Prêmio Nobel Giorgio Parisi: “As mudanças climáticas não esperam. A ciência alerta, a política se move”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Lula manda carta a Francisco e mostra seu temor pelo “risco” do segundo turno nas eleições

    LER MAIS
  • A curta vida do Homo sapiens

    LER MAIS
  • A paciência do papa idoso é posta à prova

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Setembro 2022

 

A lectio magistralis para o 50º aniversário da Universidade da Calábria: são necessárias medidas muito mais fortes, especialmente por parte dos países ricos que exploram mais recursos.

 

A lectio foi proferida por Giorgio Parisi, físico italiano, Prêmio Nobel de Física de 2021 juntamente com Syukuro Manabe e Klaus Hasselmann, por suas investigações da mecânica estatística de sistemas complexos.

 

O texto é publicado por Repubblica, 20-09-2022.

 

Estamos diante de um período de pessimismo em relação ao futuro, oriundo de crises de vários tipos: crise econômica, aquecimento global, esgotamento de recursos e poluição. Em muitos países, a desigualdade, a insegurança, o desemprego e a guerra também estão aumentando. Enquanto se pensava que o futuro seria inevitavelmente melhor do que o presente, a fé no progresso, nas fortunas magníficas e progressivas dos seres humanos, erodiu: muitos temem que as gerações futuras sejam piores do que as atuais.

 

E assim como a ciência recebeu o crédito pelo progresso, agora recebe a culpa por seu declínio (independentemente de ser real ou apenas percebido). A ciência às vezes é considerada um mau professor que nos levou na direção errada, e mudar essa percepção não é fácil. Há uma grande insatisfação com todos aqueles que nos trouxeram a esta situação e os cientistas não escapam a reprovações.

 

A ciência às vezes é considerada um mau professor que nos leva na direção errada. Mudar essa percepção não é fácil. Não devemos supor que o desenvolvimento da ciência é imparável: é um erro pensar que o desenvolvimento tecnológico pode sempre contar com o desenvolvimento científico. Os romanos preservaram a tecnologia grega sem muita consideração pela ciência grega.

 

Existem algumas consequências práticas da ciência que são muito importantes. A ciência está fazendo grandes progressos e muitos dos problemas do mundo poderiam ser resolvidos usando as ferramentas da ciência disponibilizadas para nós.

 

Nos dias de hoje, a humanidade deve fazer escolhas essenciais; deve combater as alterações climáticas. Durante décadas, a ciência nos alertou que o comportamento humano estava preparando o cenário para um aumento dramático na temperatura do nosso planeta. Mas a ciência por si só não é suficiente. O homem prevenido está prevenido, diz o ditado, mas apenas metade. Decisões políticas são necessárias, especialmente pelos países ricos. Devemos ir além do interesse nacional míope para resolver problemas globais no espírito de "o que for preciso". A Covid nos ensinou que estamos todos conectados e o que acontece nos mercados ou na floresta amazônica afeta profundamente a todos nós.

 

O apelo dos cientistas à política

 

Infelizmente, as ações dos governos não estão à altura deste desafio e os resultados até agora têm sido extremamente modestos. Agora que a mudança climática está começando a afetar a vida das pessoas, talvez haja uma reação mais forte, mas precisamos de medidas muito mais fortes. Pela experiência do Covid, sabemos que não é fácil tomar medidas eficazes a tempo. Vimos com que frequência as medidas de contenção da pandemia foram tomadas tardiamente, apenas quando já não podiam ser adiadas. Lembro-me de um chefe de governo ter dito: "Não podemos fechar antes que os hospitais estejam cheios, os cidadãos não entenderiam".

 

Nossa geração deve trilhar um caminho cheio de perigos. É como dirigir à noite: a ciência é representada pelos faróis, mas a responsabilidade de não sair da estrada é do motorista, que também deve levar em consideração o fato de os faróis terem um alcance limitado.

 

Na verdade, nem mesmo os cientistas sabem tudo. É um trabalho trabalhoso, durante o qual o conhecimento é acumulado um após o outro e os bolsões de incerteza são lentamente eliminados. A ciência faz previsões honestas sobre as quais um consenso científico está se formando lentamente. Quando o IPCF prevê que, em um cenário intermediário de redução das emissões de gases de efeito estufa, a temperatura possa subir entre 2,1 e 3,5 graus, esse intervalo é o que melhor podemos estimar com base no conhecimento atual.

 

Estamos diante de um enorme problema que exige uma ação decisiva não apenas para impedir a emissão de gases de efeito estufa, mas também precisamos de investimentos científicos: devemos ser capazes de desenvolver novas tecnologias para conservar energia, transformando-a em combustíveis, não em tecnologias. sobre os recursos renováveis: não só devemos evitar o efeito de estufa, como também evitar cair na terrível armadilha do esgotamento dos recursos naturais.

 

A economia de energia também é um capítulo a ser abordado com decisão: por exemplo, enquanto a temperatura interna de nossas casas permanecer quase constante entre o verão e o inverno, será difícil parar as emissões.

 

Bloquear com sucesso as mudanças climáticas exige um esforço monstruoso por parte de todos: é uma operação com um custo colossal, não apenas financeiro, mas também social, com mudanças que afetam nossas vidas. A política deve garantir que esses custos sejam aceitos por todos: aqueles que usaram mais recursos devem contribuir mais, para afetar o mínimo possível a maioria da população; os custos devem ser distribuídos de forma justa e equitativa entre todos os países: não apenas a decência exige que os países que atualmente afetam os recursos do planeta façam os maiores esforços, mas se isso não acontecer, será politicamente impossível combater as mudanças climáticas em um efetivo.

 

(Texto retirado da lectio magistralis da Unical).

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Prêmio Nobel Giorgio Parisi: “As mudanças climáticas não esperam. A ciência alerta, a política se move” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV