Na doutrina católica, a hierarquia deve ser muito clara, transparente e verdadeira. Não deve se deixar levar pelas lógicas midiáticas

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Guerra Civil Psicótica Global (GCPG). Artigo de Franco ‘Bifo’ Berardi

    LER MAIS
  • 50 anos de teologias da libertação memória, revisão, perspectivas e desafios

    LER MAIS
  • Algoritmo sensível, elites insensíveis: o problema de base do capitalismo 4.0

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Março 2021

O famoso documento, datado de 15 de março, da Congregação para a Doutrina da Fé (Responsum da CDF a um dubium sobre a bênção das uniões de pessoas do mesmo sexo - texto em 7 línguas) em sua parte mais relevante diz: “Além disso, já que as bênçãos sobre as pessoas possuem uma relação com os sacramentos, a bênção das uniões homossexuais não pode ser considerada lícita, enquanto constituiria de certo modo uma imitação ou uma referência de analogia à bênção nupcial [7], invocada sobre o homem e a mulher que se unem no sacramento do Matrimônio, dado que «não existe fundamento algum para assimilar ou estabelecer analogias, nem sequer remotas, entre as uniões homossexuais e o desígnio de Deus sobre o matrimônio e a família»[8]”.

A reportagem é publicada por Il sismografo, 21-03-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

No final do Responsum lemos: “O Sumo Pontífice Francisco, no curso de uma Audiência concedida ao abaixo-assinado Secretário desta Congregação, foi informado e deu seu assentimento à publicação do mencionado Responsum ad dubium, com a Nota explicativa anexa.”

Imediatamente após a sua publicação, iniciou-se em todo o mundo uma onda de críticas e divergências, algumas muito duras, que envolveram diretamente a citada Congregação e a pessoa do Papa porque, como relatamos, o próprio Francisco autorizou tal posição doutrinária.

Imediatamente, uma determinada ala da imprensa deixou claro que o Papa Francisco teria sido "usado" e o documento do Vaticano atribuiria responsabilidades inexistentes ao Pontífice.

Hoje, domingo, 21 de março, o jornalista irlandês Gerard O'Connell (America Magazine, revista jesuíta dos Estados Unidos) e a jornalista argentina Elisabetta Piqué (La Nación) destacam que tomaram conhecimento através de fontes de autoridade do Vaticano, mas que desejam manter o anonimato, que alguns trechos pronunciados hoje pelo Papa Francisco durante o Angelus seriam uma referência ao documento sobre as bênçãos e que dessa forma o Pontífice talvez queira se distanciar do Responsum.

Hoje, Francisco disse no Angelus: “Trata-se de semear sementes de amor, não com palavras que voam, mas com exemplos concretos, simples e corajosos, não com condenações teóricas, mas com gestos de amor. Depois o Senhor, com a sua graça nos faz trazer frutos, mesmo quando o solo é árido por causa de incompreensões, dificuldades ou perseguições, ou reivindicações de legalismos ou moralismos clericais".

O'Connell e Piqué levantam a hipótese, de acordo com o que disse uma fonte anônima do Vaticano, que seria "muito possível" que o Papa quisesse com as palavras "reivindicações de legalismos ou moralismos clericais" referir-se ao Responsum da última segunda-feira da Congregação para a Doutrina da Fé.

Como é frequentemente nos últimos tempos em questões delicadas do Vaticano, nenhum jornalista tem acesso à verdade.

Especulações em questões políticas, geopolíticas ou temas da Agenda da ONU não são preocupantes quando no centro está a Sé Apostólica ou o próprio Papa. Fazem parte da forma de fazer jornalismo.

Em vez disso, essas especulações são alarmantes e devem ser levados muito a sério as ambiguidades, as opacidades e os jogos de palavras em matéria doutrinária. A confusão que está se criando nestas horas através das habituais “fontes anônimas” complica tudo, especialmente em tempos de atribulações e sofrimentos para a maioria dos católicos que discutem sobre os conteúdos do Responsum.

Não é possível contrapor o Pontífice à Congregação para a Doutrina da Fé.

Estamos entre os que têm confiança e por isso pensamos que a Santa Sé esclarecerá o verdadeiro sentido do que disse hoje o Papa Francisco na hora da antífona mariana e que "fontes anônimas do Vaticano" gostariam de apresentar como um conflito interno.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Na doutrina católica, a hierarquia deve ser muito clara, transparente e verdadeira. Não deve se deixar levar pelas lógicas midiáticas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV