O Papa entrega ao enviado dos Estados Unidos uma mensagem para Biden

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Reformas essenciais necessárias em nossa Igreja hoje. Documento da Catholic Church Reform International

    LER MAIS
  • Os dois santos que me salvaram da escrupulosidade

    LER MAIS
  • A grande guerra contemporânea e a diplomacia vaticana. Entrevista com Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Mai 2021

 

A sobrevivência de todos está em risco, se não intervirmos imediatamente sobre o clima. John Kerry, enviado especial do presidente dos Estados Unidos Joe Biden para o clima, falou ontem à tarde no Vaticano na Casina Pio IV no encontro Dreaming of a better restart (Sonhando com um reinício melhor) organizado pela Pontifícia Academia de Ciências e, segundo o que o Repubblica apurou, lançou um alarme há muito compartilhado pelo Vaticano: depois de mais de um ano da eclosão da pandemia, as consequências da ação do homem sobre a natureza são visíveis a todos.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por Repubblica, 16-05-2021. A tradução de Luisa Rabolini.

Sobre isso, como com toda probabilidade também sobre a situação no Oriente Médio, Kerry falará novamente hoje - das 10h às 10h30 - com o Papa Francisco durante uma audiência que Bergoglio valoriza e que sempre acontece no Vaticano. O Papa considera significativo que Biden tenha voltado ao Acordo de Paris após a decisão de seu antecessor Donald Trump de sair. O acordo, não por acaso, também foi defendido por ele na Laudato si', a encíclica dedicada ao cuidado da criação e mencionada várias vezes ontem na Casina Pio IV.

Há um mês, Francisco ouviu com interesse o discurso de Biden na "Cúpula dos Líderes sobre o Clima", realizada em Nova York de forma virtual no "Dia da Terra", o dia mundial da Terra. E apreciou a meta de reduzir pela metade as emissões de gases de efeito estufa em relação aos níveis de 2005 até 2030. Para a Santa Sé, uma inversão de rota é mais do que nunca necessária: "É hora de agir, estamos no limite", disse Francisco. em uma mensagem de vídeo enviada para a ocasião. A pandemia Covid-19 “ensinou-nos esta interdependência, este compartilhamento do planeta.

E as duas catástrofes globais, Covid e clima, mostram que não temos tempo para esperar mais”. E ainda: “Deus sempre perdoa, nós homens perdoamos de vez em quando, a natureza não perdoa mais.” Na entrevista poderia também ser tratada a situação de Jerusalém, que Kerry conhece bem por ter sido secretário de Estado na administração de Barack Obama.

A Santa Sé está muito preocupada. Os contatos da diplomacia pontifícia com o patriarca latino de Jerusalém, Pierbattista Pizzaballa, são constantes. "Estamos à beira de uma guerra civil", disse Pizzaballa ontem, expressando uma preocupação compartilhada com o Vaticano e denunciando a "política do desprezo caracterizada por uma linguagem de ódio usada vezes demais por líderes políticos e religiosos locais." “Agora - concluiu - temos de acalmar a situação.

Estamos prontos para colaborar”. No pano de fundo do encontro com Kerry está também o tema das relações entre o Vaticano e Washington, que se tornaram mais distendidas após a eleição de Biden. Francisco as gerencia em parte diretamente. E a própria decisão de receber Kerry é uma mensagem de abertura ao presidente dos Estados Unidos. Há uma semana fez muito barulho uma carta que o cardeal Luis Ladaria, prefeito do ex-Santo Ofício, escreveu aos bispos estadunidense que queriam intervir para garantir que a Biden fosse negada a comunhão por ter se declarado pró-escolha sobre a questão do aborto, ou seja, a favor de uma livre decisão das mulheres. Ladaria escreveu que não existe apenas o problema do aborto e que, portanto, é preciso diálogo, construção e não fechamentos. Trata-se de uma intervenção importante, inusual e, portanto, mais significativa e que testemunha a vontade papal de ir ao encontro do presidente sobre um tema delicado para os católicos.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa entrega ao enviado dos Estados Unidos uma mensagem para Biden - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV