farm Street em Londres, que está em um relacionamento homossexual estável de longo prazo me disse que sabia que Deus a amava, mas assumiu que a Igreja não. Ao contar sua história e ser ouvida e reconhecida, ela percebeu que não era verdade – que ela realmente fazia parte da Igreja. Sua alegria em transmitir isso (em um pequeno vídeo para um simpósio sobre sinodalidade) era palpável; como este processo provou, a sinodalidade dá origem a discípulos missionários.

 

Tudo isso mostrou como é vital entrar nos sínodos com humildade, aberto a ouvir surpresas e ter nossas categorias subvertidas. Claro, nem todos tinham esse espírito. Dentro dos relatórios, mas principalmente fora do sínodo, não faltou o espírito oposto de suficiência, em grupos de católicos que desdenharam o processo como uma costura da hierarquia para evitar menus pré-cozidos de reforma ou como uma conspiração liberal para modernizar a Igreja ensinando entregando-se ao zeitgeist. Algum ceticismo era natural, especialmente porque o processo é novo; mas o cinismo e o desprezo tanto da direita quanto da esquerda foram tão surpreendentes em sua intensidade quanto em sua imagem distorcida desse processo.

 

Muitos tradicionalistas, por exemplo, veem na sinodalidade uma conspiração para derrubar tudo a que estão apegados, enquanto alguns antigos anglicanos estão convencidos de que a conversão sinodal levará ao modelo parlamentar de governança da Igreja da Inglaterra, com seus lobbies e partidos e diferenças que aprofundam até mesmo quando “resolvido” por votos democráticos. Quando lhe perguntei o que ele achava do primeiro rascunho de nossa síntese, um membro importante do Ordinariato me disse que havia percebido seus “piores medos” porque era “tudo sobre gays e mulheres” e que os lobbies progressistas “forçariam o Papa “ para fazer alterações. Quando expliquei que a tradição católica da sinodalidade permite total liberdade na discussão, mas confia à autoridade apostólica (os bispos e, finalmente, o Papa) a responsabilidade e a liberdade de discernir o que é do Espírito – mesmo diante de votos majoritários – ele parecia não estava convencido: a ideia de um processo que se submete à autoridade discernente da Igreja lhe era estranha.

 

Entre alguns progressistas, o desdém se inverte. É precisamente porque o processo está, em última análise, sujeito à autoridade da Igreja que eles não confiam nele. No auge da “jornada sinodal inclusiva liderada por leigos” do sínodo “Root & Branch” de Bristol em setembro passado, Mary McAleese disse que “inútil nem chega perto” de descrever o sínodo, porque a discussão de questões contenciosas seria suprimida ou filtrada e o processo controlado a cada passo pelos bispos. Em um programa da RTÉ no final deste mês, McAleese diz que Francisco tentou fazer do Sínodotudo sobre evangelização”, apesar do Papa insistir repetidamente que uma Igreja sinodal exige uma reforma estrutural para permitir a participação na tomada de decisões e no discernimento. Na abertura do Sínodo do ano passado, por exemplo, ele disse que “precisamos de conteúdos, meios e estruturas que facilitem o diálogo e a interação dentro do Povo de Deus, especialmente entre sacerdotes e leigos” e deixou claro que “isso exigirá mudanças visões verticais, distorcidas e parciais da Igreja, o ministério sacerdotal, o papel dos leigos, responsabilidades eclesiais, papéis de governo e assim por diante”. Essas são precisamente as mudanças que o Povo de Deus na Inglaterra e no País de Gales pediu em nossas sínteses, e elas são correspondidas em outras que li até agora, da Espanha, França e Bélgica.

 

Para McAleese, o “Caminho Sinodal” alemão fornece o modelo de tipo parlamentar que ela considera ideal (“um modelo de liberdade de expressão, corresponsabilidade e discussão”) e que os antigos anglicanos tanto temem. Mas, ao contrário do Concílio Plenário australiano ou do processo diocesano de Liverpool, o Caminho Sinodal não é, canonicamente, um sínodo (nem afirma ser). É sui generis: uma assembleia deliberativa autonomeada de 230 delegados selecionados por bispos e líderes leigos para lutar com uma agenda pré-determinada de questões levantadas por um relatório acadêmico sobre as causas dos abusos. Debate, produz trabalhos e vota; não envolve todos os fiéis, nem a conversação e o discernimento espirituais; e aprova resoluções que afirma serem obrigatórias, com um ar de fato consumado. Mas como um recente comunicado da Santa Sé (não assinado, mas emitido pela Secretaria de Estado a pedido do Papa) os lembrou, “a Alemanha não tem o poder de obrigar os bispos e os fiéis a assumirem novos modos de governo e novas abordagens da doutrina e moral” sem “um entendimento consensual no nível da Igreja universal”. A Igreja é católica, não congregacionalista.

 

Exercícios como o dos alemães carecem da abertura e humildade que a sinodalidade autêntica exige. As questões que estão discutindo são importantes e as propostas que fazem valer a pena, mas o processo não é “indiferente” no sentido inaciano: não adianta buscar a vontade de Deus se já sabemos o que deve ser feito. Torna-se uma sala de conversas, muito parecida com os sínodos controlados pelo Vaticano de outrora, com “as pessoas comuns dizendo as coisas usuais, sem grande profundidade ou percepção espiritual […] longe da realidade do santo povo de Deus e da vida concreta das comunidades ao redor do mundo”, como disse Francisco na abertura do sínodo, quando enumerou o “intelectualismo” como uma das tentações contra a sinodalidade autêntica.

 

Um verdadeiro sínodo que começa com todos os fiéis nas paróquias e escolas falando honestamente e ouvindo humildemente, parece e se sente muito diferente do modelo alemão de reforma progressiva. Para ser claro, não faltam críticas na síntese nacional: o povo é altamente crítico quando a Igreja está distante, distante e clerical. Eles são apaixonados pelo que acreditam que a Igreja é chamada a ser e frustrados quando ela fica aquém. Eles sentem fortemente que os dons e ministério das mulheres não são valorizados, e pedem formação como discípulas missionárias e envolvimento na tomada de decisões. Mas eles são cautelosos em oferecer prescrições. Eles sugerem que as mulheres devem ser capazes de pregar, por exemplo, mas se concentrar muito mais no treinamento e formação para o ministério do que na ordenação. Em vez de exigir que os ensinamentos da Igreja sobre sexualidade sejam revisados, eles pedem que as pessoas LGBTQIA+ sejam ouvidas e valorizadas. Em vez de rejeitar o ensinamento católico sobre o divórcio, eles dizem que é necessária uma abordagem pastoral para colocar a experiência do divórcio em diálogo com esse ensinamento.

 

Os relatórios do sínodo diocesano destacam áreas para a Igreja lutar e focar – às vezes com urgência, muitas vezes enfaticamente – mas há uma humildade nas vozes e uma confiança na Igreja que diz: “Ainda não temos as respostas para isso, mas confiamos em você para criá-los.” Pessoalmente, achei essa fé na Igreja – crítica da instituição humana falida, mas confiante no Espírito para conduzir o corpo à verdade – profundamente comovente e, pela primeira vez, entendi o que o Papa Francisco diz sobre o Povo de Deus na Evangelii Gaudium, que são “infalíveis em sua crença”, dotados de um “instinto de fé… que os ajuda a discernir o que é verdadeiramente de Deus”.

 

A secretaria do sínodo pede que as sínteses nacionais voltem às dioceses para aprovação e sugestões de melhoria. As dioceses enviaram delegações (geralmente bispos, auxiliares e líderes sinodais), assim como organizações como o Conselho Nacional de Mulheres Católicas para a reunião na Catedral de Southwark em 1º de junho. O “Dia Nacional do Sínodo” foi facilitado pela irmã Bernadette Reis, paulina, religiosa estadunidense que trabalha no dicastério de comunicação do Vaticano. Os delegados aprovaram nosso primeiro rascunho como reflexo geral dos relatórios do sínodo, ao mesmo tempo em que deram feedback útil que modificou consideravelmente o documento final.

 

As delegações foram divididas em mesas de cerca de oito pessoas – misturando leigos, bispos, clérigos e religiosos – e cada mesa propunha mudanças que foram então votadas. Muito da discussão, inevitavelmente, era sobre peso relativo: alguns achavam que havíamos dado muito espaço às objeções dos tradicionalistas, por exemplo, e estávamos errados ao incluí-los como uma minoria marginalizada; outros pensaram que não havíamos dado espaço suficiente na plataforma para aqueles que estão felizes com a Igreja como ela é, que não veem necessidade de mudança.

 

Pegamos as propostas, as revisamos e optamos por incorporá-las ou não nas discussões via Zoom, fazendo alegres compromissos e concessões no processo, a fim de produzir um rascunho final de – desculpe, secretaria do sínodo – um pouco mais de 10 páginas. Em nenhum momento fomos pressionados a retirar qualquer coisa vital que os relatórios diocesanos tivessem articulado, ou a suprimir qualquer coisa neles. Tínhamos liberdade, como os verdadeiros sínodos devem ter, para sermos fiéis ao que o povo dizia.

 

E agora nosso relatório de síntese, com as reflexões dos bispos sobre ele – eles mostraram que ouviram, mas sua resposta não contém compromissos, como seria de esperar nesta fase – estão com o secretariado sinodal em Roma. Em setembro, um “grupo de trabalho” de 24 pessoas de todos os continentes (principalmente leigos, mas também bispos, clérigos e religiosos) se reunirá por 10 dias em um centro de retiro fora de Roma, para refletir sobre as sínteses de 115 conferências episcopais e outras redes: congregações religiosas, dicastérios romanos etc. O grupo de trabalho elaborará o que está sendo chamado de “Documento para a Etapa Continental”. Cada um dos sete continentes refletirá sobre esse documento em sua “assembleia eclesial” regional composta por leigos, clérigos, religiosos e bispos: a Europa está prevista para fevereiro em Praga. Os relatórios continentais serão então sintetizados para a assembleia final do Sínodo em Roma, em outubro, onde os bispos se reunirão com e sob o Papa, para tomar decisões à luz do que pareceu “ao Espírito e a nós”.

 

Depois de ver este processo histórico de discernimento eclesial – o maior da história cristã – de dentro, eu diria: observem este espaço com esperança.

 

Tanto a síntese sinodal para a Inglaterra e País de Gales quanto o documento de reflexão dos bispos podem ser baixados neste link (em inglês).

 

Leia mais 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV