Igreja anglicana critica plano de Boris Johnson de enviar refugiados para Ruanda

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Abril 2022

 

Para o arcebispo de Canterbury, “terceirizar” as obrigações do Reino Unido “é o oposto da natureza de Deus, que assumiu a responsabilidade por nossos fracassos”.

 

A reportagem é publicada por Deutsche Welle, 17-04-2022.

 

Os líderes espirituais da Igreja da Inglaterra criticaram abertamente neste domingo (17.04.2022) o controverso acordo do governo Boris Johnson para enviar requerentes de asilo que chegaram ilegalmente ao Reino Unido para Ruanda.

O objetivo do acordo é evitar que refugiados façam travessias perigosas pelo Canal da Mancha, que estão aumentando em número apesar das promessas de que o "Brexit" traria melhor controle de fronteiras, criticado por organizações de direitos humanos e até pela ONU.

Em seu sermão de Páscoa, o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, disse que o envio de requerentes de asilo para o exterior levantou "sérias questões éticas".

“Terceirizar nossas responsabilidades, mesmo para um país que busca fazer o bem, como Ruanda, é contrário à natureza de Deus, que assumiu a responsabilidade por nossos fracassos”, disse o clérigo.

Por sua vez, o arcebispo de York, Stephen Cottrell, considerou “muito deprimente e angustiante” que “os requerentes de asilo fugindo da guerra, da fome e da opressão não sejam tratados com a dignidade e compaixão que todo ser humano merece”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja anglicana critica plano de Boris Johnson de enviar refugiados para Ruanda - Instituto Humanitas Unisinos - IHU