Claude Lanzmann foi o grande cineasta do Holocausto

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Julho 2018

Em 'Shoah', filmou do ponto de vista das vítimas e também dos alemães, que negavam sua responsabilidade.

O comentário é de Luiz Carlos Merten, jornalista e crítico de cinema, publicado por O Estado de S. Paulo, 05-07—2018.

Eis o texto.

Em janeiro deste ano, a Universidade Yale, nos EUA, comprou as mais de 100 cartas de amor que Simone de Beauvoir escreveu a seu jovem amante, Claude Lanzmann. Ele protestou - “Essas cartas interessavam somente a nós.” Em Cannes, em maio, já se comentava que ele estava com a saúde debilitada. Nesta manhã, 5 de julho, Claude Lanzmann morreu em sua residência. “Estava com a saúde muito, muito frágil”, informou, num comunicado sua editora, a Gallimard.

Lanzmann nasceu em Bois-Colombe, em 27 de novembro de 1925. Antes dos 30, já estava em Paris, frequentando os meios intelectuais. Trabalhou na revista Temps Moderns e foi secretário de Jean-Paul Sartre. Por sete sanos, viveu uma intensa relação com Simone, quase 20 anos mais velha. Pelas cartas, é evidente que a diferença de idade nunca foi um problerma. Lanzmann não foi pioneiro na abordagem no Holocausto, mas, em seu documentário mais conhecido e famoso, Shoah, com mais de 9 horas de duração, conseguiu mostrar imagens nunca antes divulgadas dos campos de extermínio – Treblinka, Sobibor, Auschwitz. Filmou do ponto de vista das vítimas e também dos alemães, que negavam sua responsabilidade

Antes dele, no começo dos anos 1970, Marcel Ophuls já fizera Le Chagrin et la Pitié, justamente abordando a responsabilidade dos franceses durante a ocupação. Centrado na cidade de Clermont-Ferrand, o filme em preto e branco, e com mais de 4 horas, é feito de imagens de época, sem entrevistas nem comentários, mas que mostram claramente o colaboracionismo dos habitantes com os alemães. Numa rara entrevista, o entertainer Maurice Chevalier, em inglês, defende-se das acusações contra ele e, depois, umas canção radiosa dele embala as cenas da liberação, com o objetivo de provocar mal-estar.

Lanzmann foi mais polêmico com outro documentário, Tsahal, com mais de 5 horas, ao focar as Forças Armadas de Israel. Segundo ele, o país fundado sobre a memória de um massacre tinha todo direito de se defender. No ano passado, Napalm, retratando a Coreia do Norte 60 anos após a (quase) destruição do país pelas bombas norte-americanas, esteve longe de ser uma unanimidade, em Cannes. Mas seu legado é indiscutível. Foi o grande cineasta do Holocausto.

Nota IHU: Em 2014, no evento Ética, Memória, Esperança. Uma perspectiva de triunfo da justiça e da vida – 11ª Páscoa IHU, o Instituto Humanitas Unisinos exibiu o documentário Shoah, de Claude Lanzmann, em sete sessões, cuja duração é de 9h30min, e promoveu o debate com o psicanalista Robson de Freitas Pereira, que discutiu a proposta estético-política do diretor no documentário. Shoah, é considerado o maior e principal documentário do Holocausto

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Claude Lanzmann foi o grande cineasta do Holocausto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU