Limitar a extração de combustível fóssil para manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A guerra de Putin e Kirill. “O pluralismo religioso nunca foi um problema para a democracia, mas hoje o pluralismo ético moral é para as democracias.” Entrevista com José V. Casanova

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Das cinzas da hiperglobalização pode surgir uma globalização melhor. Artigo de Dani Rodrik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Setembro 2021

 

Quase 60% do petróleo e do gás metano fóssil e quase 90% do carvão devem permanecer no solo até 2050 para manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C, constata um estudo de pesquisadores da University College London (UCL).

A reportagem é publicada por EcoDebate, com tradução e edição de Henrique Cortez, 09-09-2021.

A produção global de petróleo e gás deve cair 3% ao ano até 2050 para atingir essa meta. Muitos projetos de extração de combustível fóssil, tanto planejados quanto operacionais, não são conducentes ao cumprimento dos limites da meta acordados internacionalmente sobre o aquecimento global, conforme estabelecido pelo Acordo do Clima de Paris em 2015. Um número significativo de regiões, portanto, já atingiu o pico de produção de combustível fóssil, e qualquer aumento na produção de uma região deve ser compensado por um maior declínio da produção em outro lugar.

As descobertas, publicadas na Nature, são baseadas em uma probabilidade de 50% de limitar o aquecimento a 1,5°C neste século, o que significa que aumentar a probabilidade de atingir essa meta exigiria um declínio ainda mais rápido na produção e mais combustíveis fósseis deixados no solo.

Os pesquisadores usaram um modelo de sistema de energia global para avaliar a quantidade de combustíveis fósseis que precisariam ser deixados não extraídos regional e globalmente.

As reservas não extraídas necessárias são estimadas como o percentual da base de reserva de 2018. Isso precisa ser 58% para o petróleo, 59% para o gás metano fóssil e 89% para o carvão até 2050.

O autor principal Dan Welsby (UCL Institute for Sustainable Resources) disse: “Em 2015, 196 partes assinaram o Acordo do Clima de Paris, com o objetivo de manter o aumento da temperatura média global bem abaixo de 2 o C, com 1,5 o C a meta desejada. Desde então, o Relatório Especial do IPCC em 1,5°C, sucessivos Relatórios de Gap de Produção e o Relatório de Zero Líquido da IEA indicaram, sem dúvida, que cortes dramáticos na produção de combustível fóssil são necessários imediatamente para avançar para as emissões líquidas zero, e que os atuais e indicados as trajetórias de produção de combustíveis fósseis estão nos levando na direção errada.

“Nosso novo trabalho acrescenta peso à pesquisa recente, indicando que a produção global de petróleo e gás metano fóssil já atingiu o pico. De uma perspectiva regional, nossos resultados sugerem risco de transição significativo para grandes produtores de combustíveis fósseis. A produção de petróleo no Oriente Médio, por exemplo, cai quase pela metade entre 2020 e 2050, sugerindo que a diversificação das economias longe da dependência das receitas de hidrocarbonetos é absolutamente crítica”.

O trabalho se baseia em pesquisas anteriores em 2015, que descobriram que, para limitar o aquecimento a 2°C, um terço das reservas de petróleo, quase metade das reservas de gás metano fóssil (49%) e mais de 80% das reservas de carvão devem permanecer no chão.

Os pesquisadores usaram o Modelo de Avaliação Integrado TIMES na UCL (TIAM-UCL). O modelo captura fontes de energia primária – petróleo, gás metano fóssil, carvão, nuclear, biomassa e renováveis – desde a produção até a conversão (por exemplo, produção de eletricidade, hidrogênio e biocombustível ou refino de petróleo) e distribuição para atender a um conjunto de demandas em cada extremidade - setor de uso.

Os países do mundo são representados em 16 regiões, o que permite uma caracterização detalhada dos setores regionais de energia. O modelo avaliou diferentes cenários, incluindo menores demandas nos principais setores intensivos em carbono (aviação e produtos químicos) e incerteza em torno da disponibilidade e implantação de captura, utilização e armazenamento de carbono chave (CCUS) e tecnologias de emissões negativas (NETs).

Em termos de distribuição regional das reservas não extraíveis de combustíveis fósseis, os pesquisadores descobriram que o Oriente Médio deve deixar cerca de 60% das reservas de petróleo e gás no solo, o que, devido ao grande tamanho de sua base de reservas, também resulta em enormes volumes absolutos. Além disso, as regiões com altas concentrações de custo relativamente alto e depósitos intensivos em carbono de petróleo dentro da base de reserva mostram altas proporções de reservas não extraíveis, incluindo as areias betuminosas no Canadá (83%) e petróleo ultra-pesado na América Central e do Sul (73% ) As diferenças regionais na proporção de combustíveis fósseis que devem permanecer não extraídos se devem a uma combinação de fatores, incluindo custos de extração, a intensidade de carbono da produção e os custos de tecnologias alternativas aos combustíveis fósseis.

O Sr. Welsby continuou: “Ressaltamos que nossas estimativas de reservas não extraíveis e taxas de declínio de produção são provavelmente subestimadas, dado que usamos um orçamento de carbono consistente com apenas 50% de chance de atingir 1,5 o C e a enorme incerteza em torno da implantação de tecnologias de emissão negativa. No entanto, supondo que haja vontade política para cumprir os compromissos assumidos em Paris, as reduções de combustíveis fósseis sugeridas em nosso trabalho são totalmente viáveis ”.

A pesquisa foi apoiada pela European Climate Foundation (ECF) e pelo UK Energy Research Centre (UKERC). Os autores também agradecem o apoio de Damian Carrington, Editor de Meio Ambiente do The Guardian por seu papel inicial em ajudar a moldar a pesquisa e o financiamento.

 

Referência:

Welsby, D., Price, J., Pye, S. et al. Unextractable fossil fuels in a 1.5 °C world. Nature 597, 230–234 (2021). Disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Limitar a extração de combustível fóssil para manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV