O Papa ordena uma investigação sobre os abusos na Espanha depois que o El País lhe entregou um dossiê com 251 novos casos

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Deus dos desgraçados. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Itália. Hospitais sem médicos: o governador da Calábria contrata 500 especialistas cubanos

    LER MAIS
  • E se um pesadelo acontecesse na Igreja? O papa em coma

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Dezembro 2021

 

A Doutrina da Fé supervisionará o processo, do qual o Cardeal Omella também está ciente.

As novas vítimas somam 1.237, embora o próprio jornal assuma que, só com os depoimentos recolhidos, chegariam a milhares e afetariam 31 dioceses e 31 congregações religiosas.

Conhecido o dossiê do El País, Francisco e Omella conversaram, diz o jornal madrilenho. “Roma vai esperar resultados, que segundo seu próprio código, devem chegar em não mais de três meses”.

 

Esta é a lista dos 251 casos de abusos entregues ao Papa (disponível aqui).

 

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 19-12-2021.

 

"Eu te digo, se isso for silencioso, as pedras vão gritar." Os bispos espanhóis não ousaram cumprir esta máxima evangélica, então a mídia teve que fazê-lo. Em 2 de dezembro, o correspondente do El País em Roma, Daniel Verdú, entregou ao Papa Francisco uma investigação jornalística, em forma de dossiê, de 385 páginas, durante o vôo que levou Bergoglio a Chipre, e que recolhe 251 novos casos de crianças abusadas na Igreja Espanhola.

Na semana passada, Bergoglio entregou à Congregação para a Doutrina da Fé, que vai centralizar a investigação desses casos inéditos. Posteriormente, o relatório foi entregue ao presidente da Conferência Episcopal, Juan José Omella, que o transferiu para o tribunal eclesiástico de Barcelona.

O relatório inclui boa parte da investigação iniciada pelo jornal em outubro de 2018, e inclui 251 novos casos de clérigos, religiosos e leigos de 1943 a 2018 (último caso relatado), e que supera o número oficial de casos reconhecidos pela Conferência Episcopal, fornecendo dados da Doutrina da Fé: apenas 220 nas últimas duas décadas. São casos novos, que podem aumentar o número de vítimas para 1.237, embora o próprio jornal assuma que, só com os depoimentos recolhidos, chegarão a milhares.

 

Resultados, em três meses

 

Conhecido o dossiê do El Pais, Francisco e Omella conversaram, diz o jornal madrilenho. “O Vaticano, como costuma fazer quando as denúncias são tão numerosas e não pertencem a uma única ordem, diocese ou agressor específico, supervisionará por meio da Congregação para a Doutrina da Fé todo o processo realizado pela CEE”, El País explica, acrescentando que “Roma espera resultados, que segundo seu próprio código, devem chegar em não mais de três meses”.

 

Estas são as novas denúncias e casos recolhidos pelo El País. (Foto: Religión Digital)

 

Os novos casos afetam 31 dioceses e 31 congregações religiosas, que respondem pela maior parte das queixas, 77%, e a maioria das quais já abriu um inquérito. A maioria dos novos casos entregues ao Papa datam das décadas de 1960, 1970 e 1980, embora a investigação se estenda por 80 anos, de 1940 até o presente.

No relatório entregue às autoridades eclesiásticas, não aparecem os dados pessoais das vítimas ou referências que as possam identificar, para garantir o seu anonimato, embora o El País "se tenha colocado à disposição do Vaticano para facilitar o contato com as vítimas e que elas podem fornecer declaração, se desejar".

 

Uma igreja negadora

 

A Igreja espanhola é, juntamente com a italiana, a única no Velho Continente que sistematicamente se recusou a abrir uma investigação histórica sobre o abuso de menores dentro dele. Só o bispo de Zamora, Fernando Valera, prometeu, como revelou uma entrevista à Religión Digital, abrir os arquivos e fazer uma investigação sistemática de possíveis abusos em sua diocese.

 

As novas denúncias, por décadas. (Foto: Religión Digital)

 

Na última Plenária, realizada em meados de novembro, vários bispos tentaram, sem sucesso, iniciar uma investigação interna para descobrir a verdadeira profundidade do drama da pedofilia na história recente da Igreja espanhola. A maioria episcopal, naquela época, preferia continuar olhando para o outro lado e tratando os casos um a um e como eles apareciam.

De fato, o porta-voz da Conferência Episcopal, Luis Argüello, queixou-se amargamente: "São casos pequenos, por que o foco está apenas na Igreja Católica?". A Conferência Episcopal continuará sem investigar os abusos históricos na Igreja espanhola, como o faz o resto dos episcopados europeus, mas se proclama "a primeira do mundo" em normas antiabuso.

Hoje em dia, os bispos espanhóis prestam contas a Roma, em uma visita ad limina em que muitos temiam, antes que acontecesse, um 'necrófago' do Papa por sua atitude para com a pedofilia clerical e as vítimas. Roma agora os forçará a abrir seus arquivos de uma vez?

 

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa ordena uma investigação sobre os abusos na Espanha depois que o El País lhe entregou um dossiê com 251 novos casos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV