Sobre o trigo, só Erdogan vence. Ele reforça os objetivos anti-curdos

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Junho 2022

 

A confirmação chega do Kremlin: na quarta-feira não se chegou a nenhum acordo sobre a exportação de cargas de trigo ucraniano pelo Mar Negro. Mas a cúpula entre o Ministro do Exterior turco Cavusoglu e o russo Lavrov definiu novos equilíbrios. Este é também o efeito dominó da crise na Ucrânia. Isso é demonstrado pelo duplo anúncio feito ontem por Erdogan: ele será o candidato da Aliança da República nas eleições presidenciais de junho de 2023. E então acrescentou: "Nunca permitiremos a formação de um corredor para o terrorismo em nossa fronteira". A referência é à anunciada operação militar de Ancara contra as forças curdas no norte da Síria. A Turquia, especificou Erdogan, quer "proteger a fronteira com uma faixa de segurança de 30 km de extensão". E para isso pediu aos "aliados" de Ancara o "respeito por nossas legítimas preocupações". Uma referência aos novos equilíbrios OTAN a serem negociados juntamente com a entrada da Finlândia e da Suécia, sobre os quais  Erdogan levantou bastante objeções.

 

A reportagem é de Luca Geronico, publiucada por Avvenire, 10-06-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Mas qualquer operação militar na Síria só pode ser negociada com Moscou, o fiador do regime de Bashar el-Assad. Uma operação militar que é mais do que uma ameaça hipotética. O exército turco, informa o jornal Sabah, já completou a preparação e os militares turcos aguardam agora a ordem para iniciar a ofensiva. A ação, especifica o jornal pró-governo, será realizada em conjunto com o Exército Nacional Sírio, histórica formação da oposição a Bashar al-Assad que há alguns anos entrou na esfera de influência de Erdogan. O objetivo de Ancara é assumir o controle de Tal Rifat e Manbij, a oeste do rio Eufrates, atualmente administradas pelas forças curdas. Uma intenção reafirmada na quarta-feira por Cavusoglu a Lavrov com o pedido de honrar os acordos de Sochi de 22 de outubro de 2019 entre Erdogan e Putin, segundo os quais a presença de forças curdas na área deveria ser removida.

 

Em suma, a complementação da operação militar turca "Fonte da Paz" de outubro de 2019, depois interrompida por uma intervenção diplomática dos Estados Unidos. E justamente o corredor de terra que vai de Kobane a Qamishli poderia ser o "dividendo" de uma mediação turca para desarmar a bomba do trigo e iniciar uma verdadeira mediação sobre a crise na Ucrânia. Enquanto isso, no redescoberto papel do poder mediterrâneo - certamente também em função eleitoral diante de uma crise econômica cada vez mais desestabilizadora - Erdogan também emitiu um aviso à Grécia pedindo que "pare de armar as ilhas que têm status não militarizado". Recentemente, Ancara criticou Atenas acusando-a de levar armas para algumas ilhas gregas no mar Egeu, perto da costa da Turquia, que segundo os tratados internacionais deveriam ser desmilitarizadas.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sobre o trigo, só Erdogan vence. Ele reforça os objetivos anti-curdos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU