Synodus locuta. O processo sinodal está falando pelas Igrejas locais – como Roma vai responder? Artigo de Massimo Faggioli

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A curta vida do Homo sapiens

    LER MAIS
  • A paciência do papa idoso é posta à prova

    LER MAIS
  • Itália. “A esquerda perdeu o povo porque não defendeu o direito à felicidade”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Junho 2022

 

“O atual 'processo sinodal' deu às Igrejas locais a oportunidade de reencontrar suas vozes. Alguns lugares já começaram a encontrar os seus; outros o farão mais cedo ou mais tarde. O futuro da Igreja Católica em países inteiros será decidido pela resposta de Roma aos eventos sinodais. Isso será ainda mais importante do que o resultado do próximo conclave, seja qual for. Mas pode fazer uma grande diferença se a resposta de Roma vier de Francisco ou de seu sucessor”, escreve o historiador italiano Massimo Faggioli, professor da Villanova University, Filadélfia, EUA, em artigo publicado por La Croix International, 20-06-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

A relação entre o centro e as periferias foram críticas na história da Igreja. Isso é verdadeiro até mesmo no atual contexto de “processo sinodal”.

 

Um número considerável de decisões do Vaticano tem mostrado o quão delicado é o atual momento para o pontificado do Papa Francisco.

 

O primeiro veio em 02 de junho quando o bispo Dominique Rey, de Fréjus-Toulon, na França, anunciou que a Santa Sé suspendeu as ordenações na sua diocese.

 

O Vaticano havia designado o cardeal Jean-Marc Aveline, de Marseille, para “visitar” (“inquirir”) a diocese em 2021. Ao final, com a submissão do relatório, veio o chamado para “suspender as ordenações”.

 

A decisão extremamente rara foi tomada no final de maio durante uma reunião entre os prefeitos de quatro dicastérios: cardeais Marc Ouellet (da Congregação para os Bispos), Kevin Farrell (do Laicato, Família e a Vida), João Braz de Aviz (da Vida Religiosa Consagrada) e também o cardeal-designado Lazarus You Heung-sik (do Clero).

 

Havia uma preocupação com a prática de dom Rey ordenar seminaristas formados fora da diocese e provenientes de grupos e comunidades tradicionalistas.

 

Domando os movimentos

 

A segunda decisão veio em 10 de junho, quando o cardeal Farrell enviou uma carta ao movimento Comunhão e Libertação (CL) advertindo-os contra a distorção do carisma do movimento.

 

Foi o último capítulo das tensões que se acumularam entre este grupo pós-Vaticano II e o papa argentino que, paradoxalmente, está culturalmente mais próximo do CL que de qualquer outro dos novos grupos e comunidades eclesiais.

 

A seguinte grande decisão do Vaticano veio em 15 de junho, quando o gabinete do cardeal Braz publicou um rescrito que Francisco havia aprovado durante uma reunião de 7 de fevereiro com o cardeal e seu vice, o arcebispo José Rodríguez Carballo, ofm.

 

Mudou a lei da Igreja para que a partir de agora os bispos diocesanos obtenham uma “licença por escrito” do Dicastério para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica antes de estabelecer associações piedosas de fiéis.

 

É mais um passo para conter novos grupos religiosos na Igreja Católica depois que sua proliferação desregulada nas últimas décadas levou a abusos no governo que permitiram que a má conduta espiritual e sexual não fosse controlada.

 

E o movimento significativo mais recente do Vaticano ocorreu em 15 de junho, quando o dicastério do cardeal Farrell publicou um documento de 103 páginas (por enquanto apenas em italiano e espanhol) chamado “Roteiros catecumenais para a vida conjugal”.

 

A difícil transição para uma Igreja sinodal

 

O que todas essas etapas têm em comum? Eles mostram o quão difícil é a transição de um modelo monárquico e centralizado da Igreja para um modelo sinodal.

 

A suspensão das ordenações em Fréjus-Toulon mostra que Roma não fechará mais os olhos para as dioceses que oferecem refúgio a indivíduos e grupos com tendências tradicionalistas (universos paralelos que muitas vezes prejudicaram a comunhão da Igreja local).

 

Ao mesmo tempo, também mostra um paradoxo: a disposição do Vaticano de intervir para proteger uma dinâmica saudável e segura nas Igrejas locais e nos movimentos leigos. Roma recebeu mais poderes como resultado da crise dos abusos sexuais e não tem medo de usá-los.

 

Mas esses casos também demonstram como é difícil aplicar a sinodalidade às relações cotidianas entre os centros romanos e clericais da Igreja e as partes não clericais e não romanas dela.

 

Os “Roteiros catecumenais para a vida conjugal” são um exemplo disso. Este documento é fruto da recepção da exortação apostólica Amoris Laetitia, de 2016, que se seguiu às assembleias do Sínodo dos Bispos em 2014 e 2015.

 

Mas não está claro como ou se reflete a visão daqueles que participaram da assembleia do Sínodo de 2018, que se concentrou em “Jovens, Fé e Discernimento Vocacional”.

 

Ou os jovens que participaram desse encontro não foram ouvidos, ou foram ouvidos de forma muito seletiva. Há também a possibilidade de que os jovens convidados não fossem representativos de seus pares católicos, ex-católicos e não católicos.

 

Quando e como a autoridade da Igreja intervém?

 

A sinodalidade é ouvir e caminhar juntos, e a questão colocada por essas últimas decisões que Roma tomou é esta: quando e como a autoridade episcopal ou papal deve intervir e fazer o discernimento final?

 

O tratamento atual do Vaticano aos movimentos espirituais e eclesiais repete a cartilha seguida por séculos, e não está claro como a sinodalidade pode mudar a relação entre centro e periferia.

 

Estamos em território desconhecido com a sinodalidade, e ainda estamos explorando como podemos criar uma dinâmica sinodal adequada na Igreja Católica.

 

Em sua conversa com os editores dos periódicos jesuítas europeus, publicados em 14 de junho pelo jornal La Civiltà Cattolica (e publicado em português pelo IHU), aprovado pelo Vaticano, Francisco fez uma piada assustadora sobre o “Caminho Sinodal” alemão.

 

Mantendo-se católica

 

“Ao presidente da Conferência Episcopal Alemã, dom Bätzing, eu disse: ‘Na Alemanha há uma Igreja Evangélica muito boa. Não precisamos de duas’”, disse o papa aos editores.

 

“O problema surge quando o caminho sinodal vem das elites intelectuais, teológicas, e é muito influenciado por pressões externas”, alertou.

 

Mas depois acrescentou: “Há algumas dioceses onde o caminho sinodal está sendo desenvolvido com os fiéis, com o povo, lentamente.”

 

O “Caminho Sinodal” alemão tornou-se – também aos olhos do Papa Francisco – o símbolo de uma maneira descontrolada de fazer sinodalidade que corre o risco de se tornar não-católica.

 

O fato é que o que os membros do “Caminho Sinodal” discutiram e votaram a favor na Alemanha não é totalmente diferente do que está sendo discutido e aprovado em outros países onde a sinodalidade está finalmente decolando.

 

Basta olhar para o que os leigos e os bispos estão discutindo na Austrália, França, Espanha e Índia. Não é o mesmo que o sínodo alemão, mas também não é totalmente diferente.

 

As questões são as mesmas - o papel dos leigos, o ministério das mulheres, a formação do clero etc... Sem dúvida, as propostas podem diferir. Mas eles não divergem drasticamente.

 

No entanto, algumas dessas propostas podem não agradar ao papa.

 

O que Roma fará com as respostas sinodais?

 

A composição cada vez mais globalizada do Colégio dos Cardeais, o consistório do final de agosto e a reforma da Cúria Romana são desenvolvimentos importantes para o caminho da Igreja no futuro próximo.

 

Mas a verdadeira questão é o que Roma fará com esses movimentos sinodais que foram inspirados pelo próprio Francisco.

 

Que propostas aceitará e permitirá aplicar a nível universal (toda a Igreja Católica)? Quais serão permitidos neste ou naquele país? Quais serão ignoradas ou proibidas?

 

O Vaticano terá que se envolver com essas propostas em algum momento – na próxima assembleia do Sínodo, em outubro de 2023, ou mais tarde.

 

Como diz o velho ditado, Roma locuta, causa finita – “Roma falou, a discussão acabou.

 

Mas a sinodalidade pode mudar isso de maneiras que não podemos ver claramente neste momento. Os primeiros séculos foram, em certo sentido, a era de ouro (e muitas vezes romantizada) da sinodalidade. Sínodos e concílios falaram com mais autoridade do que Roma.

 

O atual “processo sinodal” deu às Igrejas locais a oportunidade de reencontrar suas vozes. Alguns lugares já começaram a encontrar os seus; outros o farão mais cedo ou mais tarde.

 

O futuro da Igreja Católica em países inteiros será decidido pela resposta de Roma aos eventos sinodais.

 

Isso será ainda mais importante do que o resultado do próximo conclave, seja qual for.

 

Mas pode fazer uma grande diferença se a resposta de Roma vier de Francisco ou de seu sucessor.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Synodus locuta. O processo sinodal está falando pelas Igrejas locais – como Roma vai responder? Artigo de Massimo Faggioli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV