Patriarca Kirill: O Patriarca Bartolomeu se considera não o primeiro entre iguais, mas o primeiro acima de todos os outros

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Novembro 2021

 

Na entrevista com o diretor geral do canal de televisão "Spas" B.V. Korchevnikov transmitida no canal "Rússia 1" em 20 de novembro de 2021, Sua Santidade o Patriarca Kirill de Moscou e de toda a Rússia, respondeu à pergunta sobre as possíveis razões para as ações do Patriarca Bartolomeu de Constantinopla, que provocam o cisma na Ortodoxia mundial.

 

A reportagem foi publicada por Chiesa Ortodossa Russa, 20-11-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

“Às vezes um desentendimento pode ser assustador, como no caso de Bartolomeu. Recentemente, o senhor, com toda a honestidade, constatou que ele escolheu o cisma. O senhor o conhece há muitos anos, o visitou em Istambul para conter a assinatura do tomos. Como isso pode acontecer com o homem que carrega a cruz patriarcal, a responsabilidade patriarcal? Ele agora vê como os ortodoxos são expulsos das igrejas, cospem neles, batem neles e botam fogo - e tudo isso é o resultado de sua assinatura! Ele é um Patriarca, ele terá que responder perante Deus! Do ponto de vista humano, não consigo entender o que aconteceu para que decidisse fazê-lo. O que foi?”

 

“Acredito que existem duas razões. A primeira é a autocompreensão absolutamente falsa do Patriarca Bartolomeu, que considera a si mesmo o líder do mundo ortodoxo. Do ponto de vista da eclesiologia ortodoxa, ele é o primeiro entre iguais, mas ele se considera não o primeiro entre iguais, mas o primeiro sobre todos os outros. Ou seja, ele é seduzido pela mesma ideia cuja realização levou à divisão do cristianismo em oriental e ocidental. E agora, atrevo-me a dizer, por iniciativa pessoal do Patriarca Bartolomeu, o mesmo tema do poder dividiu desta vez a Igreja Ortodoxa”.

 

É uma página trágica na história da Igreja Ortodoxa, e todos nós, particularmente os Primazes das Igrejas Ortodoxas locais, deveríamos fazer de tudo para celebrar a divina Eucaristia juntos novamente no altar único, edificando a fé Ortodoxa entre os nossos contemporâneos. Para que a Igreja possa se tornar a força espiritual capaz de ajudar o homem a encontrar os caminhos nessa difícil vida de hoje”.

 

“Pode alguém tornar-se tão cego por causa de um conceito teológico mal compreendido a ponto de sufocar a própria consciência?”

 

“Eu não gostaria de pensar assim. Ainda não mencionei o outro fator, que poderia ter influenciado muito o Patriarca Bartolomeu - é o fator político. A condição do patriarcado de Constantinopla sempre foi muito precária - quando digo "sempre", me refiro certamente ao período após a queda do Império Bizantino. O Patriarcado era e até agora está sob o controle das forças políticas não ortodoxas e, em geral, o Patriarca Bartolomeu deve, parece-me, não digo se submeter, mas correlacionar a sua posição com aquele contexto liberal que existe nos países ocidentais e nos Estados Unidos. Em certo sentido, a Igreja no Ocidente é bastante vulnerável. Aqui está um exemplo simples: A Igreja Ortodoxa discorda e nunca concordará com a ideia da moda sobre as relações matrimoniais. Chamamos a convivência das pessoas do mesmo sexo de pecado grave”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Patriarca Kirill: O Patriarca Bartolomeu se considera não o primeiro entre iguais, mas o primeiro acima de todos os outros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV