A ciência mais recente relacionada às mudanças climáticas

Mais Lidos

  • Ideias e paixões para a Igreja na Europa. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • “A maneira de viver dos indígenas é completamente diferente do modo que o agronegócio usa os territórios”. Entrevista com Manuela Carneiro da Cunha

    LER MAIS
  • “Bolsonaro e Trump mostraram que as ruas hoje podem ser da direita”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Setembro 2022

 

Relatório se concentra em gases de efeito estufa, temperaturas globais, previsões climáticas e pontos de inflexão, mudanças climáticas urbanas, impactos climáticos extremos e alertas precoces.

 

A informação é de World Meteorological Organization – WMO, publicada por EcoDebate, 14-09-2022. A tradução é de Henrique Cortez.

 

A ciência do clima é clara: estamos indo na direção errada, de acordo com um novo relatório multiagência coordenado pela Organização Meteorológica Mundial – OMM, que destaca a enorme lacuna entre as aspirações e a realidade. Sem uma ação muito mais ambiciosa, os impactos físicos e socioeconômicos das mudanças climáticas serão cada vez mais devastadores, alerta.

 

O relatório, United in Science, mostra que as concentrações de gases de efeito estufa continuam a subir para níveis recordes. As taxas de emissão de combustíveis fósseis estão agora acima dos níveis pré-pandêmicos após uma queda temporária devido a bloqueios. A ambição das promessas de redução de emissões para 2030 precisa ser sete vezes maior para estar alinhada com a meta de 1,5°C do Acordo de Paris.

 

Os últimos sete anos foram os mais quentes já registrados. Há uma chance de 48% de que, durante pelo menos um ano nos próximos cinco anos, a temperatura média anual seja temporariamente 1,5°C superior à média de 1850-1900. À medida que o aquecimento global aumenta, “pontos de inflexão” no sistema climático não podem ser descartados.

 

Cidades que abrigam bilhões de pessoas e são responsáveis ​​por até 70% das emissões causadas pelo homem enfrentarão impactos socioeconômicos crescentes. As populações mais vulneráveis ​​sofrerão mais, diz o relatório que dá exemplos de climas extremos em diferentes partes do mundo este ano.

 

Enchentes, secas, ondas de calor, tempestades extremas e incêndios florestais estão indo de mal a pior, quebrando recordes com frequência alarmante. Ondas de calor na Europa. Inundações colossais no Paquistão. Secas prolongadas e severas na China, no Chifre da África e nos Estados Unidos. Não há nada de natural na nova escala desses desastres. Eles são o preço do vício em combustíveis fósseis da humanidade”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres.

 

“O relatório United in Science deste ano mostra os impactos climáticos indo para um território desconhecido de destruição. No entanto, a cada ano dobramos esse vício em combustíveis fósseis, mesmo quando os sintomas pioram rapidamente”, disse Guterres em uma mensagem de vídeo.

 

“A ciência do clima é cada vez mais capaz de mostrar que muitos dos eventos climáticos extremos que estamos enfrentando se tornaram mais prováveis ​​e mais intensos devido às mudanças climáticas induzidas pelo homem. Vimos isso repetidamente este ano, com efeitos trágicos. É mais importante do que nunca que intensifiquemos a ação em sistemas de alerta precoce para construir resiliência aos riscos climáticos atuais e futuros em comunidades vulneráveis. É por isso que a OMM está liderando um esforço para garantir alertas precoces para todos nos próximos cinco anos”, disse o secretário-geral da OMM, Prof. Petteri Taalas.

 

United in Science fornece uma visão geral da ciência mais recente relacionada às mudanças climáticas, seus impactos e respostas. A ciência é clara – são necessárias ações urgentes para mitigar as emissões e se adaptar às mudanças climáticas, diz o relatório. Inclui contribuições da OMM (e seus programas Global Atmosphere Watch e World Weather Research); o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, o Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres, o Programa Mundial de Pesquisa Climática, o Projeto Global de Carbono; UK Met Office e a Rede de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Urbanas. Inclui declarações relevantes do Sexto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.

 

Mensagens-chave

Concentrações de Gases de Efeito Estufa (GEE) na Atmosfera

WMO Global Atmosphere Watch (GAW)

 

Os níveis atmosféricos de dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e óxido nitroso (N2O) continuam a aumentar. A redução temporária das emissões de CO2 em 2020 durante a pandemia teve pouco impacto no crescimento das concentrações atmosféricas (o que permanece na atmosfera depois que o CO2 é absorvido pelo oceano e pela biosfera).

 

Dados de todos os locais globais, incluindo observatórios emblemáticos em Mauna Loa (Havaí, EUA) e Cape Grim (Tasmânia, Austrália) indicam que os níveis de CO2 continuaram a aumentar em 2021 e 2022. Em maio de 2022, a concentração de CO2 em Mauna Loa atingiu 420,99 ppm (419,13 ppm em 2021) e Cape Grim 413,37 ppm (411,25 ppm em maio de 2021).

 

Emissões e Orçamentos Globais de Gases de Efeito Estufa

Projeto Global de Carbono

 

As emissões globais de CO2 fóssil em 2021 retornaram aos níveis pré-pandemia de 2019 depois de cair 5,4% em 2020 devido a bloqueios generalizados. Dados preliminares mostram que as emissões globais de CO2 em 2022 (janeiro a maio) estão 1,2% acima dos níveis registrados no mesmo período de 2019, impulsionadas por aumentos nos Estados Unidos, Índia e na maioria dos países europeus.

 

Apesar de uma forte flutuação nas emissões globais nos últimos dois anos e meio, as emissões de CO2 fóssil caíram significativamente em 23 países (muitos países europeus, Japão, México e EUA) durante a década pré-pandemia de 2010-2019.

 

Um quarto das emissões de GEE decorrentes da mudança no uso da terra está associado ao comércio de alimentos entre países, dos quais mais de três quartos são devidos ao desmatamento para agricultura, incluindo pastagens.

 

Estado do clima global: 2018-2022

Organização Meteorológica Mundial – OMM

 

Os sete anos mais recentes, de 2015 a 2021, foram os mais quentes já registrados. A média global da temperatura média de 2018–2022 (com base em dados até maio ou junho de 2022) é estimada em 1,17 ± 0,13 °C acima da média de 1850–1900. Um evento La Niña teve um leve efeito de resfriamento nas temperaturas em 2021/22, mas isso será temporário.

 

Cerca de 90% do calor acumulado no sistema terrestre é armazenado no oceano, o teor de calor do oceano para 2018-2022 foi maior do que em qualquer outro período de cinco anos, com as taxas de aquecimento do oceano mostrando um aumento particularmente forte nas últimas duas décadas.

 

Previsões climáticas globais para 2022–2026

Met Office, Reino Unido / OMM / Programa Mundial de Pesquisa Climática

 

Prevê-se que a temperatura média anual global próxima à superfície para cada ano de 2022-2026 seja entre 1,1°C e 1,7°C mais alta do que os níveis pré-industriais (1850-1900).

 

A probabilidade de a temperatura média anual global próxima à superfície exceder temporariamente 1,5°C acima dos níveis pré-industriais por pelo menos um dos próximos cinco anos é de 48% e está aumentando com o tempo. No entanto, há apenas uma pequena probabilidade (10%) de que a média de cinco anos ultrapasse esse limite. O nível do Acordo de Paris de 1,5°C refere-se ao aquecimento de longo prazo, mas espera-se que anos individuais acima de 1,5°C ocorram com regularidade crescente à medida que as temperaturas globais se aproximam desse limite de longo prazo.

 

Há uma probabilidade de 93% de que pelo menos um ano nos próximos cinco seja mais quente do que o ano mais quente já registrado, 2016, e que a temperatura média para 2022-2026 seja maior do que a dos últimos cinco anos

 

(Foto: Reprodução | EcoDebate)

 

Lacuna de Emissões

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)

 

São necessárias ações de mitigação aprimoradas para evitar que os objetivos do Acordo de Paris fiquem fora de alcance.

 

Novas promessas nacionais de mitigação para 2030 mostram algum progresso na redução das emissões de gases de efeito estufa, mas são insuficientes. A ambição dessas novas promessas precisaria ser quatro vezes maior para limitar o aquecimento a 2°C e sete vezes maior para chegar a 1,5°C.

 

O aquecimento global durante o século 21 é estimado (com 66% de probabilidade) em 2,8 ° C (intervalo 2,3 °C–3,3 °C), assumindo uma continuação das políticas atuais, ou 2,5 °C (intervalo 2,1 °C–3,0 °C). ) se os compromissos novos ou atualizados forem totalmente implementados.

 

Coletivamente, os países estão deixando de cumprir suas promessas novas ou atualizadas com as políticas atuais.

 

Pontos de inflexão no sistema climático

Programa Mundial de Pesquisa Climática/OMM

 

Mais pesquisas sobre pontos de inflexão serão cruciais para ajudar a sociedade a entender melhor os custos, benefícios e limitações potenciais da mitigação e adaptação climática no futuro.

 

A Circulação Meridional do Atlântico – AMOC é um importante motor da distribuição de calor, sal e água no sistema climático, tanto regional quanto globalmente. Pesquisas recentes sugerem que a AMOC pode ser mais fraca no clima atual do que em qualquer outro momento do último milênio.

 

O derretimento das camadas de gelo polar na Groenlândia e na Antártida também é considerado um importante ponto de inflexão e teria consequências globais devido ao aumento substancial do nível do mar por centenas a milhares de anos.

 

Pontos de inflexão regionais, como a seca da floresta amazônica, podem ter sérias consequências locais com impactos globais em cascata. Outros exemplos incluem secas regionais que afetam o ciclo global de carbono e perturbam os principais sistemas climáticos, como as monções.

 

Os efeitos combinados de temperaturas e umidade mais altas em algumas regiões podem atingir níveis perigosos nas próximas décadas, com pontos de inflexão fisiológicos ou limites além dos quais o trabalho humano ao ar livre não é mais possível sem assistência técnica.

 

Mudanças Climáticas e Cidades

Rede de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Urbanas

 

(Foto: Reprodução | EcoDebate)

 

As cidades – que abrigam 55% da população global, ou 4,2 bilhões de pessoas – são responsáveis ​​por até 70% das emissões causadas pelo homem, ao mesmo tempo que são altamente vulneráveis ​​aos impactos das mudanças climáticas, como aumento da precipitação intensa, aumento acelerado do nível do mar, inundações costeiras agudas e crônicas e calor extremo, entre outros riscos importantes. Esses impactos exacerbam os desafios socioeconômicos e as desigualdades.

 

Globalmente, até a década de 2050, mais de 1,6 bilhão de pessoas que vivem em mais de 970 cidades estarão regularmente expostas a temperaturas médias de 3 meses atingindo pelo menos 35°C (95°F).

 

Entre março e maio de 2022, Déli experimentou cinco ondas de calor com temperaturas recordes chegando a 49,2 ° C (120,5 ° F). Com metade da população vivendo em assentamentos de baixa renda e altamente vulnerável ao calor extremo, essa onda de calor levou a impactos socioeconômicos e de saúde pública devastadores. Cidades e assentamentos costeiros de baixa altitude, como Bangkok (Tailândia), Houston (EUA) e Veneza (Itália), são altamente propensos a enfrentar inundações costeiras mais frequentes e extensas devido à elevação do nível do mar, tempestades e subsidência.

 

As cidades têm um papel importante na abordagem das mudanças climáticas, implementando ações de mitigação inclusivas, urgentes e ampliadas e aumentando a capacidade de adaptação de bilhões de habitantes urbanos. Agora é a hora de integrar a adaptação e a mitigação, juntamente com o desenvolvimento sustentável, no ambiente urbano sempre dinâmico.

 

Eventos climáticos extremos e impactos socioeconômicos

Programa Mundial de Pesquisa do Clima da OMM – WWRP

 

O número de desastres climáticos, climáticos e hídricos aumentou cinco vezes nos últimos 50 anos, causando perdas diárias de US$ 202 milhões.

 

À medida que a ciência de atribuição continua a melhorar, as evidências da ligação entre as mudanças climáticas induzidas pelo homem e os extremos observados, como ondas de calor, chuvas intensas e ciclones tropicais, se fortaleceram.

 

Eventos climáticos extremos causam impactos socioeconômicos duradouros, especialmente nas comunidades mais vulneráveis, que muitas vezes também são as menos equipadas para responder, se recuperar e se adaptar.

 

Ciclones tropicais sucessivos atingiram o sudeste da África, causando devastação em Madagascar. A iniciativa World Weather Attribution descobriu que as mudanças climáticas provavelmente aumentaram a intensidade das chuvas experimentadas devido a essas tempestades. À medida que a atmosfera se torna mais quente, ela retém mais água, o que, em média, torna as estações chuvosas e os eventos mais úmidos. Com mais emissões e temperaturas crescentes, episódios de chuvas fortes se tornarão mais comuns.

 

Em junho e julho de 2022, a Europa foi afetada por duas ondas de calor extremas e seca. Portugal teve um novo recorde de temperatura nacional em julho de 47,0 °C e, pela primeira vez registrada, as temperaturas no Reino Unido ultrapassaram os 40 °C. De acordo com a iniciativa World Weather Attribution, as mudanças climáticas causadas pelo homem tornaram a onda de calor no Reino Unido pelo menos 10 vezes mais provável.

 

As ondas de calor do verão representam um risco significativo para a saúde humana, especialmente os idosos e enfermos. Outros fatores – como condições socioeconômicas, urbanização (a ilha de calor urbana) e níveis de preparação – também podem aumentar a vulnerabilidade. Os primeiros relatórios indicam que as ondas de calor levaram a vários milhares de mortes.

 

Sistemas de alerta precoce: adaptando-se às mudanças climáticas e reduzindo o risco de desastres

WMO / Escritório da ONU para Redução de Risco de Desastres

 

Com 3,3 a 3,6 bilhões de pessoas vivendo em contextos altamente vulneráveis ​​às mudanças climáticas, é mais importante do que nunca que a comunidade internacional tome medidas ambiciosas para não apenas mitigar as emissões, mas também se adaptar às mudanças climáticas, particularmente climas extremos e eventos combinados, o que pode levar a impactos socioeconômicos duradouros.

 

Os sistemas de alerta precoce são medidas de adaptação eficazes que salvam vidas, reduzem perdas e danos e são rentáveis. Menos da metade dos países do mundo relataram a existência de Sistemas de Alerta Prévio de Riscos Múltiplos – MHEWS, com cobertura particularmente baixa na África, Países Menos Desenvolvidos e Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento.

 

Uma das principais prioridades internacionais é garantir que todos na Terra sejam protegidos por MHEWS nos próximos cinco anos. Isso exigirá colaboração entre diversos atores e soluções de financiamento inovadoras.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ciência mais recente relacionada às mudanças climáticas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU