“No Haiti reina a anarquia, o Governo não tem controle”. Entrevista com Joseph Harold Pierre

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Populismos, autoritarismos e resistências emergentes

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Julho 2021

 

No Haiti não existe trégua. Tampouco paz. Seu presidente Jovenel Moïse foi assassinado em um ataque armado contra sua própria residência, segundo informou, nesta quarta-feira, o primeiro-ministro Claude Joseph. O crime afunda a nação caribenha – a mais pobre da América Latina – em mais incerteza e vazio institucional.

O assassinato de Moïse, que governava por decreto há mais de um ano, ocorre em meio a tensões sobre quando terminaria o seu mandato e após meses de intensa instabilidade, depois que foram convocadas eleições presidenciais e legislativas para o próximo dia 26 de setembro. Moïse não pretendia se apresentar nessas eleições, tinha a intenção de deixar o poder no dia 7 de fevereiro de 2022, ao completar cinco anos de sua investidura.

Para esse mesmo dia 26 de setembro, também está previsto a realização de um referendo para criar uma nova constituição que substituiria a de 1987, apesar das críticas internacionais e da oposição, que o consideram um processo pouco inclusivo e pouco transparente.

Nem as tensões e nem a instabilidade são algo novo na nação caribenha, afundada em um clima de insegurança e violência política, desde os anos 1990, e que ainda sofre os devastadores efeitos do terremoto de 2010, que causou dezenas de milhares de mortos e que exacerbou sua dependência da ajuda internacional.

O economista e cientista político haitiano Joseph Harold Pierre fala sobre o que ocorreu, nos últimos meses, e como se chegou a tal situação.

A entrevista é de María García Arenales, publicada por El Diario, 07-07-2021. A tradução é do Cepat.

 

Eis a entrevista.

 

O que está acontecendo no Haiti?

O que está ocorrendo atualmente no Haiti é pior do que o que aconteceu durante a ditadura dos Duvalier. Agora, não existem regras, o Governo não tem controle de nada, é uma anarquia. O poder político no Haiti é sumamente corrupto, não há uma vontade de transformar o país. Tudo está fundamentado na corrupção e o poder obstrui a possibilidade de fazer justiça e de consolidar o Estado, que é vítima de suas próprias ações.

O problema do Haiti não era o presidente Jovenel Moïse. No entanto, suas decisões contribuíram enormemente para piorar a situação do país. Aprovou, por exemplo, decretos que serviram para criar uma agência de inteligência e para tipificar como “terrorismo” os atos de vandalismo, e isso significou reduzir certas liberdades e isso fora da ordem constitucional.

Jovenel Moïse chegou a ser presidente porque há um vazio de liderança política no país. Chegar a ser presidente no Haiti é como ganhar na loteria: você pode jogar a vida inteira e nunca ganhar ou jogar uma vez e ganhar. É triste, mas é a realidade.

Como se explica a insegurança vivida pelo país?

O Estado nunca assumiu a responsabilidade de dar segurança à sociedade. E mais, contribuiu para a insegurança, sobretudo nas eleições, onde candidatos à presidência e ao senado entregam armas a criminosos e se consolidam em bandos criminosos incontroláveis. O setor privado também parece ter bandos para controlar seus negócios.

O Estado como tal não existe. É concebido como um butim que é preciso dissipar e devem ser usados todos os meios possíveis, a corrupção e o crime, e isso explica que se tenha chegado a esse ponto. O Governo não tem controle de nada e a Polícia é sumamente frágil.

Agora, no país há uma calma tensa, é como uma bomba que ainda não explodiu.

Em 2019, houve intensos protestos, depois que um relatório sobre corrupção no programa de ajuda venezuelano Petrocaribe atingiu o presidente Moïse, com milhares de manifestantes reivindicando a sua saída. No dia 7 de fevereiro deste ano, a situação se agravou porque, nesse dia, Moïse deveria ter deixado o poder. Contudo, denunciou um golpe de Estado e se manteve no Governo.

A situação foi piorando nos últimos anos. Primeiro com a gestão dos fundos do programa Petrocaribe e depois com o que aconteceu no último dia 7 de fevereiro, quando, segundo o Governo, um grupo de pessoas quis dar um golpe de Estado e foi detido.

Ao longo desse tempo, houve crimes generalizados no país e numerosos sequestros. Atualmente, os bandos criminosos têm mais força política do que a oposição, já que possuem a capacidade de resistir ao Governo pela influência que exercem.

Sem ir muito longe, em inícios deste mês, ao menos 15 pessoas foram assassinadas no país, entre elas o jornalista da Rádio Vision 2000, Diego Charles, e a ativista opositora Marie Antoinette Duclaire, porta-voz do movimento Matriz Liberación.

Além disso, o Governo acabava de tomar duas decisões com horríveis consequências para o futuro do país. Na última segunda-feira, o Executivo concedeu a isenção de responsabilidade total e completa aos ex-primeiros-ministros e ministros que serviram ao país entre 1991 e 2017, um requisito necessário para se apresentar como candidato às eleições de setembro. Esses políticos obtiveram o aval do judiciário, mas se trata de um poder muito politizado e disfuncional. Trata-se de uma ação com consequências nefastas para a democracia do Haiti.

Na segunda-feira, o Governo também decidiu nomear o médico Ariel Henry como novo primeiro-ministro em substituição a Claude Joseph, que assumiu o cargo de forma interina, no último mês de abril. Joseph estava muito alinhado com o presidente, não tinha experiência política. Por isso, a Organização dos Estados Americanos (OEA) também recomendou a Moïse criar um novo gabinete com um novo primeiro-ministro que tivesse a confiança do povo.

São ações que agravam o conflito entre grupos políticos no Haiti e, além disso, há um novo calendário eleitoral. Toda essa combinação piora a situação em meio a uma violência generalizada, onde a Polícia não tem força e os bandos mandam.

O que pode acontecer agora?

Em nível político, haverá um governo de transição, mas agora a conjuntura política não importa tanto quanto a social. A que nível chegará a insegurança? Qual será o nível de violência? Ainda é cedo para saber, ainda que a entrada de forças internacionais poderia ajudar a conter a possível onda de violência que é possível ser desencadeada agora.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“No Haiti reina a anarquia, o Governo não tem controle”. Entrevista com Joseph Harold Pierre - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV