Os leigos do Caminho Sinodal se levantam contra a carta do Vaticano

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Janeiro 2023

 

  • Um sinal da pouca estima que há no Vaticano pelos leigos. Esta é a opinião que Irme Stetter-Karp, presidente do poderoso Comitê Central dos Católicos Alemães (ZdK), merece a carta do Vaticano assinada pelos cardeais Pietro Parolin, Luis F. Ladaria e Marc Ouellet;

  • Quanto ao fato de a carta vaticana ter sido aprovada “in forma specifica” pelo próprio Francisco, “isso significa que o Papa se apropria de algo, toma-o em suas próprias mãos. Não é mais um ato oficial da Cúria, mas do Papa. Você pode apelar ao Papa contra as decisões da Cúria. Mas nada pode ser feito contra o Papa", diz um canonista.

A reportagem é de José Lorenzo, publicada por Religión Digital, 25-01-2023.

Um sinal da pouca estima que há no Vaticano pelos leigos. Esta é a opinião que Irme Stetter-Karp, presidente do poderoso Comitê Central dos Católicos Alemães (ZdK) merece, a carta é assinada pelos cardeais Pietro Parolin, Luis F. Ladaria e Marc Ouellet, pela qual, ecoando a preocupação de um quinteto de bispos, recordam a proibição total de instituir, no âmbito do Caminho Sinodal em curso, um Concílio Sinodal que possa limitar a autoridade dos párocos ou da própria Conferência Episcopal.

Stetter-Karp, em declarações ao portal Katholisch, lamenta o teor da carta, datada de 16 de janeiro, e tornada pública ontem pela Conferência Episcopal Alemã. “Em primeiro lugar, lamento muito, porque mais uma vez recebemos um sinal de baixa estima pelo empenho dos leigos” , afirma.

"Concordo com Bätzing"

"Mas também quero dizer muito claramente que concordo plenamente com a rejeição do bispo Georg Bätzing às acusações feitas no relatório, porque elas não atingem o alvo. Estamos convencidos de que o episcopado será fortalecido e não enfraquecido pela comissão planejada E também estou aliviado ao ver que a grande maioria dos bispos presentes ontem no Conselho Permanente aderiu ao Caminho Sinodal.

O presidente do ZdK não acredita que a carta do Vaticano signifique o fim tanto do Comitê Sinodal quanto do Conselho Sinodal que pretendem lançar no final do caminho do Caminho Sinodal, no qual embarcaram como resultado de a crise gerada pelo impacto do relatório sobre abuso sexual na Igreja Teutônica.

"Não, não vejo isso" , diz ele. em que se reposicione após o escândalo dos abusos. Por isso precisamos de reformas estruturais e também formas de separar os poderes. E estou convencida de que o povo precisa de uma Igreja na qual seja possível uma maior participação e também um sim à diversidade. E nisto nós pode fortalecer o Episcopado".

"Gostaria de discutir isso com o Papa"

Questionado se se pode continuar a afirmar que o Papa tem uma atitude positiva em relação ao caminho sinodal uma vez que esta carta tenha sido aprovada pelo próprio Francisco "in forma specifica", Stetter-Karp afirma que "gostaria muito de ouvi-lo falar diretamente sobre isso. Não posso julgá-lo conclusivamente neste momento. Sempre há momentos em que temos motivos para ver que ele essencialmente apoia nosso caminho e busca uma Igreja sinodal. O mesmo vale para suas recentes declarações sobre a homossexualidade. Sempre há encorajamento. Por outro lado, só posso dizer que é claro que também é irritante que eu tenha publicado esta carta dessa maneira."

Em todo o caso, a presidente do Lazios alemão também sublinha que, desde o início do caminho sinodal, ainda não foi convidada a manter conversações sobre o assunto no Vaticano. "Tomo nota disso e também de que os leigos responsáveis ​​não são percebidos ou levados a sério pelas autoridades vaticanas em pé de igualdade".

"Não é um ato da Cúria, mas do Papa"

No entanto, nem todos estão igualmente otimistas sobre o futuro de curto prazo. Também entrevistado por Katholisch, o canonista Norbert Lüdecke é muito mais pessimista quando se trata de interpretar o verdadeiro significado da carta vaticana. "Na minha opinião, este é o fim nada surpreendente do que está planejado com o Conselho Sinodal e o Comitê Sinodal."

E destaca o fato de que a carta vaticana foi aprovada "in forma specifica" pelo próprio Francisco. "Isso significa que o Papa se apropria de algo, toma em suas próprias mãos. Não é mais um ato oficial da Cúria, mas do Papa. Você pode apelar para o Papa contra as decisões da Cúria. Mas nada pode ser feito contra o Papa", diz.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os leigos do Caminho Sinodal se levantam contra a carta do Vaticano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU