Centrais aprovam greve em 5 de dezembro: 'Não mexam nos direitos!

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento dos Focolares à prova

    LER MAIS
  • “Sendo 1% da população, os indígenas são a ponta de lança na resistência a Bolsonaro.” Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • O desafio do pós-teísmo. Artigo de Paolo Gamberini

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Novembro 2017

Representantes das nove centrais sindicais confirmaram a decisão de realizar uma greve nacional contra a reforma da Previdência, marcando para a paralisação para 5 de dezembro.

A reportagem é publicada por Rede Brasil Atual - RBA, 24-11-2017.

Em reunião na sede da Força Sindical, na região central de São Paulo, os dirigentes confirmaram posição aprovada durante ato duas semanas atrás na Praça da Sé, quando se discutiu uma paralisação caso o governo insistisse na tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287.

Segundo nota divulgada logo após o encontro, as centrais afirmam que definiram uma "greve nacional contra a nova proposta de desmonte da Previdência Social apresentada pelo governo". As entidades afirmam que a reforma "acaba com o direito à aposentadoria dos trabalhadores brasileiros".

E acrescentam ao final, dirigindo-se ao Congresso: "Não mexa nos direitos dos trabalhadores!".

Assinam a nota: CGTB, CSB, CSP-Conlutas, CTB, CUT, Força, Intersindical, Nova Central e UGT.

Ontem, em artigo, o presidente da CUT, Vagner Freitas, já havia alertado que haveria greve caso a proposta fosse retomada, afirmando que o governo, "desesperado em entregar qualquer reforma da Previdência aos seus financiadores", apresentaria uma proposta mais "enxuta", mas igualmente ruim.

O secretário-geral da central, Sérgio Nobre, destacou também a Lei 13.467, de "reforma" trabalhista, que segundo ele, poderia ficar ainda pior, considerando as mais de 800 emendas apresentadas à Medida Provisória 808, que altera trechos da lei recém-aprovada. "Imagine somar a essa tragédia a possibilidade de trabalhar a vida inteira e não se aposentar", afirmou. "Todo brasileiro, independentemente da categoria, tem motivo de sobra para cruzar os braços e ir às ruas no dia 5 de dezembro."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Centrais aprovam greve em 5 de dezembro: 'Não mexam nos direitos! - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV