Bispos de língua alemã criticam instrução vaticana sobre reforma paroquial

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Agosto 2020

A instrução vaticana “A conversão pastoral da comunidade paroquial a serviço da missão evangelizadora da Igreja”, do dia 20 de julho, continua sendo fortemente debatida nos países de língua alemã.

A reportagem é de Christa Pongratz-Lippitt, publicada por The Tablet, 14-08-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Na Suíça, ela foi duramente criticada pelo bispo de Basel, Felix Gmür: “O fato de o Vaticano ver a paróquia unicamente concentrada no pároco não reflete a nossa realidade. Além disso, é uma visão teologicamente deficiente e muito restrita”, escreveu Gmür em uma carta aos empregados da sua diocese. A instrução vaticana deixou a “velha impressão” de que, em última instância, o Vaticano está interessado apenas na “predominância do clero”.

As paróquias continuariam sendo lideradas por equipes na sua diocese, e as lideranças leigas continuariam sendo tratados como tais, sublinhou Gmür.

Além disso, as comunidades paroquiais devem ser organizadas democraticamente na Suíça, lembrou ele, caso contrário não são reconhecidas publicamente pelo Estado.

“Como bispo, eu não me deixarei ser paralisado ou impedido por essas ordens restritivas, pois muitas das instruções estão bem longe da realidade”, enfatizou o bispo Gerhard Feige, de Magdeburg, no leste da Alemanha.

“Isso é particularmente verdade na nossa situação de diáspora extrema, uma situação sobre a qual Roma obviamente não tem a mínima ideia, já que não há na instrução quaisquer soluções positivas para a drástica escassez de padres”, escreveu Feige em sua carta aos fiéis.

A Universidade Filosófico-Teológica Bento XVI, em Heiligenkreuz, na Áustria, por outro lado, disse que a instrução certamente teria contribuído muito para os planos de reforma paroquial estrutural que foram realizados na Áustria e na Alemanha nos últimos anos e também teria ajudado a tornar o sacerdócio e a Igreja “novamente atrativos”, caso tivesse sido publicada antes.

Para o editor-chefe do KNA, Ludwig Ring-Eifel, chegou a penúltima hora para a Igreja alemã. Os católicos leigos, especialmente muitas mulheres, estão abandonando o trabalho paroquial. Os seminários estão vazios, e a maioria dos bispos alemães ficou indignada com a instrução do Vaticano.

Agora, havia uma profunda divisão entre a Igreja alemã e Roma, comentou Ring-Eifel em um artigo publicado em Katholisch.de, o site oficial da Igreja alemã.

O Papa Francisco contribuiu para esse estado de coisas, apontou Ring-Eifel. As palavras e os gestos do papa foram interpretados como um convite para a liberalização e a democratização da Igreja e, assim, alimentaram expectativas que não eram viáveis de acordo com a atual lei da Igreja.

Com o Caminho Sinodal, os bispos alemães começaram, assim, a questionar a lei da Igreja – “e, em última instância, a exigir que ela seja modificada”, disse.

“Ainda não se sabe como o Papa Francisco pretende manter a unidade da Igreja nesta situação, que está tão tensa a ponto de romper”, disse Ring-Eifel. “Está claro que já havia motivos suficientes para o papa visitar a Alemanha e explicar o que ele realmente quer. Infelizmente, porém, a pandemia do coronavírus o impediu de sair do Vaticano. E assim a pressão alemã continuará aumentando”, profetizou Ring-Eifel.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos de língua alemã criticam instrução vaticana sobre reforma paroquial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV